&noscript=1"/>

Notícias

20% dos investimentos em saneamento no Brasil vem de empresas privadas

Professor Gama
Escrito por Professor Gama em abril 27, 2017
20% dos investimentos em saneamento no Brasil vem de empresas privadas
Junte-se a mais de 127.133 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Levantamento da Abcon e Sindcon indica que empresas privadas de saneamento atendem 6% das cidades brasileiras. Veja os dados.

Agua-e-Saneamento.
Agua-e-Saneamento.

 

Uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira e do Sindicato Nacional das Concessionárias Privadas de Água e Esgoto (Abcon e Sindcon) revela que empresas privadas de saneamento atendem 322 municípios brasileiros.

Achou pouco?  

O fato é que o levantamento indicou que mesmo com a baixa participação de municípios, as empresas foram responsáveis por 20% dos investimentos em saneamento.

O montante chegou a R$ 2,4 bilhões do total investido no setor de saneamento do Brasil.

Sendo que a soma total empregada no país em 2016, foi de R$ 12, 2 bilhões.

Força do capital privado

Atender 6% dos municípios e investir 20%, é um grande fôlego para o setor privado.

E mostra o comprometimento desse capital com a prestação de serviços.

O estudo aponta ainda que o número de municípios apesar de pequeno, aumentou de 2015 para 2016 em 1 ponto percentual.  

E  a grande parte dos recursos ainda vem de companhias públicas estaduais (70%) e 25% de prestadoras públicas locais ou microrregionais (autarquias, sociedades de economia mista, empresas públicas e organizações sociais).

40 milhões sem água tratada

Para o diretor presidente do Sindcon, Alexandre Ferreira Lopes, os investimentos no setor de saneamento são ainda muito baixos.

Principalmente quando temos 40 milhões de brasileiros sem água tratada e 105 milhões sem coleta e tratamento de esgoto.

E isso compromete a universalização do setor de saneamento.

Lopes critica ainda os entraves regulatórios e a falta de uma agência reguladora federal para atuar na fiscalização.

Esses impedimentos distanciam o setor privado de uma maior participação no setor.

Mesmo assim, a iniciativa privada expandiu sua participação. No início do levantamento pela Abcon e Sindcon há 4 anos atrás,  a atuação privada era de 5%.

Novo momento para o saneamento brasileiro

O diretor acredita numa nova tendência do setor de saneamento depois dos resultados da pesquisa. “Acreditamos que estamos vivendo um novo momento do setor.

O Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), do governo federal, e também a crise dos Estados, mostra a importância da participação do investimento privado.

São dois fatores que devem incentivar a solução dos entraves que temos hoje”, explicou.

De acordo com a Abcon e o Sindcon, os 322 municípios que detém capital privado no saneamento são atendidos por concessões plenas, parciais ou parcerias público-privadas.

E complementando os dados do levantamento, a iniciativa privada atingiu R$ 34,8 bilhões de investimentos comprometidos em contrato nas atuais concessões.

A pesquisa revela com certeza, um novo momento para os serviços de saneamento e em especial à saúde pública do Brasil.

Os investimentos de empresas privadas estão crescendo e isso é um importante indicador nesta frustrante batalha pela universalização do setor.

É preciso começar, de algum lugar. Opine!

Deixe o seu comentário!

comentários

Advogado e Empresário. Diretor de Marketing da Agencia Professor Gama

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *