Ensine seu filho a estabelecer limites emocionais

Artigos

Ensine seu filho a estabelecer limites emocionais

Andrea W
Escrito por Andrea W em julho 27, 2020
Ensine seu filho a estabelecer limites emocionais
Junte-se a mais de 127.133 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

 

Aprender a estabelecer e manter limites emocionais é uma parte importante do crescimento.

É também a chave para o desenvolvimento de relacionamentos que apóiem, cuidem e respeitem.

Esses tipos de relacionamentos positivos criam a base para a felicidade ao longo da vida.

Infelizmente, muitos adultos têm dificuldade em estabelecer seus próprios limites emocionais e muito menos ensinar seus filhos.

As razões são simples.

Estabelecer limites é desconfortável, nos obriga a falar por nós mesmos e raramente resulta em um “obrigado” dos outros.

No entanto, é uma das coisas mais importantes que podemos fazer por nós e nossos filhos.

Mas você sabe como fazer isso? Não? Siga a leitura que vamos te mostrar.

O QUE É UM LIMITE EMOCIONAL?

Um limite emocional é um limite que estabelecemos para nos proteger de sermos feridos, manipulados ou usados por outros.

É uma expressão de valor próprio que ajuda as pessoas a entender quem somos, o que pensamos e como nos sentimos.

Os limites criam o espaço emocional necessário entre nós e os outros.

Fronteiras emocionais saudáveis ​​são essenciais para relacionamentos saudáveis.

Isso significa que conhecemos e entendemos nossos limites e esses limites são clara e honestamente comunicados. 

Estabelecer limites saudáveis ​​ajuda a preservar a integridade e aumenta a resiliência.

Comunicar um limite não significa “estou certo e você está errado”.

Significa simplesmente: “É isso que eu preciso para me sentir positivo e respeitado por você”.

QUAIS SÃO OS LIMITES EMOCIONAIS MAIS COMUNS

Os exemplos de limites emocionais saudáveis para adolescentes podem incluir:

  • Mover-se lentamente por amizades para estabelecer confiança;
  • Declarar valores pessoais, apesar do que os outros acreditam;
  • Respeitar os outros, apesar de suas diferenças;
  • Respeitar a si mesmo, mesmo que alguém não goste de você;
  • Comunicar claramente necessidades e desejos, mesmo que você seja rejeitado;
  • Perceber quando seus limites pessoais são invadidos;
  • Entender que outras pessoas não podem antecipar suas necessidades.

Exemplos de limites emocionais prejudiciais para os adolescentes podem incluir:

  • Não confiar em ninguém ou em todos;
  • Ir contra valores pessoais para agradar aos outros ou ser apreciado;
  • Dar o máximo que puder para ser amado;
  • Permitir que amigos direcionem sua vida, sem questionar;
  • Permitir que outras pessoas o definam;
  • Desmoronar ou ser vítima para que outras pessoas cuidem de você;
  • Acreditar que outras pessoas podem antecipar suas necessidades.

Estabelecer limites pessoais envolve tomar ações específicas para mudar seu relacionamento com pessoas importantes em sua vida.

O QUE É DEFINIÇÃO DE LIMITES E POR QUE ISSO É IMPORTANTE PARA SEU FILHO?

O estabelecimento de limites é imperativo para aprender durante a adolescência, porque é um momento de formação de identidade.

Se os jovens permitem que colegas, familiares ou outros adultos os sintam desconfortáveis, vulneráveis, desrespeitados ou indignos, é hora de ensiná-los a estabelecer limites que os ajudarão a se sentir melhor consigo mesmos e mais confiantes em quem são.

Se você realiza reuniões familiares regulares, elas podem oferecer excelentes oportunidades para conversar sobre limites emocionais e praticar a comunicação entre eles em um espaço seguro. 

Aprender a usar as “mensagens ” é um hábito que faz com que as reuniões familiares sejam bem-sucedidas e também é fundamental para o estabelecimento de limites.  

Quatro dicas que aumentarão a felicidade do seu filho:

1. CONVERSE COM SEU FILHO SOBRE LIMITES EMOCIONAIS 

Ajude seus filhos a entender o conceito de limites emocionais e o quão importante é esse entendimento para a felicidade e o bem-estar.

Uma maneira fácil de pensar em limites é pensar em linhas de propriedade.

Um sinal de “não invasão” indica que você está prestes a violar um limite.

E provavelmente haverá uma consequência.

Um limite de propriedade é fácil de visualizar.

Mas os limites pessoais são invisíveis e exclusivos para cada pessoa.

Os limites emocionais geralmente mudam à medida que as pessoas crescem e amadurecem.

Compartilhe uma história de uma época em que seus limites pessoais foram invadidos por um amigo e como você reagiu com ou sem êxito.

Reconheça como é difícil falar por si e pelo que você precisa. Pergunte se seu filho adolescente notou desconforto com amigos que não respeitavam os limites.

2. ENSINE OS ADOLESCENTES A SEREM RESPONSÁVEIS POR SUAS REAÇÕES EMOCIONAIS 

Ajude as crianças a aprender que estabelecer limites emocionais não é culpar os outros por machucá-los.

Trata-se de manter a calma e explicar o que você precisa dos outros, diferente de como eles estão se comportando em relação a você. 

Todo mundo tem diferentes necessidades emocionais.

Muitas pessoas respondem habitualmente a outras pessoas sem pensar no impacto de suas ações.

Comunicar-se de maneira clara sobre o que você precisa significa que você está assumindo a responsabilidade pelas próprias emoções e desenvolvendo relacionamentos baseados na confiança e no respeito.

3. IDENTIFIQUE AÇÕES E COMPORTAMENTOS INACEITÁVEIS 

O primeiro passo para estabelecer limites é poder perceber quando as pessoas ao seu redor estão se comportando de maneiras inaceitáveis.

Comece com um simples exercício familiar que pais e filhos possam fazer juntos: 

  1. Pense em um amigo ou amigos com quem às vezes ou com frequência se sente desconfortável.Talvez você os experimente como indiferentes, ou se sinta deprimido ou manipulado por eles. Você não precisa compartilhar os nomes dessas pessoas.
  2. Cada pessoa lista cinco coisas que você gostaria que seus amigos parassem de fazer ou dizer a você ou ao seu redor.

Quando você tiver suas listas, sente-se e pense em como um limite emocional pode ser comunicado para cada item da lista.

ALGUNS EXEMPLOS DE LIMITES EMOCIONAIS 

Sua filha adolescente com excesso de peso sente vergonha quando seus amigos falam sobre meninas obesas e suas roupas.

Como sua filha pode comunicar aos amigos que essas discussões são prejudiciais?

Como ela pode pedir a seus amigos que modifiquem suas discussões?   

Seu filho se sente frustrado quando o melhor amigo toma as decisões e assume que ele fará o que ele quer.

Seu filho teme que falar algo destrua sua amizade. Como seu filho pode comunicar seus sentimentos ao amigo?   

Responder a essas perguntas não é fácil.

No entanto, eles são necessários para responder quando você ou seus filhos sentem desconforto, ressentimento, ansiedade, culpa, medo, vergonha e estresse em seus relacionamentos.

Quando você sente que não está tomando suas próprias decisões, solicitando o que precisa, sentindo-se criticado, aceitando a responsabilidade pelos sentimentos dos outros e incapaz de dizer “não”, é hora de refletir sobre como comunicar seu desconforto das maneiras que serão necessárias. 

TALVEZ SEJA NECESSÁRIO DESFAZER A AMIZADE

Em algumas situações, pode não valer a pena salvar amizades.

Cabe a cada um de nós decidir. Durante este exercício, pratique a escuta um do outro.

Respeite as contribuições de cada pessoa na discussão.

O aprendizado que ocorre conversando através de cenários beneficia a todos.

4. INCENTIVE A AÇÃO 

Existem muitas barreiras ao estabelecimento de limites – medo de rejeição, culpa e medo de confronto.

Limites saudáveis ​​permitem que os adolescentes se sintam respeitados, valorizados e capacitados para construir relacionamentos positivos em suas vidas.

Incentive seus filhos a dar pequenos passos para estabelecer limites emocionais com seus amigos.

Com a prática, o estabelecimento de limites fica mais fácil e mais natural.

É importante que as crianças entendam que todos têm o direito de estabelecer limites emocionais e que uma explicação elaborada não é necessária.

Uma simples declaração de “não” ou uma breve afirmação de por que um comportamento é inaceitável é suficiente.

Não precisamos defender nossos limites emocionais para os outros, apenas para declarar por que eles são importantes para nós.

Os limites emocionais também desempenham um papel vital na construção de relacionamentos familiares saudáveis ​​e são uma parte crucial do autocuidado.

Quando os pais modelam o estabelecimento de limites eficazes com os filhos, eles aprendem a fazer o mesmo.

As crianças mais novas podem aprender o básico do estabelecimento de limites por meio de situações simples de representação de papéis.

À medida que amadurecem na adolescência, essa base é um trunfo para entender e reagir a interações humanas mais complexas.

Como você está ensinando sobre limites emocionais a seus filhos? 

Deixe o seu comentário!

comentários

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *