Desenvolvimento Pessoal

Quando acontece o abuso emocional?

Andrea W
Escrito por Andrea W em setembro 7, 2019
Quando acontece o abuso emocional?
Junte-se a mais de 127.133 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

 Quando acontece o abuso emocional?

Abuso Emocional
Abuso Emocional

 

 

 

 

 

 

 

Abuso Emocional, que desafio! Diferenciar o que é emocionalmente abusivo e o que não é nem sempre é fácil.  Ouvimos constantemente as pessoas falarem sobre abuso emocional, e classificando todo e qualquer sentimento de abusivo. Então, para não torná-lo referência  para cada evento emocional negativo, vamos esclarecer o que é e o que não é abuso emocional. 

Primeiro, vamos falar sobre o que o abuso emocional não é.

Não é emocionalmente abusivo romper com um parceiro.

Não é emocionalmente abusivo discutir com seu parceiro.

Não é emocionalmente abusivo quando alguém reage ao que você fez com mágoa. As pessoas reagem com suas próprias percepções, então suas reações não definem seu comportamento.

Também não é abuso emocional falar com honestidade e de forma contundente.

Talvez a declaração não tenha tido um tato, mas não é emocionalmente abusiva.

Novamente, só porque alguém reage ao que foi dito com mágoa não significa que alguém tenha sido abusado emocionalmente.

Neste artigo vamos apontar os comportamentos abusivos e como eles acontecem e  como você pode detectá-lo. 

Quando é abuso emocional ao gritar com outra pessoa?

Não é emocionalmente abusivo gritar com o seu parceiro – esta é uma prática muitas vezes confundida.

Todo mundo grita em algum momento. Todos.

É preocupante alguém que nunca se deixa gritar do que alguém que às vezes eleva sua voz para expressar suas emoções.

Então, algo que todo mundo faz não pode ser considerado emocionalmente abusivo. Agora, gritar com alguém histericamente em um ataque verbal emocional é considerado um abuso emocional.

Gritar como a primeira e única resposta também pode ser chamado de emocionalmente abusivo.

Mas quando marido e mulher, ou pai e criança, ocasionalmente gritar um com o outro, isso é apenas uma expressão normal de emoção.

Uma vez que a emoção tenha sido expressa, provavelmente seria uma boa ideia sentar e conversar para encontrar uma solução para o problema.      

O abuso emocional é uma tentativa de controlar outra pessoa, da mesma forma que o abuso físico.

A única diferença é que o agressor emocional não usa golpes físicos, chutes, beliscões, agarramentos, empurrões ou outras formas físicas de dano.

Em vez disso, usa a emoção como arma. 

Abusador pode não saber de seu comportamento

Geralmente, o abusador não sabe que está sendo abusivo.

Em vez disso, pode estar ciente de que se sente inseguro se sua parceira a ama ou não, então se sente compelido a acusá-lo de trapacear, culpá-lo por sua infelicidade ou constantemente checar sua voz e mensagens de texto, e outros costumes.

A culpa e a verificação constante são formas de abuso emocional. 

Ele pode pensar que sabe o que é melhor para seu parceiro ou o que parece correto para o mundo exterior, então constantemente tenta controlar cada movimento, criticando duramente quando não faz do jeito dele ou ameaçando quando parece fora da linha. pode atacar verbalmente quando há argumentação convincente e  não está no seu controle.

Critica seu andar, seu modo de vestir, de interagir com os outros, seu estilo de vida, a fim de ganhar e manter o controle. 

Por exemplo: Maria constantemente critica Paulo na esperança de que, colocando-o para baixo, ela será capaz de controlar seu comportamento. Ela o deprecia quando estão sozinhos e o coloca na frente dos outros.

Quando tenta falar por si mesmo ela tenta fazê-lo se sentir como se fosse louco, como se todo mundo soubesse que ninguém nunca iria levá-lo a sério.

O culpa por sua infelicidade com frequência, responsabilizando-o pelo que sente.

Toma pouco ou nenhuma responsabilidade por suas próprias escolhas e comportamento.

Usa um duplo padrão quando se trata de seu próprio comportamento, não se responsabilizando quando faz as mesmas coisas pelas quais o critica. O chama de estúpido, inepto, idiota e outros nomes semelhantes com frequência.

Quando ele fala com seus parentes ou amigos, ela revira os olhos na tentativa de manipulá-los para desrespeitá-lo.

Frequentemente o trata com desdém e até nojo. Ameaça deixá-lo ou parar de falar com ele com frequência. Se recusa a mostrar-lhe afeto, dando afeto apenas quando ele faz exatamente o que ela quer. Às vezes passa dias ou até semanas sem falar.

Maria também vai para outros membros da família e amigos de João, isolando-o daqueles que seriam solidários e poderiam deixá-lo saber que está sendo abusado. Maria está mostrando um padrão distinto de abuso emocional nos seguintes níveis:

  1. Crítica constante ou tentativas de manipulação e controle
  2. Envergonhar e culpar com sarcasmo hostil ou agressão verbal direta
  3. Uso de humilhação e depreciação na linguagem
  4. Abuso verbal – xingamento 
  5. Retenção de afeição como punição
  6. Punição e ameaças de punição
  7. Recusa em aceitar a sua parte na dinâmica
  8. Jogos mentais, quando se trata de aceitar a responsabilidade pessoal por sua própria felicidade
  9. Recusa em se comunicar
  10. Isolamento de amigos solidários e familiares

O ciclo de abuso emocional segue o mesmo padrão do abuso físico – uma vez que a vítima de abuso emocional descobre o que está acontecendo e começa a pensar em sair ou chamar seriamente o agressor para suas ações, ele de repente se torna muito solidário e romântico, numa tentativa para conquistá-la novamente.

Ele comprará flores, cozinhará, cuidará das crianças, fará qualquer outra coisa para convencê-la a  acreditar que o que ela acha que viu, seja verdade, e na real é falso.

Não, ele é um bom marido ou parceiro, e não há absolutamente nenhuma razão para pensar em ir embora.

Mas assim que volta e começa a confiar o abuso volta, e recomeça os mesmos velhos padrões abusivos. 

Padrão doloroso

O abuso emocional é um padrão doloroso e grave, no qual o principal esforço é controlar alguém brincando com suas emoções. Portanto, temos que ter o cuidado para não simplificarmos as implicações do abuso emocional ao rotular erroneamente questões interacionais menores como abuso emocional. O que achou do conteúdo? Comente!

Inscreva-se em nosso Canal no Youtube

Gostou do nosso artigo? Então se inscreva em nosso canal no Youtube e receba conteúdos quentíssimos em primeira mão no seu smartphone

 

 

Deixe o seu comentário!

comentários

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Junte-se a mais de 127.133 pessoas