8 padrões tóxicos nos relacionamentos entre mãe-filha

Artigos

8 padrões tóxicos nos relacionamentos entre mãe-filha

Andrea W
Escrito por Andrea W em julho 17, 2020
8 padrões tóxicos nos relacionamentos entre mãe-filha
Junte-se a mais de 127.133 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

É verdade que todas as filhas de mães sem amor e sem sintonia têm experiências comuns.

A falta de cordialidade e validação materna distorce seu senso de si mesmo, faz com que não tenham confiança ou desconfiem de uma conexão emocional íntima e os molda de maneiras que são vistas e invisíveis.

O que elas estão perdendo? Vamos citar a descrição do que uma mãe sintonizada comunica através do olhar, gesto e palavra é perfeita:

“Você é o que você é. Você é o que está sentindo.

Permitindo-nos acreditar em nossa própria realidade.

Convencendo-nos de que é seguro expor nosso verdadeiro e frágil início do nosso eu verdadeiro. ”

A filha não amada ouve algo muito diferente e tira completamente outra lição.

Ao contrário da filha de uma mãe sintonizada que cresce sob luz refletida, a filha não amada é diminuída pela conexão.

No entanto, apesar dos traços gerais dessa experiência compartilhada e dolorosa, o padrão de conexão – como a mãe interage com a filha – varia significativamente de um par para outro.

Agora vamos saber como isso acontece.

PADRÕES TÓXICOS ENTRE MÃE E FILHA

Esses comportamentos diferentes afetam as filhas de maneiras específicas.

Compilamos uma lista desses padrões, extraídos de experiências de muitas filhas ao longo dos anos.

Diferenciar esses padrões em termos gerais pode ajudar as filhas a reconhecer, entender, classificar e finalmente começar a gerenciar essas interações muito problemáticas e dolorosas. Esses comportamentos não são mutuamente exclusivos, é claro.

1. DESDÉM

 “Minha mãe me ignorou”, confidência Paula, 47 anos. “Se eu fizesse algo que achava que a deixaria orgulhosa, ela a descartava como insignificante ou a cortava de alguma outra maneira.

E eu acreditei nela por mais tempo.

Filhas criadas por mães desdém duvidam da validade de suas próprias necessidades emocionais.

Eles se sentem indignos de atenção e experimentam uma profunda e dolorosa dúvida, o tempo todo sentindo um desejo intenso de amor e validação.

Aqui está como uma filha descreve:

“Minha mãe literalmente não me ouviu.

Ela perguntava se eu estava com fome e se eu dissesse que não estava, ela colocava comida na minha frente como se eu não tivesse dito nada.

Ela perguntava o que eu queria fazer no fim de semana ou no verão, ignorava minha resposta e fazia planos para mim. Que roupa eu queria? A mesma coisa.

Mas essa não era a parte central: ela nunca me perguntou como eu estava me sentindo ou o que estava pensando.

Ela deixou claro que eu era em grande parte irrelevante para ela.

O comportamento desdém, como relatado pelas filhas, ocorre em um espectro e pode se tornar combativo se a mãe ativa e agressivamente transformar em rejeição.

A prole humana está ligada à necessidade e busca da proximidade de suas mães, e aí reside o problema: a necessidade da filha pela atenção e amor de sua mãe não é diminuída pela demissão da mãe.

De fato, isso pode aumentar a necessidade, levando a filha a um padrão ativo de demanda (“Por que você não se importa comigo / me ama, mãe?” Ou “Por que você me ignora? ”) ou um plano para“ consertar ”a situação (“ eu vou conseguir todos os A na escola ou ganhar um prêmio, e então ela vai me amar com certeza! ”).

A resposta, infelizmente, é inevitavelmente a maior retirada da mãe, muitas vezes acompanhada de completa negação do que aconteceu.

2. CONTROLADORA

De muitas maneiras, essa é outra forma de interação desprezível, embora se apresente de maneira muito diferente;

o elo principal é que a mãe controladora não reconhece a filha mais do que a que desconsidera.

 Essas mães micro gerenciam suas filhas, recusam-se ativamente a reconhecer a validade de suas palavras ou escolhas e instilam uma sensação de insegurança e desamparo nos filhos.

A maior parte desse comportamento é feita sob o pretexto de ser para o “próprio bem” da criança; a mensagem é, efetivamente, que a filha é inadequada, não se pode confiar em si para exercer um bom julgamento, e que simplesmente tropeçaria e falharia sem a orientação de sua mãe.

3. INDISPONÍVEL 

Mães emocionalmente indisponíveis, aquelas que se afastam ativamente da abordagem de uma filha ou que retêm o amor de um filho enquanto o concedem a outro, causam um tipo diferente de dano.

Lembre-se de que todas as crianças são orientadas a confiar em suas mães, graças à evolução.

“Minha mãe não era má”, escreve uma filha, “mas ela estava emocionalmente desconectada de mim e ainda é.”

Esses comportamentos podem incluir falta de contato físico (sem abraços, sem conforto); falta de resposta aos gritos ou demonstrações de emoção de uma criança e suas necessidades articuladas à medida que envelhece; e, é claro, abandono literal.

O abandono literal deixa suas próprias cicatrizes, especialmente em uma cultura que acredita na natureza automática do amor materno e no comportamento instintivo.

Além de ser doloroso, também é desconcertante. Isso era verdade para Helena, 39 anos, que resolveu muitas dessas questões e, como mãe, agora tem contato limitado com a mãe.

Os pais de Helena se divorciaram quando ela tinha quatro anos e ela viveu com sua mãe até os seis anos, quando sua mãe decidiu que seu pai era o pai “apropriado”, afinal.

Foi devastador para a criança de seis anos, principalmente desde que o pai se casou e logo teve o primeiro filho de seu novo casamento.

Haveria mais dois. Mas a grande questão para Helena era a seguinte: “Eu nunca conseguia entender por que minha mãe não queria estar por perto.

Senti que faltava uma grande parte da minha vida e que apenas minha mãe poderia preenchê-la. ”

Todos esses comportamentos deixam as filhas emocionalmente famintas e, às vezes, desesperadamente carentes.

As filhas mais sortudas encontrarão outro membro da família – pai, avô, tia ou tio – para entrar na brecha emocional que ajuda, mas não cura; muitos não.

Essas filhas apegadas de maneira insegura muitas vezes se tornam grudentas nos relacionamentos adultos, necessitando de garantias constantes de amigos e amantes.

4. ENREDADA

Enquanto os dois primeiros tipos de comportamento descrevem mães que se distanciam dos filhos, o enredamento é o oposto:

essas mães não reconhecem nenhum tipo de limite entre elas, sua definição de si e seus filhos. 

Nesse caso, a necessidade de amor e atenção da filha facilita um estrangulamento materno, explorando a natureza humana a serviço de outro objetivo.

Essas mulheres são clássicas “mães de palco” e vivem as realizações de seus filhos, que elas exigem e incentivam; enquanto eles têm uma longa história. 

Enquanto a filha de uma mãe desprezível ou indisponível “desaparece” por desatenção e falta de filhos, o senso de auto da filha enredada é engolido inteiro.

Desembaraçar o enredamento – o termo por si só transmite a dificuldade – é outro caminho por causa da ausência de limites.

Um relacionamento materno saudável e sintonizado oferece segurança e liberdade para vagar ao mesmo tempo – a criança é libertada dos braços de sua mãe para engatinhar, a adolescente aconselhada, mas escuta e respeito não há.

Tudo isso falta no relacionamento emaranhado.

5. COMBATIVA 

A guerra “aberta” caracteriza esse tipo de interação, embora eu tenha colocado “aberto” entre aspas por um motivo.

Essas mães nunca reconhecem seus comportamentos e geralmente são bastante cuidadosas em exibi-las em público. 

Incluídas neste grupo estão as mães que denigrem ativamente suas filhas, são supercríticas, intensamente ciumentas ou competitivas com seus filhos. Sim, este é o território mãe média; a mãe tira proveito do jogo do poder.

As palavras “jogo de poder” e “mãe” parecem incongruentes combinadas em uma única frase – mas segue uma citação nesse sentido:

“Isso, no final, pode ser o cerne do poder dos pais sobre um filho:

não apenas para criar o mundo em que o filho vive, mas também para ditar como esse mundo deve ser interpretado.” 

Uma criança não é páreo para esta rainha guerreira e, mais perigosamente, internaliza as mensagens comunicadas por ela.

Muitas filhas relatam que a dor de se sentir responsável de alguma forma – a crença de que “fizeram” suas mães reagirem ou de que são indignas – é tão incapacitante quanto a falta de amor materno.

Culpa e vergonha eram geralmente as armas preferidas dessa mãe.

A mãe combativa usa abuso verbal e emocional para “vencer”, mas também pode recorrer à força física.

Ela racionaliza seus comportamentos como necessários por causa de defeitos no caráter ou no comportamento da filha. Este é um território perigoso.

6. NÃO CONFIÁVEL  

Este é, de muitas maneiras, o comportamento mais difícil para uma filha lidar, porque ela nunca sabe se a “boa mãe” ou a “má mãe” aparecerão.

Todas as crianças formam imagens mentais de como são os relacionamentos no mundo real, com base em suas conexões com as mães; essas filhas entendem que a conexão emocional é carregada, precária e até perigosa. Veja o relato de Janete:

“Traço minha própria falta de autoconfiança até minha mãe.

Ela era emocionalmente insegura – criticamente horrível comigo um dia, desprezando o dia seguinte e depois, do nada, sorrindo e se preocupando comigo.

Agora percebo que a coisa da mãe sorridente geralmente acontecia na frente de outras pessoas que eram seu público.

Enfim, eu nunca soube o que esperar. Ela poderia estar intoleravelmente presente, inexplicavelmente ausente e, em seguida, desempenhar um papel.

Eu assumi que tinha feito algo para fazê-la me tratar dessa forma.

Agora, eu sei que ela fez o que sentia, sem pensar em mim, mas ainda ouço a voz dela na minha cabeça, especialmente quando a vida fica difícil ou me sinto insegura. ”

7. AUTO ENVOLVIDA 

Chame-a de narcisista, se desejar. Esta mãe vê a filha – se é que a vê – como uma extensão de si mesma e nada mais.

Ao contrário da mãe enredada, esse padrão  tóxico  se concentra atenta e sufocantemente em sua filha.

Essa mãe controla cuidadosamente seu envolvimento, pois se adapta a sua própria auto-reflexão.

Uma jogadora de poder, ela é incapaz de sentir empatia; pelo contrário, é muito preocupada com as aparências e as opiniões dos outros.

Sua conexão emocional com a filha é superficial – embora ela negasse ferozmente se você perguntasse – porque o foco dela é nela mesma.

As táticas que ela usa para manipular e controlar sua filha permitem que ela se auto-engrandeça e se sinta bem consigo mesma.

Essas mães costumam ficar lindas por fora – geralmente são atraentes e encantadoras quando você as conhece, cuidam muito bem de suas casas e podem ter talentos e carreiras admiráveis ​​- o que serve para confundir e isolar ainda mais a filha não amada.

É, infelizmente, mais fácil reconhecer que você está fazendo o papel de Cinderela quando todo mundo sabe que sua mãe é uma bruxa.

8. FUNÇÃO INVERTIDA

Curiosamente, esse é o padrão de interação materna que menos aparece – o cenário em que a filha, mesmo em tenra idade, se torna a ajudante, a cuidadora ou até a mãe de sua própria mãe.

Às vezes, esse padrão surge quando a mãe tem filhos muito pequenos e mais do que ela realmente pode lidar.

Isso era verdade para Joana, agora com trinta e poucos anos, que relatou:

“Quando minha mãe tinha 26 anos, ela tinha quatro filhos, pouco dinheiro e nenhum apoio.

Eu era a mais velha e, quando tinha cinco anos, eu era sua ajudante. Aprendi a cozinhar, lavar a roupa e limpar.

Como Fiquei mais velha, a dinâmica permaneceu a mesma, só que mais.

Ela me chamou de ‘pedra”, mas nunca prestou atenção em mim, apenas nos meus irmãos mais novos.

Agora que sou adulta, ela ainda não é minha mãe, mas age mais como uma amiga mais velha e crítica. Acho que ela me roubou a infância.

Filhas de mães alcoólatras ou que sofrem de depressão não tratada também podem ter o papel de cuidadoras, independentemente da idade.

Isso pode incluir a maternidade, não apenas as mães, mas também os irmãos.

Existem mães “frágeis” que também interagem dessa maneira, reivindicando saúde ou outros problemas.

Ironicamente, essas mães podem amar suas filhas, mas não têm capacidade de agir de acordo com seus sentimentos.

Embora esses comportamentos, ou padrões tóxicos sejam prejudiciais, com terapia ou intervenção, muitas filhas relatam reconciliação na idade adulta e compreensão.

Apesar do que preferimos acreditar, a fêmea de nossa espécie não está ligada a amar seus filhos; é a criança, não a mãe, a quem a evolução equipou com uma poderosa necessidade de sobrevivência.

Estima-se que metade de nós, mais ou menos, tenha mães que variam de “ótima” a “boa o suficiente”.

Isso não quer dizer que essas mães sejam “perfeitas” – os seres humanos, por definição, cometem erros – ou que às vezes, em um momento ou outro, não apresentam nenhum desses tipos de interação.

Isso acontece, mas não constitui um padrão.

Mas para aqueles de nós que não se saíram tão bem na loteria, há esperança e cura.

Para aqueles que têm problemas para entender, ouça e não coloque essas filhas em julgamento porque elas desafiam o que você gostaria de acreditar sobre maternidade.

Mas, por favor, não esqueça de exibir a característica que essas mães não têm. Que se chama empatia.

Deixe o seu comentário!

comentários

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *