&noscript=1"/>

Desenvolvimento Pessoal

4 maneiras de não deixar a ansiedade sequestrar seus relacionamentos

Andrea W
Escrito por Andrea W em janeiro 4, 2020
4 maneiras de não deixar a ansiedade sequestrar seus relacionamentos
Junte-se a mais de 127.133 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Mesmo quando amamos profundamente e nos preocupamos com alguém, momentos de ansiedade podem derrotar nossas melhores intenções e objetivos românticos de longo prazo.

Neste post vamos trazer quatro maneiras de não deixar a ansiedade dominar e destruir seu relacionamento romântico.

1. PARE DE PROCURAR SEGURANÇA (OU PELO MENOS REDUZA)

Tranquilizar é como uma droga; só nos deixa querendo mais e mais, porque desaparece  rapidamente.

Além disso, a garantia pode ser um imposto particularmente oneroso para o seu parceiro.

Sua necessidade de garantia pode se tornar um esgotamento dos recursos emocionais de seu parceiro e, com o tempo, eles podem limitar as interações ou o tempo gasto com você.

Buscamos segurança por insegurança, mas, na realidade, isso apenas gera mais e mais ansiedade.

Mostre a si mesmo que você pode tolerar a incerteza de não saber exatamente o que seu parceiro está pensando, o quanto ele realmente ama você ou onde ele está o tempo todo.

Tolere o desconforto. Você sairá do outro lado e, quanto mais praticar isso, menos segurança precisará.

2. VOCÊ NÃO É O SEU PENSAMENTO 

A ansiedade e a insegurança que acompanham o sentimento profundamente apaixonado por outra pessoa podem consumir tudo.

Um sentimento de vulnerabilidade surge quando você reconhece que precisa dessa pessoa e deseja essa pessoa em sua vida e, ao mesmo tempo, não tem controle absoluto sobre essa mesma pessoa.

Essa falta de controle pode causar estragos na forma de pensamentos ansiosos.

Você pode se preocupar se eles não o amam, ou estão com outro, ou estão entediados ou vão machucá-lo e deixá-lo.

Quaisquer que sejam os pensamentos, pode ser útil, quando em um estado inseguro, parar e lembrar-se de que você não é o seu pensamento.

Você é o líder, o capitão e quem supervisiona e “observa” o seu fluxo de pensamentos.

Observar seus pensamentos deixa espaço para examinar se eles são tão verdadeiros e precisos quanto parecem para você em um momento difícil.

3. APRENDA A LIDAR COM EMOÇÕES DIFÍCEIS

Gerenciar com sucesso os fluxos e refluxos de uma parceria romântica significa ser capaz de regular suas emoções.

O que isso significa? Isso significa que as coisas vão machucá-lo, incomodá-lo, irritá-lo, preocupá-lo e você precisa encontrar uma maneira de se acalmar.

Quando estamos vulneráveis ​​e apaixonados e nos aproximamos de alguém, essa proximidade invariavelmente traz toda a gama de emoções.

Se você recorrer várias vezes ao seu parceiro ele poderá ficar sobrecarregado.

É bom e importante se expressar e se comunicar (veja o item 4 abaixo), mas reduza a intensidade primeiro. Reduzir a intensidade imediata da emoção ajudará você a ser ouvido pelo seu parceiro e também a saber o que você quer dizer sem tornar a situação e suas emoções ainda piores.

4. COMUNIQUE-SE

Se você não compartilhar com seu parceiro suas experiências, ansiedades ou emoções mais profundas, ele não terá como entender você e o que você precisa.

Aprenda a se comunicar e também a ouvir o que seu parceiro compartilha sobre o mundo dele.

Tente comunicar-se com os “problemas” dos dois – por exemplo, se você sabe que está sofrendo de ansiedade, afirme que “Isso pode ser uma reação exagerada, às vezes fico muito ansioso” -, além de permanecer fiel a si mesmo para dizer o que precisa ser dito – “Mas eu preciso que você esteja mais comigo durante a semana, ou eu começo a me sentir desconectado de você”.

Depois, veja o que seu parceiro diz – ele faz você se sentir melhor? Ou você se sente ainda mais ansioso “Se for o último, em uma base consistente, talvez seja necessário reconsiderar esse relacionamento.

 

 

 

Deixe o seu comentário!

comentários

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *