Três razões pelas quais pode ser difícil saber o que você realmente deseja

Artigos

Três razões pelas quais pode ser difícil saber o que você realmente deseja

Andrea W
Escrito por Andrea W em setembro 20, 2020
Três razões pelas quais pode ser difícil saber o que você realmente deseja
Junte-se a mais de 127.133 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Esses fatores podem turvar sua percepção de desejo

Para criar uma vida plena, precisamos saber o que nos satisfaz, o que realmente se deseja.

Mas saber disso não é tão simples quanto pode parecer.

Quando se trata de carreira, relacionamentos, saúde e outras áreas da vida, os processos psicológicos destinados a proteger nossa autoestima podem nos impedir de ir mais fundo ou reconhecer verdades desagradáveis. 

Neste post, traremos três maneiras pelas quais nossos desejos genuínos podem ser obscurecidos.

COMO ALCANÇAR O QUE É REALMENTE NOSSO DESEJO

Uma pesquisa sugere que acreditar que somos capazes de atingir uma meta pode impulsionar nossa motivação para alcançá-la.

No estudo, profissionais em início de carreira de uma várias áreas responderam a pesquisas em diversas 

vezes por dia durante cinco semanas. 

Aqueles que concordaram mais fortemente com afirmações como “Eu sou capaz de trabalhar com eficácia em direção a objetivos de longo prazo” também relataram maior motivação autônoma para projetos relacionados ao trabalho – ou seja, sentiram um desejo genuíno de trabalhar neles. 

  1. QUANDO ALGO PARECE FORA DO ALCANCE, PODEMOS MINIMIZAR SUA IMPORTÂNCIA 

“Onde há vontade, há um caminho”, dizem eles, mas às vezes funciona ao contrário: temos que acreditar que é factível antes de reunirmos a vontade para fazê-lo.

Por exemplo, as pessoas costumam ter dificuldade em sustentar hábitos saudáveis, como o exercício regular, fazer uma dieta equilibrada e limitar o consumo de álcool.

Presumivelmente, a maioria de nós deseja, de fato, ser saudável, mas podemos ter dúvidas sobre nossa capacidade de chegar lá, especialmente se já tivermos tentado sem sucesso.

Pode parecer mais seguro dizer que realmente não nos importamos com essas coisas, em vez de nos permitirmos querer algo que parece inatingível.

Uma pesquisa sugere que acreditar que somos capazes de atingir uma meta pode impulsionar nossa motivação para alcançá-la.

No estudo, profissionais em início de carreira de uma variedade de áreas responderam a pesquisas várias vezes por dia durante cinco semanas.

Aqueles que concordaram mais fortemente com afirmações como “Eu sou capaz de trabalhar com eficácia em direção a objetivos de longo prazo” também relataram maior motivação autônoma para projetos relacionados ao trabalho – ou seja, sentiram um desejo genuíno de trabalhar neles. 

Por outro lado, se não nos sentimos confiantes sobre algo, podemos passar a acreditar que estamos menos interessados ​​nisso do que de outra forma.

Essa tendência também pode se manifestar em relacionamentos românticos : se duvidamos de nossa capacidade de fazer um relacionamento funcionar ou de ser um bom parceiro, podemos nos convencer de que não valorizamos o relacionamento tanto quanto realmente valorizamos.

2. UMA VEZ QUE A DECISÃO É TOMADA, PODEMOS RACIONALIZAR O STATUS QUO 

Os pesquisadores descobriram um padrão surpreendente de comportamento:

As pessoas tendem a aumentar ligeiramente seu apoio às políticas governamentais imediatamente após essas mudanças entrarem em vigor, mesmo que não as tenham apoiado inicialmente. 

Essa mudança acontece tão rapidamente que não há como explicá-la simplesmente observando os efeitos da política e ajustando as crenças de acordo.

Em vez disso, parece ser impulsionado por um mecanismo de defesa psicológica que nos ajuda a nos sentir melhor sobre como as coisas são, independentemente de quão desagradáveis ​​possam ser. 

Em situações verdadeiramente irreversíveis, este mecanismo de defesa pode ser adaptativo – permite-nos ver o lado bom e tirar o melhor da situação – mas às vezes nos resignamos à nossa realidade atual quando não precisamos, e essa resignação pode dificultar nossa motivação para melhorar as coisas.

Podemos tolerar condições sociais injustas, vendo-as como inevitáveis ​​ou merecidas, ou podemos permanecer em um emprego ou relacionamento insatisfatório porque nos convencemos de que não é assim tão ruim.

  1. QUANDO NOSSA LIBERDADE É RESTRITA, PODEMOS DESEJAR ALGO QUE ESTÁ FORA DOS LIMITES – MAS APENAS PORQUE ESTÁ FORA DOS LIMITES 

Apesar de nossa tendência de racionalizar as circunstâncias que parecem fora de nosso controle, as restrições percebidas à liberdade às vezes podem desencadear a reação oposta. 

De acordo com a teoria da  reatância, podemos querer algo mais quando for proibido.

Mas se finalmente conseguirmos, ele pode perder seu brilho, revelando que talvez não o quiséssemos muito em primeiro lugar, pelo menos não por seus próprios méritos. 

E embora desafiar restrições injustas possa ser benéfico, se estivermos lutando contra as regras apenas por lutar, podemos perder de vista nossos objetivos maiores.

Por exemplo, os adolescentes podem ser mais atraídos por interesses românticos que seus pais os proíbem de ver, independentemente de a pessoa ser realmente um bom par para eles.

Ou os cônjuges podem resistir aos pedidos dos cônjuges simplesmente porque não gostam que lhes digam o que fazer, quando pode ser que, se se sentarem e pensarem a respeito, também desejem a mesma coisa. 

As fontes de preconceito descritas aqui podem funcionar como antolhos, bloqueando-nos de ver o potencial para algo melhor além do status quo ou impedindo-nos de apreciar o que temos à nossa frente.

O problema é que muitas vezes não temos consciência de sua influência.

Para obter mais clareza, considere como seriam suas aspirações se esses fatores não estivessem em jogo – se você tivesse plena confiança e liberdade de escolha.

Querer algo não é garantia de alcançá-lo, mas ser honesto conosco e com os outros pode abrir portas inesperadas.

Como você pensa isso??

Deixe o seu comentário!

comentários

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *