Por que evitamos a intimidade quando ansiamos pelo amor?

Artigos

Por que evitamos a intimidade quando ansiamos pelo amor?

Andrea W
Escrito por Andrea W em agosto 12, 2020
Junte-se a mais de 127.133 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

 

 

Quase todo mundo quer ter um relacionamento amoroso, intimidade; conexões sociais são o ingrediente número um para a felicidade.

A  solidão é uma assassina e o COVID-19 não está ajudando em nada.

No entanto, o COVID também é outro culpado que podemos apontar quando o problema mais fundamental está profundamente dentro de nós.

Vemos isso em nosso antigo eu mais jovem: enquanto ansiávamos por amor e intimidade, continuamos a escolher parceiros que não estavam prontos ou dispostos a formar esse vínculo, o que inevitavelmente parte o coração.

Eventualmente, alguém me fez a pergunta central: “É possível que você mesmo não esteja pronta para um relacionamento íntimo?”

Depois de pensar muito sobre essa possibilidade, concluímos que estávamos realmente evitando um vínculo estreito com a escolha de parceiros indisponíveis. 

Como tínhamos sido gentil e amorosa conosco mesma, era difícil ver o papel que desempenhamos.

Depois dessa percepção, demandamos um pouco de esforço e tempo para desenterrar os motivos da evasão e ainda mais para anular um padrão inconsciente.

A especialista alemã em apegos Stefanie Stahl explica em seu livro que existem três protótipos principais de pessoas que têm medo da intimidade: o  caçador, a  princesa e o  muro de pedra.

Vamos conhecer, neste post, as definições de cada um. Veja se você se identifica.

PROTÓTIPOS DE QUEM TEM MEDO DE INTIMIDADE

Conhecer os protótipos que definem as pessoas que tem medo de intimidade e investigados é importante para encontrar os caminhos a seguir e tentar mudar a forma como encaramos o amor.

Vamos a eles:

CAÇADORES E CAÇADORAS

Esse protótipo estaria interessado, contanto que não pudessem ter um parceiro em potencial.

No momento em que eles “têm” o parceiro, os caçadores se tornam inatingíveis.

De qualquer forma, o caçador ou caçadora mantém uma distância segura da ameaça do amor.

PRINCESAS E PRÍNCIPES

Esse modelo seria aquela que constantemente encontra defeitos no outro e, eventualmente, apenas têm que romper seu relacionamento.

Os muros de pedra regulariam a intimidade e a distância com excesso de trabalho ou tendo um hobby que consome muito tempo.

Stahl aponta que existem inúmeras outras maneiras de escapar da intimidade, como infidelidade, relacionamentos de longa distância (e acrescentamos relacionamentos na Internet), boicote de comunicação e, claro, escolhendo um parceiro indisponível – o passivo, difícil de identificar sua maneira.

EVITAR POR MEDO DE ABANDONO

Muitos psicólogos concordam que evitar a intimidade deriva de um medo inconsciente de abandono.

De alguma forma, aquele que evita teve experiências tão avassaladoras que sente um perigo imenso com a possibilidade de acontecer novamente. 

Normalmente, os evitadores anseiam pelo amor assim como todo mundo, mas apenas para tornar esse amor ativa ou passivamente impossível.As experiências avassaladoras estabelecem um padrão instintivo para o comportamento futuro.

Alguns psicólogos acreditam que os problemas de apego sempre resultam de uma falha em estabelecer um vínculo seguro com um cuidador principal durante a infância: uma confiança primária foi traída.

É compreensível que essas experiências iniciais deixem uma marca inconsciente na mente.

Outros psicólogos acreditam que uma pessoa pode ter experiências avassaladoras a qualquer momento durante o processo de maturação.

Por exemplo, se um adolescente se sente usado por um pai carente de alguma forma, ele ou ela pode associar a sensação de estar sendo explorado ou sufocado com sentimentos de intimidade.

Embora todos precisem de amor, se não nos sentirmos seguros e sólidos em nossa pele, nossa necessidade de autonomia pode dominar nossas mentes.

No momento em que nos aproximamos do sentimento de amor, o pânico ou a irritabilidade podem ser desencadeados e arruinar os relacionamentos mais promissores.

PROBLEMAS DE INTIMIDADE PODEM SER TRABALHADOS JUNTOS

Todos os relacionamentos estão condenados quando um dos parceiros tem problemas de intimidade?

Muitos especialistas acreditam que os casais podem trabalhar juntos para neutralizar o medo inconsciente de abandono ou enredamento. Tudo começa com:

1. ASSUMA A RESPONSABILIDADE 

Quer empurremos ativamente um parceiro íntimo ou aceitemos passivamente alguém que nos afasta, precisamos reconhecer que o problema reside em nós.

Precisamos possuir nosso padrão.

(Espero que nem seja preciso dizer que assumir a responsabilidade nunca significa assumir a culpa pelo abuso.)

Alguns de nós precisam compreender nosso padrão com o apoio de um terapeuta.

 

2.SUBSTITUA VELHOS PADRÕES  

Considere o fato de que você pode substituir velhos padrões de apego e medo por novos padrões de amor e coragem.

Todos nós podemos aprender a amar.

Nunca é tarde para o amor, pois nossos cérebros humanos são projetados para estarmos juntos.

3.DAR ESPAÇO 

É mais útil se o parceiro da pessoa que evita for calmo e capaz de ter intimidade, mas diminuir suas expectativas por enquanto.

É fundamental dar espaço para a necessidade de autonomia e / ou segurança. 

O evitador deve aprender a tolerar seu desconforto, o que só é possível quando é aceitável separar-se. Acordos precisam ser firmados.

Mais uma vez, o casal pode precisar de apoio extra para negociar a rede de segurança do evitador.

4. ACOSTUME-SE COM A INTIMIDADE

O especialista em apegos Karl Heinz Brisch defende a introspecção incansável e a troca mútua de feedback entre os parceiros.

De acordo com Brisch, aquele que evita com medo deve experimentar conscientemente e com frequência suficiente para que ele ou ela não seja abandonado em um relacionamento amoroso. 

Eventualmente, a exposição extinguiria o antigo medo. Pode ser mais correto dizer que podemos aprender a tolerar nosso medo ou desconforto em vez de fugir.

Alguns de nós talvez nunca percam completamente o medo da intimidade, mas se tornem mais fortes e determinados a ficar.

5. ACALME-SE

Aprenda a se acalmar com exercícios de atenção plena e relaxamento.

Para tolerar o desconforto da intimidade ou mesmo apenas o pensamento de compromisso, podemos sentar com o desconforto e aprender a observá-lo. Aprenda a apenas sentar (ou andar ou lavar a louça) e respirar com calma.

Depois de estabelecer uma prática calmante diária, você pode encontrar uma maneira de acessar sua mente calma quando começar a se sentir irritado, crítico ou a sentir o desejo de escapar do relacionamento.

Não há panacéia para problemas de apego; nem todos podem ser curados.

No entanto, a maioria de nós pode “enfrentar e aceitar” nossos medos, aprender a tolerar e, eventualmente, desfrutar do amor. 

Lembre-se de que você não pode mudar o outro: cada um deve assumir a responsabilidade por si mesmo e se comprometer a crescer e cultivar o amor.

Escolha sabiamente.

Deixe o seu comentário!

comentários

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *