Como os problemas de personalidade materna afetam as crianças

Artigos

Como os problemas de personalidade materna afetam as crianças

Andrea W
Escrito por Andrea W em junho 12, 2020
Como os problemas de personalidade materna afetam as crianças
Junte-se a mais de 127.133 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

 

Que pai ou mãe não se pergunta como seus “problemas” podem afetar o bem-estar de seus filhos?

É uma fonte de ansiedade, incerteza e preocupação.

A compreensão dos fatores de risco para doenças mentais é importante, porque alguns deles podem ser modificáveis, permitindo a prevenção de problemas futuros se forem identificados com antecedência.

Existe um corpo considerável de pesquisas sobre o assunto de como as questões maternas se associam aos problemas de saúde mental dos filhos.

Notavelmente, há uma identificação de maior risco com mães mais jovens, mães com menos escolaridade e mães com doença mental.

Novas pesquisas destacam como as questões psicológicas se prolongam por gerações. Vamos conhecer?

TRAÇOS DOS PAIS SÃO IMPORTANTES NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL

Os autores de um  novo estudo, observaram que entre os fatores de risco, os traços de personalidade dos pais não foram bem estudados.

A personalidade é um fator importante na educação dos filhos e seria de esperar um impacto potencialmente forte no desenvolvimento infantil. 

Revendo a literatura anterior, os autores relatam que estudos transversais anteriores descobriram que o neuroticismo materno está correlacionado com baixa competência e satisfação materna e, além disso, com problemas comportamentais em crianças.

Outros estudos que eles revisaram, foram os papéis dos traços de personalidade relacionados a uma parentalidade emocionalmente mais distante: suspeita, raiva e impulsividade. 

Essas características são de alguns transtornos de personalidade, notadamente o Transtorno da Personalidade Borderline (DBP), que é marcado por relacionamentos instáveis, desregulação emocional, suspeita, busca de novidades, comportamentos autodestrutivos e distúrbios de identidade.

Eles observam que os filhos de mães com DBP apresentam dificuldades com apego, retraimento social e desregulação emocional mais cedo na vida e, posteriormente, no desenvolvimento tendem a ter dificuldades contínuas com comportamentos sociais e distorções na maneira como percebem os relacionamentos interpessoais. 

Essas características podem estar relacionadas à tendência de mães com DBP serem menos sensíveis, mais intrusivas, mais hostis e mais protetoras.

ASSOCIAÇÃO MATERNA A DEPRESSÃO E SUICÍDIO

Vale ressaltar como um aspecto relevante que, embora os autores do estudo não abordem essa questão em detalhes, a DBP é vista por muitos como relacionada a trauma no desenvolvimento – e alguns acreditam que é pelo menos parcialmente uma forma de transtorno de estresse pós-traumático complexo ( cPTSD), embora essa questão ainda esteja sendo debatida e pareça haver fatores genéticos que contribuem para o desenvolvimento da DBP.

Ao analisar diferentes sintomas da DBP para determinar quanto é herdável e quanto ambiental, Reichborn-Kjennerud descobriram que a DBP se dividiu estatisticamente em três domínios: 

  • um fator geral de suscetibilidade à DBP, 55% herdável e 45% ambiental; 
  • um fator interpessoal (relacionamentos instáveis, medos de abandono), 2,2% herdáveis ​​e 97,8% ambientais; 
  • e um fator de instabilidade emocional (sentimentos de vazio, raiva intensa), 29,3% herdável e 70,7% ambiental.

Portanto, existem fatores de herdabilidade significativos.

Porém, muito do modo como as mães com DBP tratam seus filhos está relacionado a suas próprias experiências de desenvolvimento, sugerindo fortemente um componente da transmissão de trauma por transgeneração. 

Passando experiências negativas de desenvolvimento para os filhos por meio de aprendizado social – e talvez também por fatores epigenéticos, que os pesquisadores estão descobrindo.

Cada vez mais importante na maneira como o trauma é passado de uma geração para a seguinte.

IMPORTÂNCIA DA PERSONALIDADE MATERNA

Há consenso de que a personalidade materna é provavelmente um fator importante, mas há poucos estudos prospectivos, se é que existem, investigando a questão sobre a personalidade dos pais e o impacto na saúde mental de seus filhos.

De um modo geral, os estudos longitudinais prospectivos oferecem melhores resultados estatísticos do que os estudos transversais, porque examinam as pessoas por longos períodos de tempo.

Verificam hipóteses em um cenário naturalista, em vez de examinar um conjunto de dados durante um período de tempo mais curto.

Isso permite que os pesquisadores tirem conclusões mais confiáveis ​​e robustas sobre causalidade, em vez de simplesmente serem capazes de identificar associações.

Os autores do estudo se propuseram a investigar o papel da personalidade dos pais usando dados do conjunto de dados do Estudo Longitudinal de Pais e Filhos da Avon (ALSPAC).

Eles testaram as seguintes hipóteses:

  • No nível da população em geral, os traços disfuncionais de personalidade materna aos 9 anos de idade estarão associados a um risco aumentado de problemas de saúde mental dos filhos aos 18 anos;
  •  Maior risco está associado à presença de um maior número de traços de personalidade materna disfuncionais;

Quaisquer associações serão independentes da depressão materna.

Da amostra de mais de 14.000 mães grávidas e suas famílias, eles tinham dados completos sobre mais de 8.000 mães e filhos e quase 2.000 pais e filhos.

Eles analisaram a personalidade dos pais avaliada quando os filhos tinham 9 anos e as características dos filhos 9 anos depois, aos 18 anos.

TRAÇOS DA PERSONALIDADE RELACIONADOS

Para os pais, eles mediram traços de personalidade disfuncionais usando o inventário Karolinska Scales of Personality, que analisa esses traços de personalidade relacionados à:

  • Ansiedade somática;
  • Ansiedade psíquica;
  • Tensão muscular;
  • Psiquestenia;
  • Inibição de agressão;
  • Irritabilidade;
  • Culpa socialização;
  • Conveniência social;
  • Monotonia;
  • Evasão;
  • Impulsividade;
  • Agressão verbal;
  • Agressão indireta;
  • Suspeita e desapego – muitos dos quais se sobrepõem ao neuroticismo e traços depressivos. 

Eles analisaram cinco características distintas das neuróticas e depressivas – busca de novidade (evitação da monotonia), impulsividade, raiva verbal, suspeita e desapego – que estão mais ligadas à dificuldade de relacionamento e desregulação emocional, a fim de distinguir neuroticismo, depressão e outras personalidades. 

TRAÇOS DE DISFUNÇÕES MATERNAS 

Os jovens de 18 anos completaram o Programa de Entrevistas Clínicas  que abrangeu vários domínios de sintomas e usou um programa de computador para determinar quais distúrbios psiquiátricos estavam presentes, se havia.

De interesse particular foram os transtornos depressivos, de ansiedade e os comportamentos de auto-agressão.

Suas descobertas são interessantes.

Enquanto, em geral, os traços de personalidade materna disfuncionais estavam associados a um risco aumentado de doença mental das crianças, a maioria dos traços estava inter-relacionada e não era significativa independentemente. 

A suspeita materna teve um efeito independente, aumentando as chances de todos os resultados, e a impulsividade materna aumentou especificamente a probabilidade de depressão.

Análises adicionais reforçaram a descoberta de que, no total, a disfunção da personalidade materna está correlacionada com problemas de saúde mental em crianças. 

Isso aumenta a probabilidade de depressão, distúrbios de ansiedade e auto-mutilação, independentemente do neuroticismo materno.

Quanto maior a extensão da disfunção da personalidade materna, maior o risco de resultados negativos para as crianças.

IMPULSIVIDADE E DEPRESSÃO

Mais pesquisas são necessárias para entender como os traços de personalidade materna levam a resultados adversos para as crianças. 

Sugerindo que a impulsividade materna, independente dos fatores genéticos de risco para a depressão, tem um efeito negativo nas crianças. 

Em geral, embora a personalidade possa ser difícil de modificar e muitos traços disfuncionais sejam estáveis ​​ao longo do tempo, a pesquisa sugere que pode ser possível prevenir ou mitigar resultados negativos na prole modificando o comportamento materno.

Voltando ao assunto do impacto do trauma na personalidade e transmissão intergeracional do trauma, o exemplo do Ububulevem à mente. 

O Ububule é uma organização iniciada em 2000 na África do Sul, com base na teoria do apego, para fornecer treinamento prático de pais para pares predominantemente mãe-filho para evitar a transmissão de trauma de uma geração para a seguinte.

Usando uma equipe treinada para promover comportamentos maternos mais adaptativos, Ububele trabalha para permitir que as famílias criem filhos a ter um estilo de apego mais seguro, levando a melhores resultados. 

Da mesma forma, o Programa de Psicoterapia para Pais e Crianças da Columbia-Presbyterian trabalha com as famílias para realizar mudanças positivas. 

Ele intervém desde o início para ensinar as mães (normalmente) a interpretar com mais precisão os comportamentos infantis (por exemplo, respondendo com reconhecimento e empatia em vez de suspeita e hostilidade) e respondendo de maneiras que promovam um melhor desenvolvimento de resultados.

E OS PAIS?

De maneira interessante e surpreendente, descobriram que os traços de personalidade disfuncional paterna não tiveram impacto significativo na saúde mental de seus filhos aos 18 anos.

Por um lado, isso parece uma boa notícia, pois pode deixar os pais mais à vontade, pelo menos em termos do impacto da personalidade sobre os filhos. 

Por outro lado, levanta muitas questões sobre o impacto que o pai tem sobre o desenvolvimento infantil.

E se os pais podem ser capazes de mitigar o efeito da personalidade materna negativa em seus filhos.

Também pode ser que a personalidade do pai entre em jogo com a seleção de parceiros.

Mais pesquisas são necessárias para entender as interações mais complicadas entre pai, mãe e filho que não foram abordadas no presente estudo.

Pode ser que quem passa mais tempo com as crianças tenha o maior impacto.

Quem é o cuidador principal, independentemente de ser o pai, a mãe ou outra pessoa, tem um impacto maior no desenvolvimento.

À medida que as estruturas familiares mudam e evoluem, sem dúvida pesquisas futuras revelarão descobertas mais sutis e generalizáveis.

Para os pais que estão lendo isso e para as pessoas relacionadas que se sentem preocupadas – em vez de culpar ou se preocupar, considere trabalhar em direção a mudanças positivas.

É possível melhorar muitos desses problemas e procurar consultoria profissional, se apropriado.

Quer saber mais sobre esses tópicos? Sugira!!

Deixe o seu comentário!

comentários

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *