3 formas que os homens são ensinados a objetivar mulheres desde crianças

Desenvolvimento Pessoal

3 formas que os homens são ensinados a objetivar mulheres desde crianças

Andrea W
Escrito por Andrea W em janeiro 23, 2020
3 formas que os homens são ensinados a objetivar mulheres desde crianças
Junte-se a mais de 127.133 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Há homens que passam muitos anos vendo as mulheres como objetos de sua afeição, em vez de pessoas complexas com sentimentos, vontades e necessidades próprias.

Embora não haja desculpa para esse comportamento, muitos homens são ensinados  desde muito cedo a ver as mulheres como prêmios a ganhar.

A crença de que as mulheres são troféus ainda permeia nossa cultura, seja na mídia, na educação ou em uma simples conversa cotidiana.

Quando somos ensinados que um gênero inteiro existe puramente para satisfazer as necessidades dos outros.

Nesse caso, você desumaniza milhões de pessoas e é muito difícil ter empatia por alguém que você não vê como uma pessoa real. 

Isso encoraja a objetificação das mulheres, porque frequentemente elas são representadas como recompensas para os homens.

Eles a disputam, embora seus  desejos raramente sejam levados em consideração – se é que alguma vez foram.

Neste artigo vamos falar sobre essa objetificação cotidiana que ocorre com relação às mulheres.Siga a leitura.

OBJETIFICAÇÃO E SEXISMO

Muitas vezes quando alguém realmente pergunta sobre a vida das mulheres é que se dá conta de que passou anos nesse processo desumanizado e objetivado em que a sociedade coloca as mulheres há anos.

Inicialmente muitos homens se chocam ao descobrir que agem com essa mentalidade, pois muitos se orgulham de não ser alguém que participaria de um sexismo flagrante.

No entanto, a objetificação das mulheres é tão difundida que mal sabemos que somos seus cúmplices.

É muito provável que existam muitas pessoas, principalmente homens, que não percebem que estão perpetuando uma cultura que desumaniza e objetiva as mulheres.

Então vamos falar sobre isso.

Trouxemos algumas maneiras pelas quais as mulheres são objetivadas no cotidiano – e por que isso é prejudicial.

1. A MÍDIA ENSINA QUE AS MULHERES DEVEM COMPETIR

Infelizmente, a grande maioria dos programas de TV tem o seguinte objetivo:

um homem está apaixonado por uma mulher, e sua função é simplesmente ser o interesse amoroso dela.

“Interesse amoroso” é um termo leve, no entanto.

Ela é mais como a obsessão dele.

Sua insistência em empurrar-se repetidamente para a vida dela é representada como charme, e poder.

Na realidade, é destrutivo, objetiva e desumaniza.  

Quando criança, com um cérebro maleável, esse pensamento passa a ser introjetado e por décadas as mulheres são vistas dessa maneira. 

Acaba que elas sejam vistas simplesmente como artifícios sem personalidades.

Elas são vistas como extensões do próprio ego masculino, exatamente como foram ensinados, em vez de pessoas com mente e pensamentos próprios.

Quem não lembra de inúmeras vezes dizer algo no sentido de paquera para uma amiga e ela não responder?

Então você se convence de que ela não lhe ouviu ou não entendeu que você estava flertando com ela.

Embaraçosamente, você tenta chamar mais sua atenção.

Isso, é claro, acaba custando várias amizades. 

Em essência, as mulheres operam como cabeças vazias para os homens projetarem seus desejos e necessidades.

Há programas de TV (e também em muitos filmes de comédia), em que raramente os homens indagam sobre os desejos e necessidades das mulheres.

Não há, na verdade, muitas (ou nenhuma, honestamente) cenas em que um homem se esforça para conhecer uma mulher em qualquer nível que reconheça sua humanidade e autonomia.

Quando as mulheres são representadas dessa maneira, incentiva os homens a maltratá-las e ignorá-las. 

Ou tratá-las como uma piada – porque a percepção é de que elas não são suficientemente inteligentes para saber o que está acontecendo. 

EMPATIA E RESPEITO

Talvez ainda mais destrutivo seja o fato de incentivar os homens a serem mais agressivos quando as mulheres não estão agindo da maneira que “deveriam” agir.

Quando não estão respondendo da maneira que os homens gostariam que elas respondessem.

Isso é coercitivo, controlador e totalmente prejudicial para todo um gênero. 

As pessoas devem ser tratadas com respeito e empatia, não desumanizadas e objetivadas. 

Precisamos ser melhores para representar as mulheres de maneira mais positiva na televisão e na mídia.

As mulheres devem ser representadas como pessoas completas que são, e não como objetos vazios.

2. AS CRIANÇAS SÃO INCENTIVADAS A SEGUIR PAPÉIS RÍGIDOS DE GÊNERO NA ESCOLA

Os papéis de gênero ficam ainda mais evidentes quando as meninas decidem fazer perguntas aos meninos.

Embora isso possa parecer uma boa ideia em teoria, prova ainda que “meninas perguntando a meninos” é uma anomalia e não deveria ser incentivada.

Por exemplo, as meninas que convidavam os meninos para dançar – ou quaisquer outros encontros – eram vistas como agressivas e/ou desesperadas, então eram amplamente silenciadas de expressar seus desejos e necessidades. 

Existem muitos casos onde, por exemplo, o homem é incentivado a convidar meninas para sair.

Quando se diz ter medo ou que não está interessado em convidar alguém para sair, acabava ridicularizado por não ser ” homem o suficiente “. 

É sempre dito para “parar de agir como uma menina”.

Ou você não estava sendo agressivo o suficiente para a satisfação deles.

Esse comportamento causa muitos danos a longo prazo à maneira como os homens vêem as mulheres.

As constantes insistências em “convidar as mulheres para sair” não param no ensino médio. 

MULHERES SÃO ENSINADAS A SE CALAR

Com as mulheres sendo ensinadas a se calar sobre seus desejos e necessidades, cria-se uma combinação prejudicial.

Os homens começam a ver as mulheres como “números”, como ideias e objetos, e as mulheres são desencorajadas a falar contra isso. 

Nos casos em que as mulheres se manifestam contra serem tratadas como objetos, alguns homens constroem ressentimento.

Assim sentem que as mulheres não estão agindo corretamente em seus papéis.

É por isso que muitos homens são rejeitados com tanta severidade.

Eles se sentem como fracassos, porque seu papel é ser proativo e perseguir as mulheres, e quando lhes dizem “não”, é uma rejeição a sua masculinidade. 

Como eles não percebem que receberam ideias tóxicas desde a mais tenra idade, eles acreditam que as mulheres são as culpadas por não seguirem um roteiro.

Na realidade, é devido à nossa cultura reforçar estereótipos prejudiciais que prejudicam a todos no final.

3. OS HOMENS SÃO INCENTIVADOS A OBJETIVAR MULHERES AO ACREDITAR QUE ELAS SÃO SUA PROPRIEDADE

Para ilustrar ainda mais os efeitos prejudiciais onde os homens disputam as mulheres (como discutido no item um), as mulheres são literalmente percebidas como bens. 

Que podem ser conquistados, e essa mentalidade pode causar danos significativos.

Se você vê as pessoas como “propriedade”, há um sentimento subconsciente de que você pode fazer o que quiser com elas, porque não as considera seres humanos totalmente formados. 

A mesma teoria se aplica às mulheres quando elas são vistas como propriedade.

Quando elas não estão “agindo de acordo”, infelizmente, podem se tornar mais suscetíveis a abusos de seus parceiros – e culpar as vítimas de outros. 

Há protestos que duvidam das mulheres quando são abusadas.

Isso porque muitas pessoas têm um ressentimento subjacente de que as mulheres mereciam o que aconteceu com elas porque não estavam agindo da maneira que deveriam. 

Sempre que surge uma notícia sobre o abuso de um homem contra uma mulher, muitas pessoas se referem sobre ela como se fosse um objeto que desobedeceu às ordens. 

Especialmente se ela se atreve a se pronunciar contra injustiças ou se defender.

Rapidamente, a conversa se transforma no dano que ela está causando à reputação do homem, porque ela tem a audácia de agir como um ser humano.   

ABUSO E MAUS-TRATOS COMO RESULTADO

Como resultado, a conversa sobre abuso geralmente gira em torno dos homens e a raiva e/ou vergonha que sentem sobre como seus parceiros agiram. 

Enquanto os horríveis maus-tratos às mulheres são descartados como preocupação secundária ou ignorados completamente.

Isso cria uma falta de empatia pelas mulheres, porque elas foram reduzidas a plotar dispositivos, objetos e extensões de outra pessoa.

Esse tipo de mentalidade precisa mudar.

Quando as mulheres são atacadas, as pessoas precisam lembrar que estes são seres humanos que estão sendo atacados.

Esse deve ser um comportamento universalmente inaceitável.

São pessoas reais com sentimentos reais, não apenas produtos que precisam agir de uma certa maneira.

Desde muito cedo, aprendemos estereótipos e papéis a serem preenchidos para manter o controle e a ordem na sociedade.

Ao fazer isso, continuamos ciclos que causam danos há décadas.

Precisamos ser melhores em educar as pessoas desde tenra idade sobre os perigos de perpetuar os papéis de gênero.

Precisamos identificar todas as maneiras sutis pelas quais a sociedade empurra essas ideias adiante.

Vale a pena repetir, embora deva ser óbvio, que as mulheres são pessoas reais e não existem apenas para o gozo de outras pessoas.

Essas percepções prejudiciais das mulheres precisam mudar.

Você já passou ou cometeu uma dessas situações? Ou já viu alguém fazer isso? Comente. 

Deixe o seu comentário!

comentários

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *