Esperança e medo durante a pandemia de coronavírus

Desenvolvimento Pessoal

Esperança e medo durante a pandemia de coronavírus

Andrea W
Escrito por Andrea W em março 25, 2020
Esperança e medo durante a pandemia de coronavírus
Junte-se a mais de 127.133 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

 

Se você está lendo este artigo, é provável que esteja levando a sério a pandemia de coronavírus.

Mas o quanto os outros estão realmente tomando medidas para limitar a propagação do vírus e não continuam alegremente suas vidas como de costume?

E qual é a diferença entre as pessoas que tomam essas medidas e as que não tomam?

Se todo o medo não é suficiente para motivar as pessoas, o que é?

Vamos saber como lidar com o medo que toma conta nessa hora e nos deixa paralisados, sem ação para seguir.

PANDEMIA MUNDIAL TRANSFORMA A VIDA SOCIAL 

É difícil acreditar que, há menos de duas semanas, a Organização Mundial de Saúde tenha declarado oficialmente o novo coronavírus como uma pandemia mundial.

Desde então, um número crescente de estados decretou bloqueios, como o número de casos no mundo supera os 300.000, com mais de 40.000 somente nos Estados Unidos.

Para nos proteger, devemos seguir recomendações, tomar algumas medidas simples, incluindo a identificação de fontes de notícias e informações sobre a doença, lavando as mãos e limpando as superfícies com frequência.

A maioria das localidades também aconselha as pessoas a ficar em casa e evitar reuniões sociais.

Às vezes, pode parecer que o mundo está chegando ao fim e não há dúvida de que as pessoas têm medo.

No entanto, mesmo em estados com ordens de bloqueio, um número relativamente grande de pessoas parece estar fora de casa.

E nem sempre por motivos legítimos, como acesso a cuidados médicos ou compras de alimentos. Por quê?

Se pudermos entender os fatores psicológicos que tornam algumas pessoas mais dispostas do que outras a tomar precauções.

Entre elas lavar as mãos ou evitar reuniões sociais, talvez agências governamentais e outras organizações possam usar essas informações para criar  campanhas de saúde pública.

Juntamente com o levantamento de pessoas sobre diversos fatores demográficos e psicológicos (incluindo ansiedade, depressão, estresse pós- traumático e questões gerais de saúde). 

MEDO E ESPERANÇA EM TEMPOS DE PANDEMIA

Dois fatores podem promover relações mais robustas com a disposição das pessoas de tomar medidas para se preparar: medo e esperança.

As pessoas que se consideram mais preparadas tendem a ser as mais preocupadas com o coronavírus, bem como as que se dizem mais esperançosas.

Embora o medo e a esperança possam, à primeira vista, parecer opostos polares, uma pessoa pode experimentar os dois ao mesmo tempo.

De fato, talvez esses dois fatores funcionem em conjunto.

MOTIVAÇÃO EM TEMPOS DE DESESPERANÇA

Faz sentido que o medo motive as pessoas a se protegerem, e numerosos estudos apoiam esse fato.

Quem entre nós não foi motivado em algum momento de nossas vidas pelo medo?

Por mais que possamos querer ficar em casa longe do trabalho, podemos ter medo de perder o emprego.

Por mais que fazer um teste de matemática pareça divertido, podemos ter medo de falhar. Alguma ansiedade sobre o coronavírus é provavelmente uma coisa boa.

Por mais desagradável que seja ver imagens de salas de emergência superlotadas na Itália ou ouvir as últimas estatísticas de mortalidade, o medo de perceber que existe um perigo real nos lembra de nos protegermos.

Mas, como todos sabemos, o medo também pode ir longe demais.

O medo às vezes pode ser paralisante.

E o pânico é totalmente destrutivo (e provavelmente injustificado, mesmo nas circunstâncias atuais). 

ESPERANÇA PARA NÃO CONGELAR

É aí que entra a esperança.

Pessoas esperançosas tendem a sonhar grande e vêem os contratempos como desafios a serem superados. Onde outras pessoas tendem a congelar, pessoas esperançosas continuam.

Faz sentido que as pessoas mais esperançosas tenham maior probabilidade de tomar medidas para se protegerem nas circunstâncias atuais.

Afinal, a esperança envia a mensagem: “Há algo que você pode fazer para ajudar as coisas a dar certo”.

Embora a maioria de nós saiba que há motivos para medo, existe realmente algum motivo para ter esperança?

A resposta: “Sim”.

Apesar do terrível estado de coisas, o número de novos casos diários de coronavírus na China (o primeiro país afetado pela doença) diminuiu de forma relativamente constante desde 15 de março.

De fato, 19 de março marcou o primeiro dia que a China não relatou novos casos da doença transmitidos localmente desde o início da pandemia.

CIÊNCIA E CUIDADOS BÁSICOS

Um número de medicamentos já existentes está sendo estudado por sua possível eficácia contra a doença. 

De fato, a rapidez com que a comunidade científica global respondeu para a crise é nada menos que inspirador.

Além disso, a ciência sólida mostra que, devido ao envoltório do vírus em um envelope gorduroso, lavar com sabão e água o desativa de maneira confiável.

Definitivamente, existem coisas que todos podemos fazer para nos proteger, começando pelas recomendações da OMC.

Nada disso significa que as pessoas não estão sofrendo.

Mais de 16.000 pessoas morreram em todo o mundo.

Os mercados de ações despencaram.

As pessoas estão lutando para sobreviver enquanto as empresas fecham suas portas. 

Há muito o que temer. Mas o medo e a esperança podem existir juntos, cada um fazendo sua parte para nos levar adiante.

No famoso poema de Emily Dickinson, que compara a esperança a “uma coisa com penas”, ela escreve, “a dor deve ser a tempestade, que pode abalar o passarinho, que mantém muitos aquecidos”.

A tempestade está realmente dolorida.

Mas nenhum de nós precisa ficar sem esperança.

Comente sobre o que você está sentindo. 

Deixe o seu comentário!

comentários

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *