RECEBA NOSSAS NOVIDADES

Assine agora para receber conteúdo de qualidade

Gama de Medeiros > Artigos > Notícias > Precatórios são cancelados por bancos e transferidos ao Tesouro Nacional

Precatórios são cancelados por bancos e transferidos ao Tesouro Nacional

Luiz Fernando Gama de MedeirosNotícias18 out, 2017 16:14
Compartilhe nas suas redes sociais!

Bancos não estão consultando titulares para conferir se processos estão parados. Precatórios estão sendo transferidos ao Tesouro Nacional. Entenda.

Precatórios
Sem intimar os titulares, os bancos começaram a transferir ao Tesouro Nacional as quantias não sacadas há dois anos, como previsto em lei.

Os bancos Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil, estão cancelando precatórios sem consultar se processos estão parados. Eles estão seguindo a Lei 13.463/2017, em vigor desde 31 de agosto deste ano. A lei determina o cancelamento de quantias não sacadas há dois anos.

Segundo a ConJur, a lei foi editada para que o governo tome de volta precatórios reconhecidos pela Justiça, mas nunca sacados, numa forma de reaver o dinheiro de “credores omissos”.

Escritórios de advocacia reclamam que muitas vezes há incidentes processuais atrasando a expedição do alvará de levantamento dos valores, embora eles já tenham sido reconhecidos. É um atraso na conclusão do processo, mas não por culpa do credor.

Conforme a lei, no artigo 2º está que os precatórios e RPVs de mais de dois anos devem ser cancelados, e o parágrafo 1º do artigo determina a transferência para o Tesouro. Já o artigo 3º obriga os bancos a avisar os presidentes dos tribunais responsáveis pelos processos, que devem comunicar os juízos de execução.

O que acontece é que os tribunais não têm sido avisados. Empresas e escritórios de advocacia têm sido surpreendidos com a notícia de que os valores foram “devolvidos” à União.

Bancos afirmam que não têm obrigação de avisar ninguém

O Banco do Brasil afirmou em nota da Assessoria de Imprensa, que os “atos praticados” de acordo com a Lei 13.463/17 “estão em consonância com a legislação vigente e com as orientações e determinações que vêm recebendo do CJF”.

A Assessoria da Caixa disse em comunicado enviado à ConJur quase o mesmo. “A lei não exige que a instituição financeira comunique previamente os tribunais e juízes de execução sobre o cancelamento do precatório”.

Ainda, segundo a nota, cabe aos bancos “apenas o repasse dos recursos ao Tesouro Nacional”. Quem deve ser comunicado, diz a instituição, é o presidente do tribunal onde o precatório foi reconhecido. Ele é quem deve oficiar o juízo de execução.

Para o advogado tributarista Daniel Szelbracikowski Corrêa, o cancelamento dos precatórios sem intimação dos titulares é ilegal e inconstitucional. Trata-se da incorporação à Conta do Tesouro de algo que o Judiciário já reconheceu não pertencer à União, argumenta.

“A transferência ao Tesouro de precatórios depositados há mais de dois anos afrontou o devido processo legal e a competência dos juízos das respectivas execuções, já que pressupôs a inércia dos credores em absolutamente todos os casos de depósitos não levantados no prazo de dois anos”, escreveu o advogado em artigo publicado na ConJur.

Em julho, o governo divulgou que pretende “recuperar” R$ 10,2 bilhões com o cancelamento de precatórios e RPVs. Alguns escritórios informam que já tomaram as medidas cabíveis contra as manobras e aguardam decisões judiciais.

Baixe o nosso aplicativo e tenha todos os nossos conteúdos em primeira mão!

Compartilhe nas suas redes sociais!

Deixe o seu comentário!

comentários

Leave a reply



Av. Carlos Gomes, 1155 • Cjto 602
Bela Vista • Porto Alegre • RS
CEP: 90480-004

(51) 3330-3938

sac@gamademedeiros.com.br

Gama de Medeiros. Todos os direitos reservados © 2017