Como você pode cuidar do medo em meio à crise do COVID-19

Notícias

Como você pode cuidar do medo em meio à crise do COVID-19

Andrea W
Escrito por Andrea W em março 19, 2020
Como você pode cuidar do medo em meio à crise do COVID-19
Junte-se a mais de 127.133 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

O novo coronavírus COVID-19 chegou.

À medida que continua a se espalhar, somos constantemente inundados com atualizações sobre o vírus e os últimos números de mortes.

Compreensivelmente, isso pode ser assustador, demandar de você sensações e atitudes difíceis de lidar.

Aqui estão algumas coisas que você pode fazer se estiver ansioso com esta crise de saúde pública.

MEDIDAS PARA CONTROLAR A ANSIEDADE COM AS INFORMAÇÕES SOBRE CORONAVÍRUS COVID-19

Sim, é assustador pensar que estamos lidando com um novo vírus, principalmente porque não sabemos o que esperar. Siga as dicas:

1. COLOQUE-O EM PERSPECTIVA

Temos alguns dados iniciais sobre o novo coronavírus que podem nos ajudar a colocá-lo em perspectiva.

No momento em que este post foi publicado, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) haviam relatado um total de 423 casos de COVID-19 nos EUA, com 19 mortes.

Compare isso com a gripe, que o CDC estima afetou 34 a 49 milhões de pessoas e resultou em 20 a 52 mil mortes nos Estados Unidos desde outubro de 2019.

Também é importante observar que as taxas de mortalidade relatadas são tipicamente elevadas artificialmente no início de uma epidemia, pois os casos leves e assintomáticos não são detectados.

Esse foi o caso da gripe H1N1 em 2009, caso em que as taxas de mortalidade foram inicialmente estimadas em aproximadamente 10 vezes mais altas que a taxa real.

Já vimos evidências do mesmo acontecendo com esse novo coronavírus, com as estimativas de taxa de mortalidade de casos caindo de 4% para 0,2-0,4% com a disseminação inicial do vírus pela China (Faust, 2020; Lipsitch, 2015).

2. FAÇA O QUE PUDER PARA SE PREPARAR 

De acordo com o CDC e a Organização Mundial de Saúde (OMS), existem algumas medidas que você pode tomar para reduzir o risco de contrair o novo coronavírus.

Muitas são medidas de senso comum, como lavar bem as mãos, desinfetar as superfícies domésticas usadas com frequência (como maçanetas e interruptores de luz), manter as mãos afastadas do rosto e afastar as pessoas que tossem ou espirram.

Além disso, tente manter-se em boa saúde para que seu sistema imunológico funcione da melhor maneira possível.

Práticas simples, como comer uma variedade de frutas e legumes, exercitar-se regularmente e acompanhar os cuidados preventivos regulares, podem ajudar bastante.

Verifique se você está atualizado com as imunizações recomendadas, especialmente aquelas que protegem contra gripe e pneumonia, pois essas doenças podem torná-lo mais suscetível ao novo coronavírus. 

Gripe e pneumonia também podem causar complicações sérias adicionais se você as contrair junto com ou como uma complicação do coronavírus.

Converse com seu médico para determinar se você precisa de imunizações adicionais.

3. NÃO EXAGERE NA PREPARAÇÃO 

Embora a preparação possa ser útil, a certa altura ela se torna contraproducente.

Um bom exemplo disso é o recente aumento na demanda por máscaras faciais.

A OMS recomenda usar uma máscara somente se você tossir ou espirrar, ou se estiver cuidando de alguém que tenha COVID-19. 

Caso contrário, indivíduos saudáveis ​​não ganharão muito com o uso de máscaras como medida preventiva. De fato, de acordo com o Cirurgião Geral dos EUA e especialistas em doenças infecciosas, o uso de uma máscara pode aumentar o risco de contrair o vírus devido ao uso inadequado, descarte incorreto, mau ajuste e contato mais frequente com o rosto.

Tomar medidas extremas e desnecessárias como essa também pode estimular sua ansiedade, fazendo você acreditar que corre um risco maior do que realmente é. 

4. LIMITE A EXPOSIÇÃO AS NOTÍCIAS

Há um número incrível de veículos de comunicação e um suprimento ainda maior de informações disponíveis nas mídias sociais.

Se você está preocupado com o COVID-19, pode ficar muito tempo procurando atualizações e garantias.

Isso geralmente é contraproducente, pois muitos meios de comunicação e redes de mídia social recorrem a histórias catastróficas ou sensacionais para obter visualizações.

Limite-se a verificar notícias uma vez por dia. Desative as notificações automáticas de notícias no seu smartphone.

Confie que, se houver um desenvolvimento importante, você o ouvirá rapidamente.

5. DESCONFIE DE ONDE VOCÊ ESTÁ OBTENDO INFORMAÇÕES 

Onde você recebe suas notícias também é importante.

Certifique-se de usar fontes confiáveis, como o CDC, a OMS ou os principais veículos de notícias.

Não confie em atualizações nas mídias sociais sem investigar completamente a fonte. 

Lembre-se de que nenhuma fonte de notícias pode fornecer informações sobre seu risco pessoal de contrair ou ter sérias complicações do novo coronavírus.

Para entender melhor isso, considere conversar com seu médico ou outro profissional de saúde.

6. PRATIQUE A ATENÇÃO PLENA E AS TÉCNICAS DE TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL (TCC)

Nossas mentes são feitas para nos proteger.

Como tal, somos propensos a atender a ameaças em potencial. Quando você se vê pensando nas coisas assustadoras que podem acontecer, é importante lembrar dessa tendência de superestimar a probabilidade de um resultado ruim. 

Sim, é possível que algo ruim possa acontecer.

Reconheça essas preocupações, mas pratique reorientar sua mente para o presente.

Iniciar uma prática formal de meditação da atenção plena pode ajudá-lo a desenvolver as habilidades para fazer isso. 

7. NÃO SE ISOLE

Se colocar em quarentena desnecessariamente provavelmente piorará sua saúde mental.

É importante continuar se engajando com outras pessoas, especialmente em tempos de crise.

Entre em contato com uma ligação ou uma conversa pelo whatsapp ou outra rede quando estiver estressado. Muitas pessoas estão sentindo a mesma ansiedade, e estender a mão pode ajudar a normalizar seus medos e aprender como os outros estão lidando.

8. TRATE A DOENÇA MENTAL SUBJACENTE

Para pessoas com condições existentes, como depressão, ansiedade e transtorno obsessivo-compulsivo, as notícias do COVID-19 podem aumentar os sintomas.

Sentimentos de desamparo, pânico, medos de contaminação, ansiedade relacionada à saúde e ansiedade generalizada podem ser agravados por epidemias e outros desastres semelhantes. 

É importante garantir que sua doença mental subjacente seja tratada adequadamente.

Se você notar que sua saúde mental está sofrendo ultimamente, marque uma consulta com seu médico e/ou terapeuta para discutir estratégias de tratamento.

Quais os seus maiores temores nesse momento? Tente essas dicas. Comente!

Deixe o seu comentário!

comentários

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *