Aprimorando a motivação para o aprendizado online durante o COVID-19

Artigos

Aprimorando a motivação para o aprendizado online durante o COVID-19

Andrea W
Escrito por Andrea W em julho 9, 2020
Aprimorando a motivação para o aprendizado online durante o COVID-19
Junte-se a mais de 127.133 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Os motivos dos alunos para o aprendizado online costumavam incluir: “É mais conveniente”, “Gosto do anonimato” ou “É mais fácil e leva menos tempo”.

No entanto, desde o início da pandemia do COVID-19, esses motivos foram substituídos por lamentos de “Posso fazer isso mais tarde?” “Eu odeio isso” ou “Eu quero voltar!”

As instruções online exigidas pela maioria das escolas foram uma mudança abrupta e radical para todos os envolvidos.

O fechamento de escolas sujeitou pais, professores e alunos a uma série de desafios motivacionais, implementando e sustentando instruções online eficazes. 

Independentemente de a instrução exigir horários específicos ou de poder ser feita a qualquer momento, o aprendizado é questionável sem um professor motivado e um aluno envolvido.

Essa questão do aprendizado 100% online é recente e terá muito a  discutir daqui para a frente, mas vamos trazer um parâmetro sobre a motivação para estudar de forma online em tempos de pandemia.

O APRENDIZADO ONLINE É EFICAZ? 

Parte do dilema motivacional do COVID-19 é a eficácia percebida do aprendizado online, que é claramente … ambígua.

Alguns professores e muitos alunos acham que o aprendizado online é uma perda de tempo.

Além disso, os alunos desfavorecidos podem não ter acesso ao computador ou uma conexão confiável à Internet.

Mas afinal, o aprendizado online é eficaz?

Embora o uso situacional da tecnologia da computação muitas vezes melhore a aprendizagem de curto prazo (Tamim et al., 2011), a instrução online pode reduzir a transferência de conhecimento, resultando em um valor menos prático para o conteúdo ensinado. 

Além disso, os alunos frequentemente relatam menor satisfação com o aprendizado online (Ebner & Gegenfurtner, 2019).

Um fato difícil de debater é que bons professores são bons professores, independentemente das circunstâncias (Jackson e Anagnostopoulou, 2018).

Assim, as recomendações a seguir foram projetadas para aumentar a motivação nas plataformas de aprendizado, mas são especialmente úteis para instruções online durante as circunstâncias incomuns criadas pela crise do COVID-19.

RECONHEÇA AS EXPECTATIVAS EXISTENTES

Pais, professores e alunos abrigam crenças pessoais sobre o aprendizado.

A maioria espera que a escola seja necessária e deve ser desafiadora e útil. Alguns esperam que o aprendizado seja fácil.

No entanto, nem todos concordam com o aprendizado online porque as instruções podem parecer impessoais e desconhecidas.

A falta de experiência online pode promover o medo, levando a dúvidas e incertezas sobre a capacidade de ser um professor ou aluno online eficaz.

Essas dúvidas podem causar afastamento ou resistência à participação.

Uma solução para sustentar a motivação é não perder a conexão pessoal que já existe entre professores e alunos (Davis et al., 2019). 

Alimentar o vínculo entre as partes interessadas significa uma comunicação regular relacionada ao aprendizado e de natureza pessoal.

Durante a instrução online, é especialmente importante evitar a dissociação da cultura existente em sala de aula (Larreamendy-Joerns & Leinhardt, 2006).

A replicação das rotinas da sala de aula é essencial para promover familiaridade e comparações positivas com as condições de aprendizado pré-pandêmicas.

Quaisquer que sejam as rotinas diárias usadas na sala de aula antes, devem ser adaptadas e modificadas para reproduzir os mesmos sentimentos e experiências pessoais durante as instruções online.

AVALIAR O DESIGN DO CURSO 

Além das preocupações centradas no aluno, as questões de design do curso podem influenciar amplamente a motivação.

Uma reclamação frequente dos alunos durante transições radicais para o aprendizado online é o design simplista do curso. 

A instrução online pode ser avaliada como inferior à instrução anterior, desencadeando o desengajamento.

Devem ser tomadas medidas específicas para evitar discussões repetitivas baseadas em texto e, ao invés disso, cultivar habilidades de ordem superior, como o pensamento criativo (Boling et al., 2012). 

As avaliações podem ser baseadas em projetos, especialmente aquelas que tiram proveito dos recursos da casa e do conhecimento dos eventos atuais.

Os instrutores podem incorporar facilmente exemplos relacionados à pandemia em suas instruções online. 

Por exemplo, use problemas ou palavras cruzadas de palavras matemáticas relacionadas ao COVID-19, avalie criticamente as implicações pandêmicas em certos grupos sociais ou faça gráficos de estatísticas relacionadas ao achatamento da curva para aprimorar o envolvimento do aluno nesses tempos difíceis.

Não se concentre apenas em tornar o aprendizado “divertido”.

Evite níveis excessivos de carga cognitiva removendo elementos de design que não são essenciais para o aprendizado, como hiperlinks desnecessários ou infusão de jogos apenas marginalmente relacionados aos objetivos de aprendizado (Kalyuga, 2007).

TRATAR EQUÍVOCOS
Muitos alunos de pandemia não têm a prontidão psicológica para obter instruções online.

Eles podem ter conceitos errôneos sobre os objetivos de aprendizagem e acreditam que há pouca necessidade de demonstrar domínio do curso. 

Considerando a transição quase imediata da instrução tradicional para a aprendizagem online, a preparação antecipada não foi possível.

A preparação mínima pode levar a uma falta de pensamento crítico, processamento limitado de informações e baixa retenção, porque os alunos operam sob a presunção injustificada de que o aprendizado online é mais fácil ou inútil.

Da mesma forma, professores e alunos podem abordar a instrução como um requisito administrativo obrigatório que não está necessariamente preocupado com o desempenho.

Professores e pais devem enfatizar aos alunos que a instrução online era necessária e não um substituto para simplesmente manter os alunos ocupados até que a crise desapareça.

Quando os alunos percebem que a instrução é valiosa e relevante, sua motivação acadêmica aumentará, mudando o foco para as conseqüências emocionais do COVID-19 e promovendo mais investimentos pessoais em aprendizado e realizações (Kim & Frick, 2011).

OTIMIZANDO A EFICÁCIA

Depois que os professores garantem aos alunos que o ensino online é um negócio sério e não um substituto estatutário inferior para o aprendizado em sala de aula, o educador pode empregar princípios de design específicos encontrados para aprimorar o envolvimento e a persistência. 

Objetivos específicos de aprendizado e metas do curso devem ser declarados explicitamente.

Os cursos devem incluir avisos como “quando você terminar esta unidade, poderá …” ou “este conteúdo é relevante porque …”

Segundo, o design deve incluir um mapa do site e ferramentas direcionais para passar o mouse para instilar a confiança do aluno na capacidade de navegar no ambiente online.

Os alunos devem acreditar que estão qualificados para realizar um curso online, apesar da falta de familiaridade com os sistemas de aprendizado online.

Terceiro, as percepções de relevância dos alunos podem ser promovidas quando o conteúdo do curso e as avaliações online são altamente correlacionadas.

Os alunos devem poder revisar o material gravado, acessar o conteúdo de forma assíncrona, estudar os exemplos trabalhados e recuperar glossários de conteúdo com hiperlink necessários para elaboração ou esclarecimento.

AJUDA DOS PAIS

Os pais devem se esforçar para convencer seus filhos de que o aprendizado online pode ser um processo divertido e informativo, necessário para evitar lapsos de aprendizado do material ensinado anteriormente.

A presença do professor é essencial para motivar os alunos online, independentemente da sincronicidade instrucional.

O envolvimento ativo do instrutor mostra aos alunos que o professor está motivado para conduzir as instruções.

Postar contribuições regulares, fornecer feedback e demonstrar preocupação com a situação dos alunos é essencial (Shea et al., 2006). 

Por fim, lembre-se de que a pandemia promove sentimentos de isolamento e as consequências emocionais da separação devem ser abordadas e explicitamente declaradas como parte normal da transição online (Lewis e Abdul-Hamid, 2006). 

A interação regular do instrutor com os alunos por meio de feedback direcionado que se concentra no contato interpessoal esporádico servirá como andaime necessário para a participação consistente no curso e o envolvimento contínuo em toda a pandemia.

Como está sendo a motivação para o aprendizado online de seu filho? Conte-nos!

Deixe o seu comentário!

comentários

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *