Como os líderes empresariais podem responder ao COVID-19

Artigos

Como os líderes empresariais podem responder ao COVID-19

Andrea W
Escrito por Andrea W em agosto 12, 2020
Como os líderes empresariais podem responder ao COVID-19
Junte-se a mais de 127.133 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Muitos livros de administração falam sobre a importância de líderes empresariais construírem a confiança dos clientes para ter sucesso, mas na era do COVID-19, a confiança assume um novo significado. 

Quando as empresas reabrirem, o comportamento dos clientes será crítico para conter novos surtos.

Os clientes que mantêm uma distância respeitável, evitam tocar em muitas superfícies e cobrem a boca ao tossir ou espirrar, ajudam a reduzir a transmissão do vírus.

Mas aqueles que ficam muito perto, tossem ou espirram com muita liberalidade e negligenciam a necessidade de manter as áreas comuns livres de germes contribuirão para sua disseminação.

Neste post, saberemos o que torna uma liderança mais propensa a se comportar de uma maneira que proteja a saúde pública e a dos seus clientes

LÍDERES EMPRESARIAIS PRECISAM DA CONFIANÇA E SINCERIDADE NAS MENSAGENS DE SAÚDE PÚBLICA

Estudos nos dizem que existem alguns elementos críticos em jogo.

Quando as pessoas entendem o risco para a saúde pública e acreditam que as recomendações para proteger a si mesmas e às pessoas ao seu redor são confiáveis ​​e sinceras, elas tendem a cumprir as medidas de proteção.

Por outro lado, quando as mensagens de saúde pública são inconsistentes ou há uma percepção de que a resposta à crise é tendenciosa, incompetente ou injusta, a desconfiança e o medo florescem.

E dessa forma, as pessoas têm muito menos probabilidade de seguir as regras recomendadas.

EMPRESAS PODEM CRIAR CONFIANÇA

As empresas não podem controlar todos os fatores em jogo – se as pessoas não confiarem nos líderes da saúde pública e nos atores políticos que lideram a resposta nacional ou estadual ao COVID-19, há pouco que uma única empresa possa fazer.

No entanto, as empresas podem intervir e criar confiança em nível local, o que pode ter um impacto enorme na disseminação do vírus em geral.

Imagine dois restaurantes lado a lado.

O primeiro se parece com qualquer restaurante pré-COVID: mesas bem embaladas, garçons com as mãos desprotegidas anotando pedidos e servindo refeições e banheiros com uma única placa ao lado da pia lembrando os funcionários de lavar as mãos. 

O segundo restaurante parece bem diferente: as mesas são espaçadas, os garçons usam luvas descartáveis, desinfetante para as mãos está amplamente disponível e placas no banheiro e ao redor da área de jantar lembram os clientes de como regularmente os quartos e mesas são higienizados e como é importante a saúde dos clientes e o pessoal também está para a gerência.

Não há dúvidas sobre o efeito de cada um de nós clientes. 

No primeiro, os clientes seguirão o exemplo do próprio restaurante, se reunindo mais e provavelmente se tornando mais descuidados com outras medidas de proteção, como lavar as mãos demoradamente.

No segundo, os clientes estariam mais cientes de seus riscos e mais propensos a modificar seu comportamento para reduzir a chance de infecção.

LÍDERES EMPRESARIAIS  DEVEM PROMOVER A SEGURANÇA PARA GERAR CONFIANÇA

Na ausência de uma orientação nacional clara, a responsabilidade recai sobre os líderes empresariais e gerentes de criar ambientes que promovam mudanças positivas de comportamento e salvaguardem a reabertura de nossas comunidades. 

Em tempos normais, a marca de um líder eficaz é uma pessoa com uma visão clara, uma estratégia decisiva desenvolvida com a contribuição de uma equipe mais ampla e a vontade de responsabilizar todos, incluindo eles próprios, pelos resultados.

Também crítica é a capacidade de se comunicar de forma clara e eficaz para reunir apoio para a visão de longo prazo e objetivos de curto prazo.

Em tempos de crise, essas qualidades tornam-se cada vez mais importantes. 

Mas a pesquisa mostra que uma qualidade é importante acima de todas as outras: confiança.

A falta de confiança na liderança leva à desobediência e à falta de vontade de seguir medidas de saúde pública que podem salvar vidas. 

O desafio para os líderes empresariais é que a confiança é algo delicado, difícil de ganhar, mas fácil de perder.

Uma vez que a confiança é perdida, os esforços para comunicar informações e promover um melhor comportamento de saúde tornam-se ineficazes. 

Felizmente, os pesquisadores nos ajudaram a identificar seis determinantes da confiança que mais importam em uma crise de saúde pública como a que enfrentamos hoje com o COVID-19. Conheça agora:

COMPETÊNCIA 

Faça com que as pessoas sintam que os responsáveis ​​possuem o conhecimento e a experiência necessários. 

OBJETIVIDADE

Onde as pessoas sentem que as informações compartilhadas com elas são confiáveis ​​e não são influenciadas por aqueles com uma agenda específica.

JUSTIÇA

Onde as pessoas sentem que todas as opiniões relevantes são consideradas e incluídas. 

CONSISTÊNCIA 

Onde as pessoas sentem que as mensagens e ações são previsíveis e alinhadas.

SINCERIDADE

Onde as pessoas sentem que aqueles que transmitem a mensagem são transparentes, honestos e abertos.

EMPATIA

Onde as pessoas sintam que os responsáveis ​​as estão ouvindo e desejam genuinamente o melhor para elas.

Isso significa estabelecer confiança, os líderes devem ajudar a fazer com que as pessoas sintam que estão sendo tratadas com competência e justiça.

As informações compartilhadas são confiáveis ​​e consistentes e a mensagem é transmitida com honestidade, empatia e transparência. 

A percepção da falta de qualquer um desses elementos – competência, justiça, consistência, objetividade, empatia ou sinceridade – vai semear desconfiança e medo. 

Isso pode levar a comportamentos que acabarão por resultar em novos surtos e um apelo renovado para encerrar negócios e impedir a propagação .

OS 7 Cs DAS LIDERANÇAS EMPRESARIAIS DURANTE A COVID-19

Para ajudar os líderes a florescer em seu novo e, talvez para alguns indesejáveis, papel de guardiões de nossa saúde, o reitor da escola de negócios da Universidade de Miami, John Quelch, desenvolveu o que chamou de “7 Cs” da liderança durante a crise do coronavírus :

1. CALMA

Comandar a situação com um nível de compostura que inspira confiança em funcionários e clientes.

2.CONFIANÇA 

Projetar uma postura gerencial que estimule a fé das partes interessadas.

3.COMUNICAÇÃO 

Comunicando-se implacavelmente, mantendo todos informados e os rumores à distância.

4.COLABORAÇÃO

Aproveitando os recursos e capacidades de toda a sua equipe para identificar as melhores soluções. 

5.COMUNIDADE

Reconhecer o papel da empresa na comunidade e liderar pelo exemplo. 

6.COMPAIXÃO

Cuidar tanto do bem-estar dos funcionários quanto dos necessitados da comunidade em geral.

7. DINHEIRO 

Preservando fundos e garantindo que todas as etapas sejam tomadas para cuidar das necessidades financeiras dos funcionários. 

Promover esses elementos-chave de liderança, especialmente à medida que mais e mais empresas reabrem, é a chave para construir a confiança de que precisamos para vencer nossa batalha contra o COVID-19.

Uma batalha que provavelmente será longa e se estenderá por muitos meses e possivelmente anos.

Não importa o que aconteça em nível nacional, cada um de nós tem a responsabilidade em nossas comunidades de prevenir futuros surtos. 

As empresas devem dar o exemplo, inspirando-nos a agir de forma a eliminar o risco de um novo surto de coronavírus.

E, como clientes, temos a responsabilidade de apoiar as empresas em que confiamos, que têm em mente nossa saúde e o bem-estar de nossas comunidades.

Deixe o seu comentário!

comentários

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *