Conheça a pesquisa que ensina como restaurar seu casamento

Desenvolvimento Pessoal

Conheça a pesquisa que ensina como restaurar seu casamento

Andrea W
Escrito por Andrea W em março 3, 2020
Conheça a pesquisa que ensina como restaurar seu casamento
Junte-se a mais de 127.133 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

A resposta a pergunta sobre como restaurar a relação amorosa no casamento não é simples. Tudo depende de como o casamento acabou. Se ao longo do tempo você se desconectou, e reconectar é sua prioridade, Kyle Benson (2016) do The Gottman Institute sugere três maneiras de fazer isso.

Eles são da pesquisa de Gottman e estão incluídos em seus livros. Segundo sua pesquisa, dinheiro e sexo não são os motivos pelos quais os casais discutem. O verdadeiro problema é a falta de conexão emocional. Quer retomar seu relacionamento? Siga então a leitura!

MANEIRAS DE RETOMAR SEU CASAMENTO

Reconectar seu relacionamento é uma questão de vontade e de certeza. 

Assuma o controle e faça o seguinte:

  • Aceitar lances para conexão;
  • Entenda os mapas de amor um do outro;
  • Construir uma cultura de apreciação e respeito.

E se o seu problema estiver relacionado à infidelidade? A confiança foi corroída. A primeira pergunta é se você pode confiar em seu parceiro novamente. Você acha que poderia se comprometer se a confiança fosse restaurada? Duas outras perguntas sugeridas por Terry Gaspard são:

  • Você deixou de lado sua raiva e ressentimento com a traição de seu parceiro e consegue seguir em frente?
  • Você pode perdoar seu parceiro por suas ações?

Se você puder, é hora de seu parceiro avançar. Gottman desenvolveu o Trust Revival Method para casais nessa situação. Em resumo, envolve três fases: expiar, sintonizar e anexar.

Durante a expiação, o trapaceiro deve provar ser confiável. Provavelmente, isso levará um tempo durante o qual ele não pode culpar o cônjuge pelo que aconteceu. Quem trapaceia deve aceitar a responsabilidade pelo caso sem defesa. Honestidade e divulgação total são um requisito. Outro requisito é uma regra “sem segunda chance”. O trapaceiro deve cortar todos os laços com o ex-amante.

A sintonização só acontece após o perdão. Nesta fase, o casal está pronto para seguir em frente, mas também precisa aprender a lidar melhor com os conflitos. O trapaceiro deve se comprometer a tornar o relacionamento uma prioridade. 

Provavelmente, se você tem filhos, eles sabem o que aconteceu até certo ponto. Seus sogros e amigos próximos também provavelmente sabem.Durante essa fase, o casal precisa anunciar a essas pessoas sua intenção de voltar ao casamento. Isso permite que essas pessoas sejam uma fonte de apoio para o casal.

 

O apego envolve se reconectar com seu parceiro através da intimidade física. Isso deve acontecer para restaurar o relacionamento.

Os assuntos são difíceis de recuperar, mas é possível. Gaspard recomenda entrar em contato com um terapeuta experiente.

O QUE FAZ UM CASAMENTO FELIZ?

O artigo da American Psychological Association (APA), intitulado Nove tarefas psicológicas para um bom casamento, tomou emprestado as seguintes ideias de Judith S. Wallerstein, Ph.D., coautora do livro ” O bom casamento: como e por que o amor dura “.

  • Separe emocionalmente da família em que você cresceu; não ao ponto de estranhamento, mas o suficiente para que sua identidade seja separada da de seus pais e irmãos;
  • Crie uma união com base em uma intimidade e identidade compartilhadas e, ao mesmo tempo, defina limites para proteger a autonomia de cada parceiro;
  • Estabeleça um relacionamento sexual rico e agradável e proteja-o das invasões do local de trabalho e das obrigações familiares;
  • Para casais com filhos, aceite os papéis assustadores da paternidade e absorva o impacto da entrada de um bebê no casamento;
  • Aprenda a continuar o trabalho de proteger a privacidade de você e seu cônjuge como casal;
  • Confronte e domine as inevitáveis ​​crises da vida;
  • Mantenha a força do vínculo conjugal diante das adversidades. O casamento deve ser um refúgio seguro no qual os parceiros possam expressar suas diferenças, raiva e conflito;
  • Use humor e risos para manter as coisas em perspectiva e evitar o tédio e o isolamento;
  • Cuidem e confortem um ao outro, satisfazendo as necessidades de dependência de cada parceiro e oferecendo incentivo e apoio contínuos;
  • Mantenha viva as primeiras imagens românticas e idealizadas de se apaixonar, enquanto enfrenta as realidades sóbrias das mudanças provocadas pelo tempo.

Há temas recorrentes que você pode perceber enquanto continua lendo. Humor, intimidade sexual, conforto e limites são alguns.

6 DICAS PARA UM CASAMENTO BEM SUCEDIDO E FELIZ

Sério, porém, quando um dos parceiros está resmungão e infeliz, isso afeta negativamente o outro. As emoções negativas são tão contagiosas quanto o resfriado comum. Ninguém gosta de sentir dor de garganta e fungar. Com os devidos cuidados e atenção, podemos diminuir os sintomas. Aqui está como:

USE MAIS HUMOR 

Isso não significa que você precisa ser ótimo em contar uma piada. Você pode assistir comediantes ou programas engraçados juntos. O humor reduz o estresse e a ansiedade. (Clínica Mayo, sd)

EXERCITEM-SE JUNTOS

Isso aumenta a felicidade e reduz o estresse. Trabalhar com outra pessoa nos leva a trabalhar com mais eficiência. Quer um aumento de atratividade? Isso fará isso. Os sintomas fisiológicos imitam os da atração romântica.

Aprenda a redução do estresse com base na atenção plena. Mindfulness é artes marciais para a mente. É um modo de vida. Não há misticismo envolvido. A atenção plena é intencional e focada na experiência atual. É consciência, reconhecimento e aceitação. Desenvolvido por Jon Kabat-Zinn, ajudou milhares de pessoas a gerenciar a dor crônica. Uma alternativa gratuita está disponível no Palouse Mindfulness.

FAÇA SEXO

A atividade sexual regular desencadeia seu desejo sexual, senso de romance e apego. Também libera testosterona, dopamina e ocitocina.

LUTE MELHOR 

Tente a seguinte abordagem de Gottman:

  • Inicie de forma suave;
  • Aprenda a enviar e receber tentativas de reparo;
  • Acalme-se;
  • Tenha Compromisso;
  • Aborde
  •  lesões emocionais;
  • Aprenda a se desculpar.

Depois de vários anos, alguém abordou Chapman sobre a linguagem das desculpas. Intrigado, ele pesquisou isso e identificou cinco maneiras pelas quais as pessoas tendem a se desculpar.

  • Expressando pesar – “desculpe” sem o “mas”;
  • Aceitando a responsabilidade – “eu estava errado” sem desculpas;
  • Oferecendo-se para restituir – “Como posso corrigir as coisas?” “O que eu posso fazer?”;
  • Verdadeiramente arrependimento/expressão de desejo de mudar – Dê provas de que você está mudando seu comportamento;
  • Pedindo perdão – “Espero que você possa me perdoar”.

Assim como as cinco linguagens do amor, as desculpas também são individuais. Nós favorecemos um sobre os outros. A natureza da ofensa pode ditar quais desculpas usar, especialmente se for uma grande transgressão. Nesse caso, você pode precisar usar os cinco.

O perdão faz parte do processo de desculpas. Exige que confessemos e pedimos desculpas para que o perdão seja possível. Aqui está o que ele não faz:

  • Destruir nossa memória do que aconteceu;
  • Acabar com as emoções ligadas à memória;
  • Remova as consequências da transgressão;
  • Reconstruir a confiança – o perdão abre a porta para a possibilidade de confiança;
  • Sempre resultar em reconciliação.

 E SE A PESSOA OFENDER, MAS NÃO SE DESCULPAR?

Você vai até a pessoa e a “confronta amorosamente”. Isso abre a porta para o perdão se a pessoa agora se desculpar. Se a pessoa ainda assim não se desculpar, você libera sua raiva para com a pessoa, para que possa seguir em frente.

Como vimos, o humor é um componente do casamento e como estamos aprendendo a flexibilizá-lo com mais frequência, terminaremos com essa reflexão: Por que o casamento é um belo terno? No começo, é um conjunto perfeito, mas depois de um tempo você precisa de ajustes. E a adaptabilidade, flexibilidade, humor e comprometimento fazem maravilhas na construção de relacionamentos.

Compartilhe seus pensamentos e experiências sobre a terapia do casamento nos comentários. Vamos aprender um com o outro.

 

Deixe o seu comentário!

comentários

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *