O que pais preocupados podem fazer quando as escolas reabrirem

Artigos

O que pais preocupados podem fazer quando as escolas reabrirem

Andrea W
Escrito por Andrea W em agosto 21, 2020
O que pais preocupados podem fazer quando as escolas reabrirem
Junte-se a mais de 127.133 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

 

Nosso sistema educacional está enfrentando uma incerteza sem precedentes sobre como seguir em frente neste ano letivo.

A orientação sobre a reabertura de escolas varia muito entre os estados e cidades. 

Com algumas localidades anunciando que se tornarão totalmente virtuais, e outros ordenando que as aulas sejam presenciais, 5 dias por semana.

Muitas cidades ainda não anunciaram planos concretos e podem adotar modelos híbridos. 

Para aumentar a pressão, há orientações defendendo fortemente a abertura de escolas presenciais após sua orientação inicial ter sido criticada.

Enquanto isso, há comunicados de que escolas em pontos críticos devem atrasar a abertura. 

Sem um caminho claro e seguro para a frente, os pais estão, compreensivelmente, sentindo muita ansiedade em relação ao próximo ano letivo.

Tomar uma iniciativa nessa hora é complicado, por isso iremos trazer alguns métodos que podem ajudar pais e mães durante esse delicado momento de pandemia.

 

MEDIDAS PREVENTIVAS PARA REABERTURA DE ESCOLAS 

Muitos são extremamente hesitantes sobre mandar seus filhos de volta para a escola, citando temores em torno da transmissibilidade e manifestações do vírus em crianças.

Principalmente após novas pesquisas sugerirem que as crianças podem carregar o vírus em níveis elevados. 

Outros temem que o fechamento prolongado de escolas e a aprendizagem virtual possam prejudicar o crescimento social, emocional e acadêmico de seus filhos, como associações pediátricas avisaram.

Onde quer que estejam, todos os pais estão exaustos do dever triplo de trabalhar, cuidar dos filhos e ensinar seus filhos por quase meio ano.

Alguns pais têm tomado medidas preventivas.

Alguns nas últimas semanas, levaram o ensino para casa, onde pais com mais recursos convidam professores qualificados ou outras famílias para entrar em seus círculos de quarentena para compartilhar a responsabilidade de ensinar as crianças.

Se isso se tornar um fenômeno generalizado, (junto com outros fatores como acesso à Internet e dados demográficos de trabalhadores essenciais) pode continuar a aumentar as imensas desigualdades preexistentes na educação.

TENSÕES ENTRE PROFESSORES, PREFEITOS E PAIS

Também há uma tensão crescente entre professores, prefeitos e pais, que muitas vezes ficam frustrados com a falta de orientação e comunicação.

Mas isso é, em última análise, uma apreensão compartilhada ao tentar avaliar o que fazer quando as escolas devem começar em apenas algumas semanas.

Por mais difícil que seja o próximo ano, ele também apresenta uma oportunidade de construir conexões.

Portanto, não importa como as escolas voltem, há coisas que as famílias podem fazer para preparar seus filhos para os cenários que estão por vir e para diminuir os danos à sua curiosidade e capacidade de prosperar.

1. OS RELACIONAMENTOS VEM EM PRIMEIRO LUGAR

Para que os alunos tenham uma experiência de aprendizado online envolvente, pessoalmente ou alguma combinação de ambos, pais e professores devem se unir para formar relacionamentos positivos nos próximos meses. 

Os pais devem defender as necessidades de seus filhos e fornecer informações sempre que possível por meio de organizações, fóruns ou outros meios.

Não é hora de ficar passivo. Se você tiver tempo, entre em contato com a escola, ofereça-se para aconselhar o diretor, crie um conselho de pais ou peça para ser nomeado.

Seu relacionamento com o professor de seu filho será fundamental no próximo ano letivo.

Organize check-ins regulares e pergunte como você pode apoiar o sucesso do ensino com seu filho. 

Lembre-se de mencionar como seu filho se adaptou durante o bloqueio e o que ele precisa para se desenvolver.

Peça-lhes que compartilhem suas observações e tente não ficar na defensiva. 

Juntos, vocês podem desenvolver um plano de ação individualizado que pode ser compartilhado com seu filho.

É um alívio para um jovem saber que os adultos se importam o suficiente para desenvolver um plano.

E, por fim, lembre-se de que os professores de seu filho estão comprometidos durante esse período.

Eles também estão sofrendo dificuldades, têm suas famílias com que se preocupar e, no entanto, também sobreviverão no trabalho. 

Lembra-se dos aplausos diários que os profissionais de saúde receberam nas cidade?

Em breve, precisaremos fazer o mesmo com os professores quando eles se destacarem durante uma crise nacional.

2. PRESTE ATENÇÃO ÀS NECESSIDADES DE SAÚDE MENTAL DO SEU FILHO

Uma pesquisa recente descobriu que 3 em cada 10 alunos do ensino fundamental e médio estão apresentando declínios em sua saúde emocional e mental.

Isso também é verdade para adultos – 45% dos entrevistados afirmou que sua saúde mental havia sofrido durante este tempo.

Como não poderia, em tempos incertos de medo – e tristeza – como estes?

Embora os jovens possuam incríveis poderes de resiliência, é importante estar atento a sinais de ansiedade, solidão e problemas de comportamento.

Tenha isso em mente, pois eles navegam as normas e estruturas da vida escolar, virtualmente ou não.

Mas quando um pai deve ficar preocupado com a saúde mental de seu filho?

Na verdade, pode ser difícil diferenciar entre tristeza e depressão, frustração e agressão ou problemas de concentração e DDA. 

No entanto, crianças e adolescentes costumam compartilhar seus sentimentos mais prontamente do que os adultos.

Uma maneira de fazer a distinção é usando seus próprios instintos.  

Algumas perguntas que você deve se fazer são: 

  • Você sente que algo mudou? 
  • O comportamento de seu filho parece diferente para você? 
  • O humor ou o comportamento de seu filho mudou por um período prolongado? 
  • As coisas externas podem tirá-los do clima sombrio ou frustrado? 
  • Eles estão mostrando sinais de angústia ou raiva de forma consistente? 
  • Seu filho sorri, aninha-se, espera as coisas ou recuou e ficou em silêncio?  

Para receber apoio, você pode pedir o conselho de médicos ou conselheiros – isso o fará se sentir menos sozinho.

Para preocupações mais sérias, fale com o pediatra do seu filho ou com a clínica de saúde mental o mais rápido possível e não deixe as coisas demorarem.

Não permita que a vergonha ou o estigma o impeçam – todos nós estamos lutando para buscar ajuda e uma força, não uma fraqueza.

Envolva-se com a equipe de apoio ao aluno da escola, a pessoa responsável pelo aconselhamento ou os professores se seu filho precisar de ajuda.

Uma criança que está sofrendo terá dificuldade em se concentrar nos trabalhos da escola.

CUIDADOS COM A SAÚDE MENTAL DE SEU FILHO

É importante não esquecer que problemas significativos de saúde mental evoluem com o tempo, e a melhor maneira de prevenir é garantir que as escolas vão apoiar seu filho não apenas academicamente, mas uma criança inteira, social e emocionalmente. 

Como pai, pergunte à escola como o bem-estar das crianças é priorizado durante este período difícil. 

Comunique-se com outros pais para que você possa descobrir como você pode apoiar a escola para que ela se torne um lugar de alegria e aprendizagem onde seu filho ou adolescente pertence e se sente bem-vindo.

As necessidades relacionais e de saúde mental são agora verdadeiramente essenciais para as crianças e famílias – não apenas a escolha de líderes escolares e professores – especialmente em um momento em que devemos criar comunidades resilientes, escolas e programas após a escola onde todos podemos curar e ajudar aqueles que têm verdadeiramente se sentido traumatizados.

Não queremos apenas nos recuperar.

Pais, filhos e educadores têm potencial para avançar se alinharmos a psicologia com a segurança física de todos os envolvidos.

Sobreviver é enorme, mas prosperar também.

 

Deixe o seu comentário!

comentários

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *