Notícias

Comércio eletrônico segue crescendo, mesmo com a crise

Professor Gama
Escrito por Professor Gama em maio 11, 2017
Comércio eletrônico segue crescendo, mesmo com a crise
Junte-se a mais de 127.133 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

A alta no volume de vendas do comércio eletrônico é a maior desde 2012. E o varejo físico caiu em 1,6% no mesmo período. Veja.

Comércio-eletrônico-cresce-mesmo-com-a-crise
Comércio-eletrônico-cresce-mesmo-com-a-crise

 

Em recente relatório da SpendingPulse, publicado pela Mastercard um indicador macroeconômico que informa sobre gastos no varejo nacional e o desempenho do consumo, os dados para quem atua no comércio eletrônico são animadores.

As informações do relatório trazem um aumento de 36,2% no volume de vendas do e-commerce em março, comparado ao ano anterior.

Com relação ao 1º trimestre de 2017 com o de 2016, o comércio eletrônico fechou em alta de 25,9%.

E esse dado revela o maior volume de vendas desde outubro de 2012. O varejo físico, por outro lado, registrou queda de 1,6%.

Setores beneficiados pelo crescimento do comércio eletrônico

Móveis e eletrônicos são os setores que alavancaram as vendas.

Eles apresentaram crescimento acima da média do e-commerce do país.

Mas supermercados, artigos farmacêuticos, material de construção e artigos de uso pessoal e doméstico cresceram também acima do indicador de vendas.

Já os setores como móveis, eletrodomésticos, vestuário e combustíveis apresentaram resultado abaixo do crescimento do indicador de vendas no varejo.

O relatório também mostra queda de 2,0% nas vendas totais no primeiro trimestre de 2017 em relação ao último trimestre de 2016, quando registrou baixa de 4,6%.

Crescimento por regiões

Com relação ao desempenho das regiões brasileiras, em março de 2017:

Sul e Sudeste apresentaram as menores quedas (-0,9%) e (-0,5%), respectivamente, enquanto

Norte (-3,35),Nordeste (-3,0%) e Centro Oeste (-4,1%) ficaram abaixo do registrado pelo varejo.

Isso no comparativo com o mesmo período do ano anterior.

“Embora o ambiente econômico demonstre desafios, especialmente em função da atual taxa de desemprego e deterioração da massa salarial, esperamos uma melhora gradativa no comércio varejista.  

Em especial no e-commerce”, afirma Kamalesh Rao, Diretor de Pesquisa Econômica da Mastercard Advisors.

A evolução do comércio eletrônico ou e-commerce vem fazendo até mesmo os grandes e modernos varejistas a repensar suas estratégias de venda.

Então, não será a hora de mudar?

Deixe o seu comentário!

comentários

Advogado e Empresário. Diretor de Marketing da Agencia Professor Gama

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Junte-se a mais de 127.133 pessoas