Do que você mais tem medo na sua vida?

Artigos

Do que você mais tem medo?

Andrea W
Escrito por Andrea W em julho 27, 2020
Do que você mais tem medo?
Junte-se a mais de 127.133 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Do que você mais tem medo?

Não estamos falando de fobias – medo de aranhas ou alturas – nem de transtorno obsessivo-compulsivo, como lavar as mãos para evitar germes.

O que estamos falando é sobre os principais medos, a ansiedade que está sempre presente e age como uma ressaca na sua vida, arrastando-o para baixo, afastando-o de seus objetivos e da pessoa que realmente deseja ser.

Muitos de nós têm um ou dois medos porque a ansiedade é parte integrante da condição humana.

Mas os efeitos são multicamadas.

Existe o medo, e talvez mais importante, como lidamos.

E muitas vezes como lidamos inevitavelmente cria uma profecia auto-realizável: o que fazemos para administrar nosso medo nos prepara para perpetuá-lo. 

Neste artigo vamos falar dos tipos de medos e como lidar com eles de forma a poder seguir a vida com mais leveza. Pronto?

TIPOS MAIS COMUNS DE MEDO 

Enfrentar nossos medos é importante para termos uma vida mais tranquila, mas antes vamos reconhecer o que pode ser um medo.

Aqui estão alguns dos medos mais comuns:

1. ABANDONO

Abandono é o medo da perda, de ser deixado. Aqui você se preocupa com o fato de seu namorado ficar bravo com você, e sua cabeça pensa que ele terminará com você.

Ou que seu chefe está descontente com seu trabalho e é apenas uma questão de tempo até que você seja demitido. 

Ou você fez um comentário ao seu amigo no almoço, ele parecia irritado ou simplesmente perplexo, mas falou pouco, e agora você fica obcecado com o seu comentário e sua mente desce pela toca do coelho, pensando que a amizade acabou.

COMO LIDAR 

Como você é compreensivelmente sensível ao abandono, agora se apega às pessoas próximas a você.

Seu parceiro não responde seu texto por seis horas, e você está enviando uma mensagem louca enquanto imagina o pior; você está ligando para o seu amigo após o almoço sem parar para garantir que ele não fique chateado. 

Ou você fica chateado com o padrão do seu namorado de ignorar suas mensagens e, enquanto ainda está obcecado, você morde a língua, nunca diga ao seu namorado que está chateado e peça para ele não se preocupar com isso.

Você segue o caminho da acomodação para evitar desencadear uma reação adversa que só aumenta seus medos de abandono.

Mas talvez você não faça nenhuma das opções acima.

Em vez de se apegar ou acomodar, você se protege do abandono nunca se apegando.

A moral da história do divórcio de seus pais e do abandono de seu pai não é que você precise abraçar os outros com firmeza e não abalar o barco, mas que os outros não podem ser confiáveis ​.

Sou eu … e sou eu, e eu cuido de mim. E assim, seus relacionamentos são superficiais.

Você não mostra vulnerabilidade; você não deixa ninguém entrar. 

Ou você não se apega, se acomoda ou desapega; em vez disso, sua reação ao possível abandono é ficar com raiva.

Quando seu namorado parece irritado, seu chefe insatisfeito com seu trabalho, seu amigo irritado com o seu comentário, você fica ofendido.

Você contra-ataca e culpa por mostrar que não é você, mas quem tem o problema.

PERIGO

A profecia auto-realizável: Seu parceiro acaba saindo da relação, porque está cansado do drama; seu chefe o despede não por causa do seu trabalho, mas por causa da sua atitude agressiva. Seu amigo se afasta porque você parece com muita cobrança e sempre parece ser sobre você.

2. REJEIÇÃO

A rejeição é a prima do abandono.

Enquanto o abandono é sobre ficar e perder, a rejeição é um desvio.

Vem com uma margem de crítica, um julgamento, um veredicto de outros de que você não é bom o suficiente, não por causa do que disse ou fez, mas por quem você é. 

COMO LIDAR

Como o abandono, uma maneira de se proteger da rejeição em relacionamentos mais próximos é ser desapegado, superficial.

Ou você fica ofendido, rejeitando os outros antes que eles possam rejeitá-lo. 

Nas relações de trabalho, o medo constante da rejeição pode facilmente se transformar na síndrome do “impostor”, onde você constantemente teme que os outros vejam através de você, percebe que você não é tão competente ou bom quanto se apresenta como sendo e, como abandono, é apenas uma questão de tempo antes de ser preso e rejeitado. 

Você usa uma máscara de competência e prazer para encobrir seus sentimentos de falsidade.

Você se repreende por erros e se esforça cada vez mais.

PERIGO

Outros vêem apenas a máscara e não o verdadeiro você, então seus relacionamentos são superficiais.

Sua autocrítica e estresse o deixam vulnerável a comportamentos viciantes ou desordenados.

A profecia auto-realizável: outros se afastam porque nunca sentem que realmente o conhecem.

3. FALHA

O medo do fracasso é menos sobre os outros e mais sobre você.

Seus critérios para o sucesso são excessivamente altos.

Como aqueles que temem a rejeição, você é autocrítico, possivelmente perfeccionista. 

COMO LIDAR

A vida de um viciado em trabalho ou perfeccionista é difícil.

A única maneira de se sentir menos ansioso é fazer mais, se esforçar mais, ser mais perfeito.

Ou você vai para o outro lado: em vez de tentar apaziguar aquelas vozes exigentes, você simplesmente desiste.

Você não tenta. Você não se importa, nada realmente importa. É pensar tudo ou nada.

PERIGO

O perfeccionismo leva você ao chão. Você fica esgotado, mas não desiste.

Você lida com comportamentos viciantes.

Ou se você seguir o caminho de não tentar, desistir, por que se preocupar, você deixa os outros correrem sua vida, você pega o que vem, você reage, você se adapta aos desejos dos outros, você é um passageiro em sua própria vida.

Você está em risco de depressão. A profecia auto-realizável:

Você nunca pode atingir seus altos padrões; você nunca sente que tem sucesso total em sua vida e se sente um fracasso.

4. SENDO ABUSADO, CONTROLADO E GERENCIADO 

Enquanto o abandono e a rejeição são sobre os outros se afastarem, a derrota em não se equilibrar, esse medo é sobre ser invadido, preso.

Aqui você é sensível a outras pessoas que pisam no seu pé, dizendo o que fazer, mesmo que as sugestões deles venham com boas intenções.

Você precisa de espaço; você precisa estar no comando; você não lida bem com nenhuma crítica.

Em vez de acomodar ou internalizar e tornar-se autocrítico, você vê o mundo como aquele em que as pessoas podem tirar vantagem de você, podem estragar tudo, podem machucá-lo.

COMO LIDAR  

Você é vigilante em relação a invasões, controle, críticas e, quando suspeita de alguma dessas situações, ataca de maneira irada e defensiva.

Você culpa, é você contra o mundo. Em vez disso, como aqueles que temem o abandono, você desapega, não se aproxima dos outros, coloca uma máscara de auto-suficiência.

E é isso que os outros vêem: você como controlador e egocêntrico, sempre precisando seguir o seu caminho ou ser removido.

PERIGO

Embora seu isolamento possa deixá-lo solitário, você não o reconhece completamente e, em vez disso, se vê como uma rocha.

Você confia apenas em alguns próximos, mas suspeita deles.

Profecia auto-realizável: Seu controle e isolamento fazem com que outros se afastem, alimentando sua visão de que você não pode confiar nos outros.

 

COMO NÃO TER MEDO

Os primeiros passos para vencer seus medos são recuar e observar a paisagem maior da sua vida.

Faça uma avaliação da qualidade de seus relacionamentos, vendo o que mais o desencadeia, percebendo quando você está compreensivelmente reagindo demais.

Você precisa identificar seu principal medo, seu estilo geral de lidar e ver o que não está funcionando. 

Depois de pesquisar a paisagem, você deseja ter ferramentas de primeiros socorros para ajudá-lo quando seu medo e ansiedade estão sendo desencadeados.

Algumas sugestões:

1. NÃO SE CONCENTRE NOS OUTROS, MAS NA PRÓPRIA ANSIEDADE

Aqui você vê suas reações e problemas como bandeiras vermelhas informando quando sua ansiedade está aumentando.

Você quer treinar sua atenção e seu cérebro para capturar quando sua defesa, pânico, acomodação, perfeccionismo ou voz crítica estão surgindo e dominando seu cérebro emocional. 

Então, seu namorado não respondeu sua mensagem ou seu amigo parece irritado, e você está chateado; seu chefe parece crítico e você está preocupado com seu trabalho; seu parceiro está apertando seus botões dizendo como limpar a cozinha.

Seu cérebro de criança está a todo vapor. Hora de dar um passo atrás, colocar seu cérebro racional novamente online.

2. DIMINUA A ANSIEDADE 

Há duas etapas para voltar ao controle. O primeiro é diminuir o seu nível de ansiedade. Novamente, seu cérebro ansioso lhe dirá que a solução está no foco na fonte – namorado, amigo, chefe, parceiro ou seu erro. Concentre-se na auto-regulação. Dê um passeio, assista a um filme, ouça músicas, entre outras atividades. 

3. RESOLVA O PROBLEMA

Quando estiver mais calmo, é hora do próximo passo.

Agora, olhe para o problema e resolva-o com uma perspectiva mais racional.

Tenha uma conversa sã com seu namorado, chefe ou parceiro sobre suas preocupações.

Afaste mentalmente esses medos de criança e concentre-se em resolver o problema de maneira adulta. 

Sim, você ainda se sentirá ameaçado, mas seu objetivo é aprender a agir apesar desses sentimentos.

Se o contato cara a cara parecer muito ameaçador, envie um e-mail antes da conversa ou prepare um discurso. 

Seu objetivo é resolver o problema, para que ele não seja mais uma fonte de ansiedade e substituir seu estilo usual de lidar como criança, abordando o problema com uma perspectiva adulta.

 

4. TRABALHE PARA MUDAR SEU ESTILO DE ENFRENTAMENTO 

Esses passos são os primeiros socorros para lidar com crises emocionais, mas o próximo é mudar ativamente o seu estilo geral de enfrentamento, a fim de curar a ferida subjacente.

Portanto, se você tende a ser perfeccionista ou autocrítico, faça dessa mudança um objetivo pessoal por si só.

Experimente tolerar erros ou fazer menos do que um trabalho perfeito, deixando deliberadamente um pouco e não tentando fazer de forma perfeita.

Aqui você se opõe mentalmente a essa voz crítica e diz a si mesmo que está fazendo o melhor que pode, que este é um problema que não existe mais, que está tudo bem.

Ou você sabe que seu estilo é ficar com raiva e atacar, ou se desapegar dos outros, estabelecer metas para regular sua raiva ou estender a mão e se abrir para os outros.

Se você sabe que tende a se tornar passivo, acomodado ou apegado, experimente falar quando algo o incomoda ou é mais independente fazendo as coisas por conta própria. 

Não importa por onde começar – você pode fazer isso em qualquer lugar, sempre que sentir que está entrando no piloto automático, caindo em padrões antigos.

Você será capaz de controlar sua ansiedade porque é você quem decide onde e quando experimentar novos comportamentos.

Comece devagar para garantir o sucesso.

5. ASSUMA RISCOS 

Esses experimentos planejados o ajudarão a quebrar padrões antigos, mas qualquer risco aceitável, aproximação à sua ansiedade, em vez de evitá-la, aumentará sua zona de conforto geral, seu senso de empoderamento e autoconfiança.

6. BUSQUE AJUDA

Sim, isso provavelmente parece muito direto e fácil, mas não é. Você está literalmente religando seu cérebro e tentando reverter padrões antigos.

Aqui, ajuda ter um terapeuta que possa orientá-lo nessas habilidades, ou um amigo solidário, alguém que possa ouvi-lo, ajudá-lo a se livrar da tensão emocional, incentivá-lo e responsabilizá-lo a fazer mudanças comportamentais. 

Como vimos, as chaves para derrotar seus medos começam com a percepção do que está motivando você, o que você está fazendo e, em seguida, deliberadamente, tomando medidas para mudar esses padrões.

Não se trata de fazer certo, mas de praticar de maneira diferente.

Deixe o seu comentário!

comentários

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *