Somatização: quando a dor psicológica se torna física

Artigos

Somatização: quando a dor psicológica se torna física

Andrea W
Escrito por Andrea W em outubro 27, 2020
Somatização: quando a dor psicológica se torna física
Junte-se a mais de 127.133 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Somatização é a transformação ou conversão de sentimentos desconfortáveis ​​em sintomas físicos.

Em seu aspecto mais dramático, isso pode envolver a perda da função motora em um determinado grupo de músculos. 

O paciente pode, por exemplo, apresentar paralisia de um membro ou mesmo paralisia de todo um lado do corpo (hemiplegia).

Em alguns casos, a somatização pode se apresentar como perda sensorial, principalmente se a perda sensorial for independente de uma perda motora ou envolver um dos sentidos especiais, mas frequentemente o sentido da visão. 

Em outros casos, a dor psíquica é convertida em um padrão aberrante de atividade motora, como um tique ou convulsão. Vamos saber como isso ocorre.

DOR PSICOLÓGICA E A SOMATIZAÇÃO

As convulsões psicogênicas (convulsões de origem psicológica) às vezes são chamadas de “pseudoconvulsões” para distingui-las das convulsões de base física, como epilepsia, lesão cerebral ou tumor cerebral. 

As crises psicogênicas podem ser muito semelhantes às crises orgânicas.

Uma forma de diferenciá-los é colher uma amostra de sangue 10-20 minutos após o evento e avaliar o nível do hormônio prolactina, que aumenta após uma convulsão orgânica, mas não uma pseudoconvulsão. 

Outra forma, mais confiável, mas também mais invasiva, é a telemetria de vídeo, que envolve o monitoramento do paciente durante vários dias com uma câmera de vídeo e um eletroencefalograma que registra a atividade elétrica no crânio.

A INCONSCIÊNCIA DA SOMATIZAÇÃO

Se os sintomas somatizados são psicogênicos, eles são menos “reais”?

A somatização é, obviamente, um processo inconsciente.

As pessoas geralmente não estão cientes das origens psicológicas de sua deficiência.

Em alguns casos, podem até demonstrar uma notável falta de preocupação com sua deficiência, fenômeno conhecido no jargão psiquiátrico como la belle indifférence.

Por tudo isso, a deficiência não é imaginada ou fingida: o membro realmente não pode se mover, os olhos realmente não podem ver.

Termos como “pseudoconvulsões” e as ainda mais antiquadas e pejorativas “crises histéricas” devem ser substituídas por termos menos julgadores, como “ataques psicogênicos”.

A somatização, especialmente após um evento traumático, pode ser muito repentina e assustadora.

Mas também pode ser muito sutil. Por exemplo, você pode ter uma dor de cabeça sempre que insiste em algo que vai contra sua natureza ou desejos – do tipo um projeto de consultoria, que envolve ganhar dinheiro.

Com o tempo, é preciso aprender a ouvir essas dores de cabeça, que agem como um sinal de você mesmo para você mesmo.

Da mesma forma, é muito comum que as pessoas com motivos para depressão se apresentem não com queixas psicológicas, como tristeza, culpa ou desespero, mas com queixas físicas, como fadiga, dor de cabeça ou dor no peito.

Isso é especialmente verdadeiro em sociedades tradicionais, e muitas comunidades linguísticas, por exemplo, na Índia, Coréia e Nigéria, nem mesmo têm uma palavra para “depressão”, que é um conceito moderno e ocidental.

DIFERENÇA ENTRE DISTÚRBIO FICTÍCIO OU FINGIMENTO

Como no livro chamado The Meaning of Madness, a tendência de concretizar a dor psíquica está profundamente enraizada em nossa natureza humana e não deve ser confundida ou mal compreendida como um distúrbio factício ou de fingimento.

Um transtorno factício é definido por sintomas físicos e psicológicos que são fabricados ou exagerados com a finalidade de desfrutar dos privilégios do “papel de doente”, em particular: a atração de atenção e simpatia, isenção de papéis sociais normais e absolvição de qualquer culpa para a doença.

Um transtorno factício com sintomas predominantemente físicos é às vezes chamado de síndrome de Münchausen, em homenagem ao Barão Münchausen, um oficial de cavalaria prussiano do século 18 e um dos maiores mentirosos da história registrada. 

Uma das muitas alegações “de arrepiar os cabelos” de Münchausen era ter se retirado de um pântano pelos próprios cabelos.

Na síndrome de Münchausen por procuração, também chamada de “doença induzida por cuidadores”, o perpetrador e a vítima são indivíduos separados, na maioria das vezes mãe e filho.

Em contraste com um transtorno factício, o propósito da simulação é desfrutar de algo diferente do papel de doente.

Esse propósito geralmente é mais concreto e calculado: por exemplo, obter licença médica, pedir indenização, fugir da justiça criminal ou obter abrigo para pernoitar.

Ao contrário do transtorno factício, o fingimento não é classificado como um transtorno mental.

Portanto, está bastante claro, que somatização tem pouco a ver com transtorno factício ou fingimento: pessoas que fisicalizam a dor psíquica podem, como todas as pessoas doentes, desfrutar dos privilégios do papel de doente ou benefícios mais concretos, mas estes não é seu propósito principal.

ESTRESSORES PODEM AGIR TAMBÉM SEM A SOMATIZAÇÃO

Os estressores psicológicos podem levar a sintomas físicos não apenas por somatização, que é um processo psíquico, mas também por processos físicos que envolvem os sistemas nervoso, endócrino e imunológico. 

Por exemplo, um estudo de Harvard descobriu que as primeiras 24 horas de luto estão associadas a um risco 21 vezes maior de ataque cardíaco.

Desde os experimentos iniciais de Robert Ader em ratos de laboratório na década de 1970, o campo da psiconeuroimunologia floresceu, revelando um grande corpo de evidências que levou ao reconhecimento dominante dos efeitos adversos dos estressores psicológicos na saúde. 

Como recuperação e envelhecimento, e, inversamente, dos efeitos benéficos ou protetores de emoções positivas, como felicidade , motivação, e um senso de propósito ou significado. 

Aqui, novamente, a ciência moderna mal alcançou a sabedoria dos Antigos, que estavam bem cientes da estreita ligação entre o bem-estar psicológico e físico.

Em Cármides de Platão, Sócrates conta ao jovem Cármides, que sofria de dores de cabeça, sobre um feitiço para dores de cabeça, que ele aprendeu com um dos médicos místicos ao rei da Trácia.

No entanto, esse grande médico alertou que é melhor curar a alma antes de curar o corpo, pois a saúde e a felicidade dependem, em última instância, do estado da alma.

 “Ele disse que a alma era tratada com certos encantos, meus queridos Cármides, e que esses encantos eram belas palavras.”

Comente!!

Deixe o seu comentário!

comentários

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *