RECEBA NOSSAS NOVIDADES

Assine agora para receber conteúdo de qualidade

Gama de Medeiros > Artigos > Notícias > Hospital é condenado após paciente ser filmado durante emergência

Hospital é condenado após paciente ser filmado durante emergência

Luiz Fernando Gama de MedeirosNotícias29 jan, 2018 18:50
Compartilhe nas suas redes sociais!

Um hospital gaúcho foi condenado a pagar indenização de R$ 50 mil para família de paciente que foi filmado durante um procedimento de emergência. Saiba mais!

Hospital é condenado após paciente ser filmado durante emergência
Familiares do homem filmado durante um procedimento de emergência em um hospital gaúcho receberão R$50 mil por danos morais. (Foto: iStock Photo)

Com a expansão da internet mobile e aumento na quantidade de dispositivos em circulação, é muito frequente que, em algum ambiente público frequentado por nós, haja alguém gravando um vídeo.

No entanto, há limites para tal tipo de exposição. Quando o campo da ética não é o suficiente, a aplicação da lei se faz necessária. Foi o que aconteceu em um hospital do RS.

A Instituição foi condenada a pagar R$ 50 mil de danos morais aos pais de um homem filmado durante procedimento de emergência. O vídeo, gravado com celular, foi compartilhado nas redes sociais. A decisão é da 2ª Vara Cível de Torres.

Entenda o caso

Conforme os autos do processo, o homem foi levado ao hospital com um ferimento provocado por arma de fogo, na cabeça. A vítima teria sido encaminhada ao hospital pelo Samu.

O vídeo foi gravado durante os procedimentos realizados pelos enfermeiros. As provas levam a crer que as gravações teriam sido feitas por um policial militar presente no local.

► Leia também: Fumar em automóveis com crianças poderá gerar multa

Para a Juíza Rosane Ben da Costa, mesmo que as imagens não tenham sido gravadas por funcionários, há responsabilidade da instituição de saúde no caso.

“Só o fato dessa gravação ter ocorrido, ainda que por terceiro, mas em meio a um atendimento médico de emergência que se realizava em sala do [hospital], revela uma omissão do referido nosocômio no que diz com a garantia da intimidade e/ou privacidade dos pacientes”, afirmou a magistrada.

Funcionárias da emergência teriam percebido a gravação

A juíza destacou o fato de uma enfermeira e uma técnica em enfermagem terem claramente percebido a gravação. Segundo relatos, uma delas teria respondido a questionamento de quem fazia o vídeo.

Um fato que, segundo a juíza, vai contra o “dever de todo hospital” de orientar seus funcionários “para que não permitam o ingresso de terceiros de posse de telefones celulares”.

Na sala de atendimento havia 11 pessoas, entre funcionários do hospital, do Samu e policiais. Sobre o valor do ressarcimento, a magistrada espera que a condenação possa compensar os autores da ação pelo sofrimento e dano moral “irreparável”. Além disso, que tenha efeito pedagógico para o hospital.

O Estado do Rio Grande do Sul aparece na ação como corréu. Isso se deve à participação de agentes do Samu no atendimento.

No entanto, a unidade federativa não teve responsabilidade reconhecida sobre o episódio. Acesse a decisão na íntegra.

Informações via TJ/RS.

► Leia também: Dinheiro público recuperado após desvio pode fortalecer Saúde e Educação

Quer descobrir como criar um modelo de advocacia com crescimento rápido e enxuto? Então confira o vídeo abaixo.

Compartilhe nas suas redes sociais!

Deixe o seu comentário!

comentários

Leave a reply



Av. Carlos Gomes, 1155 • Cjto 602
Bela Vista • Porto Alegre • RS
CEP: 90480-004

(51) 3330-3938

sac@gamademedeiros.com.br

Gama de Medeiros. Todos os direitos reservados © 2017