Como as mulheres ainda são deixadas para trás no mercado de trabalho

Desenvolvimento Pessoal

Como as mulheres ainda são deixadas para trás no mercado de trabalho

Andrea W
Escrito por Andrea W em fevereiro 3, 2020
Como as mulheres ainda são deixadas para trás no mercado de trabalho
Junte-se a mais de 127.133 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Mulheres e homens geralmente têm experiências muito diferentes no mercado de trabalho.

As mulheres recebem menos por hora, trabalham menos horas fora de casa e entram em diferentes ocupações que os homens. 

Essas experiências diferentes, por sua vez, geram uma série de outras disparidades, incluindo níveis mais baixos de riqueza, segurança de aposentadoria reduzida e acesso mais limitado a programas de redes de segurança social ligadas ao trabalho, como seguro-desemprego.

Muitas dessas disparidades são examinadas e abordadas em um livro publicado no ano passado pelo The Hamilton Project em Brookings – Os 51%: impulsionando o crescimento por meio da participação econômica das mulheres. 

De onde também é feita a análise a seguir. 

COMO MELHORAR OS RESULTADOS FINANCEIROS DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO

Melhorar os resultados econômicos das mulheres não é apenas importante para elas pessoalmente ou para suas famílias, mas uma parte crucial de uma estratégia para elevar o crescimento econômico de maneira mais ampla. 

Como sociedade, não podemos nos dar ao luxo de desperdiçar os talentos e habilidades de pessoas que poderiam estar participando mais plenamente da economia.

Uma das principais diferenças entre os resultados do mercado de trabalho de mulheres e homens é a diferença de salário entre os gêneros.

Nas últimas décadas, a diferença salarial por hora evoluiu para os trabalhadores típicos, mostrando que fizemos um progresso substancial, mas incompleto, na redução da diferença. 

Conforme o estudo do IBGE, as mulheres receberam salário médio de R$ 2.050 por mês no ano passado, o correspondente a 79,5% do rendimento do trabalho dos homens (R$ 2.579)

DISPARIDADE DE GÊNERO 

Embora essa melhoria seja bem-vinda, a contínua vantagem salarial do sexo masculino pode ser surpreendente à luz dos avanços que as mulheres fizeram no nível educacional.

Afinal, as mulheres tornaram-se mais propensas do que os homens a obter um diploma de bacharel em meados dos anos 90, e mais propensas a obter um diploma de pós-graduação em 2003. 

Dado o forte prêmio salarial comandado pelos graus pós-secundários, é de se esperar que as disparidades salariais entre homens e mulheres caem de forma mais drástica.

Mesmo depois de controlar as diferenças de idade, raça, educação e ocupação, as mulheres agora ganham aproximadamente 79% do que os homens ganham.

Um exame mais aprofundado dos resultados do mercado de trabalho de mulheres e homens revela outra maneira importante de as disparidades de gênero ainda se manifestarem: a separação de homens e mulheres em diferentes ocupações. 

As mulheres ainda tendem a trabalhar em empregos muito diferentes dos homens, e a segregação ocupacional mudou pouco nas últimas duas década.

Essa segregação, medida como a soma das diferenças entre as porcentagens de homens e mulheres em cada ocupação, continua pairando perto de 50%, o que significa que as ocupações (ponderadas pelo emprego) são, em média, 75/25 homens ou 75/25 mulheres.

SEGREGAÇÃO OCUPACIONAL

Embora a falta de progresso recente não seja totalmente compreendida, sabemos que a segregação ocupacional está ligada a vários fatores, incluindo a necessidade de flexibilidade no emprego, normas sociais e discriminação no mercado de trabalho, entre outros.

A separação de homens e mulheres em diferentes ocupações pode ter implicações importantes para os salários, uma vez que as mulheres são desproporcionalmente representadas em ocupações com salários mais baixos.

Não está totalmente claro se isso ocorre porque as mulheres são excluídas de profissões bem remuneradas ou porque, uma vez que uma ocupação é dominada por mulheres, ela se torna menos remunerada.

Independentemente disso, essa segregação contribui para que as mulheres ganhem menos e pode dificultar o acesso de algumas mulheres a certos campos.

Por exemplo, nos Estados Unidos, as mulheres representam apenas 14% dos maiores de 25 a 54 anos empregados em engenharia elétrica, mas obtêm um lucro médio de US $ 85.000 quando se enquadram nesse grupo.

Por outro lado, as mulheres representam 96% dos cursos de educação infantil e ganham apenas US $ 37.000 por ano com esse diploma.

FORÇA DE TRABALHO FEMININA

A partir de 2000, a participação da força de trabalho das mulheres de 25 a 54 anos começou a diminuir.

Esse declínio foi mais pronunciado para aqueles com ensino médio ou menos, cuja participação caiu de um pico de 71% para 62% em 2016. 

O enfraquecimento da demanda por mão de obra pouco qualificada tem desempenhado um papel importante nesse desenvolvimento, assim como ocorre com a diminuição da participação de homens pouco qualificados. 

A experiência dos EUA de diminuir a participação da força de trabalho feminina contrasta com os resultados de muitos outros países onde as mulheres em idade pré-escolar estão trabalhando a um ritmo mais alto. 

As mulheres americanas costumavam ter maior probabilidade de participar da força de trabalho do que as de outras economias avançadas, mas agora os EUA estão bem abaixo da média nesse sentido.

Compreender as lacunas que permanecem entre os resultados econômicos de mulheres e homens é crucial para encontrar as políticas mais eficazes que podem melhorar as oportunidades das mulheres.

Políticas aprimoradas relacionadas à disponibilidade e acessibilidade de creches, tributação individual de casais, transparência salarial e licença parental, entre outras, podem contribuir para o envolvimento mais robusto e equitativo das mulheres na força de trabalho. 

Alcançar esse objetivo é uma preocupação macroeconômica urgente: sem o envolvimento total e irrestrito das mulheres em nossa força de trabalho, o crescimento econômico será indevidamente prejudicado, os benefícios do crescimento serão compartilhados de forma desigual e uma grande quantidade de potencial humano será desperdiçada.

O que você achou do conteúdo? Comente se você reconhece essa disparidade de gênero no seu trabalho.

 

Deixe o seu comentário!

comentários

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *