Pandemia está mudando o mundo. Isso pode mudar o fazer da terapia ?

Desenvolvimento Pessoal

COVID-19 está mudando o mundo. Isso mudará a maneira como a terapia é administrada?

Andrea W
Escrito por Andrea W em março 25, 2020
COVID-19 está mudando o mundo. Isso mudará a maneira como a terapia é administrada?
Junte-se a mais de 127.133 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

A pergunta: “Você viu seu terapeuta recentemente?” está se tornando tão desatualizada quanto o aperto de mão, e a terapia como anda?

Felizmente, para aqueles que precisam de serviços psicológicos durante esse período de crise, outras opções estão disponíveis.

Está se tornando normal, por exemplo, que os pacientes conversem por telefone, texto e vídeo com os terapeutas.

De fato, a mudança de presencial para terapia online ou por telefone estava em pleno andamento antes mesmo que o COVID-19 entrasse na equação.

E mais terapeutas estão adotando o Instagram e outras plataformas de mídia social para aumentar seus negócios de terapia e treinamento online.

Não é incomum encontrar terapeutas com mais de 50.000 seguidores no Instagram.

Será uma nova realidade para a terapia? Vamos conhecer a pesquisa.

TERAPIA CONVENCIONAL OU TERAPIA ONLINE?

Embora seja improvável que os serviços tradicionais de terapia e aconselhamento desapareçam totalmente (eles ainda desempenham uma função importante na prestação e administração de serviços psicológicos, especialmente para populações de pacientes de alto risco).

Até a terapia tradicional está começando a se mobilizar.

Os espaços de colaboração projetados especificamente para profissionais de saúde mental estão começando a aparecer em todo o país.

Um desses espaços é o The Collaborative, em Miami, Flórida, dirigido por Whitney Goodman, colaboradora do programa de casamento e família e terapeuta da psicologia. 

Esses espaços de cooperação ajudam os terapeutas a se manterem flexíveis.

Enquanto isso, ocorre uma transição de negócios para atender à demanda de serviços de terapia remota.

Também oferece aos terapeutas a oportunidade de interagir com outros terapeutas.

Com quarentenas e confinamentos obrigatórios em pleno andamento, mesmo os terapeutas que tradicionalmente se opunham à administração de terapia fora de um escritório agora estão adotando a teleterapia por necessidade. 

DESAFIOS DA TERAPIA ONLINE

A terapia online não deixa de ter seus desafios.

Existem, por exemplo, alguns problemas importantes de privacidade para navegar.

Certos modos de comunicação online, como o FaceTime, não são compatíveis com HIPAA, enquanto outros, como Doxy.me e Zoom para assistência médica, são.

O que a pesquisa diz sobre a eficácia da terapia online e da teleterapia versus terapia presencial? No geral, a evidência é encorajadora.

Um artigo do JAMA de 2012 descobriram que a terapia cognitivo-comportamental foi igualmente eficaz quando administrada por telefone, assim como foi administrada pessoalmente.

Além disso, os pesquisadores descobriram que a taxa de atrito do cliente é menor na teleterapia – provavelmente porque é mais conveniente para os pacientes.

MINDFULNESS NA DEPRESSÃO

As intervenções de atenção plena também estão sendo cada vez mais entregues via internet.

Uma meta-análise de 2016 descobriu que as intervenções online baseadas em mindfulness geralmente têm um impacto pequeno, mas significativamente benéfico, na depressão. 

Outro estudo considerou a teleterapia a melhor terapia tradicional para o tratamento da depressão, se não melhor.

E isso sem mencionar os outros benefícios da teleterapia: é mais acessível, mais conveniente, a maioria dos pacientes considera mais privada do que a terapia tradicional.

Alem disso,  expande amplamente o número de terapeutas com os quais os pacientes podem optar por trabalhar.

Às vezes, é preciso um profundo “choque no sistema” para inaugurar uma nova maneira de fazer as coisas.

No caso da terapia online, o coronavírus pode ter feito exatamente isso.

Qual a sua opinião sobre isso? Conte-nos!!

Deixe o seu comentário!

comentários

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *