Mulheres bem-sucedidas confiam em outras mulheres para liderar

Desenvolvimento Pessoal

Mulheres bem-sucedidas confiam em outras mulheres para alcançar papéis de liderança

Andrea W
Escrito por Andrea W em fevereiro 5, 2020
Mulheres bem-sucedidas confiam em outras mulheres para alcançar papéis de liderança
Junte-se a mais de 127.133 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

 

Conseguir um papel de liderança executiva sendo mulher em uma grande empresa geralmente exige conexões com as pessoas certas.

Os estudantes de pós-graduação que buscam empregos corporativos de alto escalão são incentivados a construir uma rede de contatos diversos e influentes e evitar panelinhas.

Esse conselho geralmente funciona – para homens.

Afinal, os líderes das empresas americanas são predominantemente homens:

as mulheres representam menos de 5% dos CEOs da Fortune 500 e menos de um quarto dos membros do conselho da Fortune 500.

Mas para as mulheres, sugere um novo estudo, o trabalho em rede como um homem simplesmente não é suficiente.

Para as mulheres que procuram entrar em uma posição de liderança no mundo corporativo, a chave do sucesso pode estar em outras mulheres.

Vamos ao resultado do estudo.

APOIO DE UM CÍRCULO DE MULHERES COMO INCENTIVO

Um estudo publicado constatou que as mulheres mais bem-sucedidas em busca de emprego em uma escola de graduação de nível superior confiavam não apenas em uma ampla rede de contatos, mas também em um círculo íntimo de outras mulheres.

Pois estas fornecem apoio e orientação profissional específica para o gênero.

“Quando você fala com os alunos no local, muitos deles pensam:

‘A maneira de conseguir as coisas que quero na vida é imitar a rede que os homens têm'”, disse Brian Uzzi, autor do estudo e professor de liderança na Kellogg School of Management da Northwestern University.

“Algumas mulheres fazem, e essas são as que fazem o pior absoluto.”

Os líderes corporativos são cada vez mais recrutados diretamente de escolas de pós-graduação altamente competitivas; portanto, os autores do estudo optaram por se concentrar em um grupo de 728 alunos entre 20 e 30 anos em um programa de negócios de graduação entre 2006 e 2007.

Cerca de três quartos dos estudantes eram homens e cerca de um quarto deles eram mulheres.

ANÁLISE DE E-MAILS E REDES SOCIAIS

Para examinar o vínculo entre as redes sociais dos estudantes e seus eventuais empregos, os autores analisaram 4,55 milhões de e-mails enviados entre todos os estudantes.

Em seguida, eles coletaram dados sobre a vaga de cada aluno, incluindo o setor industrial, a localização regional e o salário inicial, para determinar o nível de autoridade de liderança que cada aluno alcançou.

Depois de controlar fatores como a experiência de trabalho e o desempenho acadêmico de um aluno, os autores descobriram que as redes sociais dos estudantes previam fortemente sua colocação em posições de liderança.

Entre os homens, quanto mais conexões influentes um estudante masculino tivesse em toda a rede escolar, maior seria sua posição de liderança.

DESCOBERTAS DO ESTUDO

Mas entre as mulheres, os autores ficaram surpresos com as descobertas:

77% das mulheres com maior sucesso tinham laços fortes com um círculo interno de duas a três outras mulheres.

As mulheres com menor desempenho tinham uma rede dominada por homens e laços mais fracos com outras mulheres em sua rede.

Ter um círculo menor de amigas proporcionou às mulheres um sistema de apoio ao navegar no mercado de trabalho.

As mulheres desses círculos compartilham informações específicas da empresa, como detalhes sobre a cultura de trabalho de uma empresa para mulheres.

“Supomos que esse tipo de apoio ajude a levar as mulheres a posições de liderança”, disse Nitesh V. Chawla, coautora do estudo e professora de ciência da computação e engenharia da Universidade de Notre Dame.

“Eles podem se candidatar a empregos que combinam melhor.”

Ao estudar essas redes estreitas de mulheres, as autoras “encontraram outra coisa que nos levou a travar tudo”, disse Uzzi.

O próprio círculo interno era formado por mulheres que estão conectadas umas às outras.

Em outras palavras, criou uma camarilha, um tipo de rede que a pesquisa mostrou que pode criar uma câmara de eco.

COMO SE BENEFICIAR DESSA REDE DE MULHERES

“Como diabos as mulheres podem se beneficiar dessa rede?”, Disse Uzzi. A chave para essas panelinhas era o fato de que cada uma das mulheres do círculo interno tinha um conjunto de contatos independentes dos contatos das outras mulheres.

Dessa forma, cada mulher serviu como uma espécie de ponte para um vasto número de outras conexões diversas.

As mulheres são particularmente boas na construção dessas pontes através de redes diferentes, de acordo com Herminia Ibarra, professora de comportamento organizacional da London Business School. 

Por exemplo, Ibarra lembrou que, durante muito tempo, ela estava entre as poucas professoras em período integral em seu campo e desenvolveu um relacionamento próximo com outras professoras. 

“Como somos poucos e estamos em lugares diferentes, nossas redes são diferentes.

Nossas redes têm mais graus de separação ”, afirmou Ibarra.

De certa forma, as mulheres que são minorias em seu campo frequentemente desenvolvem conexões estreitas com outras mulheres e a capacidade de ir além de seus próprios círculos, disse Ibarra.

“A desvantagem das mulheres lhes dá uma vantagem”, disse Ibarra.

Ibarra levantou um estudo recente na Harvard Business Review, focado nos produtores de uva em Champagne, França, onde as cultivadoras são uma minoria.

Os pesquisadores descobriram que as cultivadoras eram capazes de cobrar sistematicamente preços mais altos do que as cultivadoras masculinas por uvas da mesma qualidade.

 

POR QUAL RAZÃO A INTERAÇÃO É MELHOR COM MULHERES?

A principal razão? Elas frequentemente interagem estreitamente entre si para apoio social.

“Esses relacionamentos informais frequentemente as levavam a trocar conhecimentos úteis e informações de mercado que os homens costumavam manter em segredo”, escreveram os pesquisadores Amandine Ody-Brasier e Isabel Fernandez-Mateo na Harvard Business Review.

“Essas conversas podem incluir informações sobre quem faz negócios com quem, em que extensão, por quais uvas e a que preço”.

As cultivadoras foram capazes de alavancar suas redes sociais informais para aumentar a competitividade de seus negócios, disse Ibarra.

“Algumas pessoas pensam que é apenas para socializar, mas não é.”

É importante que as mulheres reconheçam o poder dos relacionamentos em que tradicionalmente contam para apoio social, disse Deborah Kolb, professora emérita para mulheres e liderança na Simmons College School of Management e autora de “Negociando no trabalho: transformar pequenas vitórias em grandes ganhos”.

“As redes de mulheres que você não considerou necessariamente estratégicas são estratégicas”, disse Kolb.

EFEITO DE AMPLIFICAÇÃO

Seu conselho ecoou estratégias semelhantes que se tornaram populares entre as funcionárias da Casa Branca no governo Obama, que ficavam frustradas quando os homens ignoravam suas idéias nas reuniões.

Eles criaram uma estratégia que eles chamaram de “amplificação”.

Sempre que a ideia de uma mulher não era reconhecida em uma reunião, outra mulher a reiterava e dava crédito a ela.

Kolb também compartilhou uma história sobre um grupo de mulheres que trabalhavam em uma empresa de serviços financeiros.

Percebendo que estavam ficando para trás de seus colegas homens, as mulheres começaram a ajudar umas às outras na frente dos gerentes de portfólio que os avaliavam. 

As mulheres buscaram oportunidades para recomendar colegas de trabalho para vagas de emprego e compartilhar conselhos para gerenciar seu trabalho e suas vidas pessoais.

“Eles realmente se viam como uma rede que poderia ajudar e apoiar um ao outro”, disse Kolb.

“A rede existia. Estava apenas tentando entender como torná-lo estratégico. ”

Você tem a sua rede de mulheres no trabalho? Concorda com a pesquisa? 

 

Deixe o seu comentário!

comentários

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *