As mulheres são melhores líderes. A pandemia prova isso

Desenvolvimento Pessoal

As mulheres são melhores líderes. A pandemia prova isso

Andrea W
Escrito por Andrea W em maio 6, 2020
As mulheres são melhores líderes. A pandemia prova isso
Junte-se a mais de 127.133 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

À medida que o mundo inteiro trabalha para conter a disseminação do coronavírus, o papel da liderança eficaz foi trazido para um foco nítido.

O que as pessoas precisam agora são de líderes com empatia, compaixão e capacidade de mostrar apoio.

Habilidades que as mulheres líderes tendem a exibir mais que os homens. 

Embora possa ser necessária uma pandemia global para finalmente reconhecer os talentos e as capacidades únicas que as mulheres líderes oferecem, as empresas não devem esperar até que haja uma crise para oferecer às mulheres essa oportunidade.

Embora haja dados insuficientes para concluir que as mulheres líderes mundiais estão gerenciando a pandemia de Covid-19 de maneira mais eficaz, é difícil ignorar as tendências emergentes.

Neste post vamos saber mais sobre essa nova tendência de gerenciamento.

LIDERANÇA FEMININA NA PANDEMIA 

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, foi amplamente elogiada por sua abordagem clara, ousada e de apoio ao achatamento da curva.

Os resultados de sua comunicação – 20 mortes em um país de quase 5 milhões de pessoas – falam por si.

Ou considere a chanceler alemã Angela Merkel, que pediu e estabeleceu uma unidade na resposta do país ao vírus.

Em Taiwan e Noruega as respostas nacionais a essa crise também se mostraram eficazes até o momento, e todas têm uma coisa em comum: mulheres líderes.

É uma tendência que já vimos antes.

O colapso financeiro de 2008 e a crise resultante foram o resultado de assumir riscos irresponsáveis ​​que acabaram se resumindo às prioridades de liderança e organizacionais.

Pesquisas que examinam o comportamento de risco descobrem que os homens são mais propensos a correr riscos mais altos.

O aumento do comportamento coletivo de correr riscos contribuiu para a crise, resultado de locais de trabalho dominados por homens que valorizam a conquista e a competição individual, em vez do bem-estar coletivo. 

ABORDAGEM RELACIONAL FEMININA 

Pesquisas subsequentes descobriram que as mulheres tendem a adotar uma abordagem mais relacional da liderança. 

Isso é mais eficaz em uma crise em comparação com o estilo de liderança de comando e controle mais tradicional, tipicamente adotado pelos homens.

No geral, as mulheres líderes adotam um estilo relacional ao liderar uma crise, que é altamente eficaz, pois se concentra na construção da confiança, no alívio de medos e no gerenciamento da crise em questão.

Essas lições vão além das situações de crise e chegam ao local de trabalho moderno cotidiano.

Pesquisas consistentemente constatam que as mulheres tendem a adotar um estilo de liderança mais transformacional, que inclui demonstrar compaixão, cuidado, preocupação, respeito e igualdade.

Por outro lado, os homens têm uma abordagem mais transacional, que inclui um estilo de gerenciamento mais focado em tarefas, orientado para resultados e diretivo.

Mas, apesar de terem demonstrado um estilo de liderança mais eficaz, as mulheres são apresentadas para menos posições de liderança e os papéis que lhes são atribuídos tendem a ser mais arriscados.

É um fenômeno conhecido como “penhasco de vidro”.

Uma das principais razões para isso é que papéis arriscados são frequentemente considerados adequados para as mulheres, embora as chances de fracasso sejam maiores.

A CUIDADORA 

O pressuposto subjacente é que as mulheres podem gerenciar situações difíceis porque sabem assumir o papel de cuidadora e administrar a falta de apoio social.

Em outras palavras, as mulheres costumam não ser preparadas para o sucesso e ter que tirar o melhor proveito disso.

Como as mulheres têm menos acesso a oportunidades de liderança, é difícil recusar esses papéis arriscados.

Enquanto isso, as melhores oportunidades de liderança são reservadas aos homens – algo que os pesquisadores chamam de “almofada de vidro”.

Como os homens ocupam a maioria das posições de liderança nas organizações, eles têm acesso a uma ampla gama de redes informais (predominantemente masculinas), mentores e patrocinadores que os apoiam.

Esse apoio social protege os homens de posições mais arriscadas e, mais importante, fornece aos homens acesso a oportunidades de liderança com maior chance de sucesso.

Embora as mulheres líderes possam ser altamente eficazes durante uma crise, os locais de trabalho não devem esperar até que deixem de convidar as mulheres para liderar.

Ter mais mulheres em posições de liderança provavelmente evitará que as falhas aconteçam em primeiro lugar.

O Covid-19, suas consequências econômicas e mudanças tecnológicas na força de trabalho são enormes desafios que todos enfrentamos.

Não precisamos continuar confiando em um estilo de liderança para nos ver através de crises sem precedentes ou desafios diários.

Se quisermos sobreviver – e finalmente prosperar – no novo normal, devemos garantir que as mulheres líderes estejam à mesa.

Deixe o seu comentário!

comentários

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *