Três ingredientes que contribuem para uma boa terapia

Artigos

Três ingredientes que contribuem para uma boa terapia

Andrea W
Escrito por Andrea W em agosto 31, 2020
Três ingredientes que contribuem para uma boa terapia
Junte-se a mais de 127.133 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

QQuais são os ingredientes que constituem uma boa terapia?

Esta é uma questão de longa data com a qual o campo tem lutado e há muitos ângulos e facetas possíveis a serem considerados e não há muito na forma de consenso compartilhado entre os especialistas.

No entanto, uma das concepções mais antigas, a da aliança “terapêutica”pode gerar um bom controle sobre as questões principais.

Quando muitas pessoas pensam na aliança terapêutica, pensam em termos da qualidade da relação terapêutica.

Isso faz parte da aliança, mas é apenas uma parte.

Na verdade, existem três elementos distintos que constituem a aliança terapêutica, conforme originalmente concebida por Bordin (1980) e então explorada em vários programas de pesquisa em psicoterapia.

VÍNCULO 

O primeiro elemento da aliança é a qualidade do relacionamento. Muitas vezes chamada de “vínculo”.

A qualidade do relacionamento pode ser dividida em três domínios:

  • Primeiro, como o cliente vê o terapeuta. Isso se refere à extensão em que o cliente confia no terapeuta, se sente seguro e pensa que o terapeuta é competente e tem os melhores interesses do cliente em mente. 
  • Em segundo lugar, como o terapeuta se sente em relação ao cliente. O terapeuta vê a humanidade do outro e sente, naturalmente, aquela consideração positiva intuitiva e a sensação de que há esperança para seu crescimento e potencial?
  • Finalmente, a dança participativa nos encontros reais de terapia. Os dois participantes (se estivermos discutindo terapia individual) se relacionam bem um com o outro? Existe uma sensação de empatia, harmonia intersubjetiva implícita e a sensação de espelhamento?
  • E, se houver um período em que as coisas estão descompassadas ou há uma ruptura, existe habilidade e “dinheiro no banco” relacional suficiente para que as questões possam ser tratadas e reparadas com honestidade. 

Idealmente, tudo isso será estabelecido em uma dialética de apoio autêntico e desafio que permite ao cliente ter a coragem e os recursos para enfrentar seus demônios e crescer em direção a modos de ser mais adaptáveis.

COMPREENSÃO DO TODO

O segundo elemento refere-se à conceituação compartilhada do problema que leva a uma compreensão da obra.

Isso geralmente é chamado de “ metas ” , mas, é mais do que isso.

É o aprofundamento da consciência de ambas as partes sobre a situação atual em que o cliente se encontra e quem ele é, o que valoriza, que traumas o impactaram, por que está travado ou o que sente profundamente.

Em outras palavras, é uma formulação da situação, da pessoa e dos resultados avaliados, representadas com a equação de vida adaptativa.

O terceiro elemento da aliança se refere ao próprio trabalho da terapia em termos de desenvolvimento de diferentes formas de ser.

Isso geralmente é chamado de “tarefas”.

 Isso pode ser dividido em tarefas de aceitação (o que promove uma maneira mais saudável de estar consigo mesmo, sentimentos, passado ou presente) e mudança ativa, que é sobre promover habilidades necessárias para se tornar, ou crescimento em direção a estados mais valorizados de ser, ou funcionamento ótimo em algum domínio.

Este domínio também envolve o rastreamento de resultados, de modo que haja uma compreensão do tipo de progresso que se espera que a terapia esteja fazendo e mudanças na abordagem ou conceituação ou na própria terapia, se tais mudanças não estiverem sendo realizadas ao longo do tempo.

ESTRUTURA

Processos de Psicoterapia –  enfoca os elementos do processo do relacionamento

Psicoterapia Integrativa ao Longo da Vida – enfoca como construir conceituações eficazes e abrangentes que enquadrem os objetivos do trabalho.

Diagnóstico Avançado e Planejamento de Tratamento –  concentra-se mais na mudança para tarefas que promovam mudanças adaptativas nas áreas em que o cliente tem desafios identificáveis.  

A psicoterapia é um empreendimento incrivelmente complexo e desconfie de abordagens que tentam reduzi-la a um tamanho único de pensamento.

No entanto, há definitivamente uma estrutura compartilhada que tem uma história e atravessa o continuum de abordagens.

Pensar em termos de psicoterapia como um processo que promove um relacionamento saudável e curativo, uma compreensão compartilhada da pessoa, situação, problema e objetivos, e envolvimento em processos de aceitação e mudança ativa que permitem o crescimento adaptativo parece representar um núcleo desse campo.

Você concorda?

Deixe o seu comentário!

comentários

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *