Qual é o viés de negatividade?

Artigos

Qual é o viés de negatividade?

Andrea W
Escrito por Andrea W em outubro 27, 2020
Qual é o viés de negatividade?
Junte-se a mais de 127.133 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Você já se pegou pensando sob o viés da negatividade como em um insulto ou se fixando em seus erros? 

As críticas geralmente têm um impacto maior do que os elogios, e as más notícias frequentemente chamam mais atenção do que as boas.

A razão para isso é que os eventos negativos e a negatividade têm um impacto maior em nossos cérebros do que os positivos.

Os psicólogos se referem a isso como tendência negativa (também chamada de negatividade), e pode ter um efeito poderoso em seu comportamento, em suas decisões e até em seus relacionamentos.

Vamos conhecer esses comportamentos agora!

ONDE ESTÁ O VIÉS DE NEGATIVIDADE? 

O viés negativo é nossa tendência não apenas de registrar estímulos negativos mais prontamente, mas também de insistir nesses eventos.

Também conhecido como assimetria positivo-negativo, esse viés de negatividade significa que sentimos a dor de uma repreensão com mais força do que sentimos a alegria do elogio.

Esse fenômeno psicológico explica por que as primeiras impressões ruins podem ser tão difíceis de superar e por que traumas do passado podem ter efeitos tão prolongados.

Em quase todas as interações, é mais provável que percebamos coisas negativas e, mais tarde, nos lembremos delas com mais nitidez.

Como humanos, tendemos a:

  • Lembrar de experiências traumáticas melhor do que positivas;
  • Lembrar de insultos melhor do que elogios;
  • Reagir mais fortemente a estímulos negativos;
  • Pensar em coisas negativas com mais frequência do que em coisas positivas;
  • Responder mais fortemente aos eventos negativos do que aos igualmente positivos.

Por exemplo, você pode estar tendo um ótimo dia de trabalho quando um colega de trabalho faz um comentário improvisado que você acha irritante.

Você então se pega pensando nas palavras dele pelo resto do dia de trabalho.

Quando você chega em casa do trabalho e alguém pergunta como foi seu dia, você responde que foi terrível – embora tenha sido muito bom, apesar daquele incidente negativo.

Essa tendência para o negativo leva você a prestar muito mais atenção às coisas ruins que acontecem, fazendo com que pareçam muito mais importantes do que realmente são.

O QUE A PESQUISA REVELA

A pesquisa mostrou que, em uma ampla gama de eventos psicológicos, as pessoas tendem a se concentrar mais no negativo enquanto tentam entender o mundo.

Nós tendemos a …

  • Prestar mais atenção aos eventos negativos do que aos positivos;
  • Aprenda mais com experiências e resultados negativos;
  • Tome decisões com base em informações negativas mais do que em dados positivos.

São as “coisas ruins” que prendem nossa atenção, grudam em nossas memórias e, em muitos casos, influenciam as decisões que tomamos.

MOTIVAÇÃO

A pesquisa psicológica sugere que o viés negativo influencia a motivação para completar uma tarefa.

As pessoas ficam menos motivadas quando um incentivo é enquadrado como um meio de ganhar algo do que quando o mesmo incentivo as ajuda a evitar a perda de algo.

Isso pode desempenhar um papel na sua motivação para perseguir um objetivo.

Em vez de focar no que você ganhará se continuar trabalhando em direção a algo, é mais provável que você se concentre no que terá de abrir mão para atingir esse objetivo. 

MÁS NOTÍCIAS 

Além disso, estudos mostraram que notícias negativas têm maior probabilidade de serem percebidas como verdadeiras.

Como as informações negativas chamam mais atenção, também podem ser vistas como tendo maior validade.

Pode ser por isso que as más notícias parecem atrair mais atenção.

POLÍTICA

As diferenças no viés da negatividade também têm sido associadas à ideologia política.

Algumas pesquisas sugerem que os conservadores podem ter respostas psicológicas mais fortes às informações negativas do que os liberais.

Algumas evidências, por exemplo, descobriram que as pessoas que se consideram politicamente conservadoras têm maior probabilidade de classificar os estímulos ambíguos como ameaçadores. 

Essas diferenças no viés da negatividade podem explicar por que algumas pessoas são mais propensas a valorizar coisas como tradição e segurança, enquanto outras são mais abertas a abraçar a ambiguidade e a mudança.

EXEMPLOS DE POLARIZAÇÃO NEGATIVA

A tendência negativa pode ter uma variedade de efeitos do mundo real sobre como as pessoas pensam e agem.

Alguma dessas situações e eventos parecem familiares?

Você recebeu uma avaliação de desempenho no trabalho que foi bastante positiva no geral e observou seu forte desempenho e realizações.

Alguns comentários construtivos apontaram áreas em que você poderia melhorar, e você se fixou nessas observações.

Em vez de se sentir bem com os aspectos positivos de sua revisão, você fica chateado e zangado com os poucos comentários críticos.

Você teve uma discussão com seu outro significativo e, depois disso, você se concentrou em todas as falhas de seu parceiro.

Em vez de reconhecer seus pontos positivos, você medita sobre todas as suas imperfeições.

Mesmo as falhas mais triviais são amplificadas, enquanto as características positivas são negligenciadas. 

Você se humilhou na frente de seus amigos anos atrás e ainda consegue se lembrar vividamente do evento.

Você começa a se encolher de vergonha por causa disso, mesmo que seus amigos provavelmente tenham esquecido completamente.

DE ONDE VEM O PRECONCEITO NEGATIVO

Nossa tendência de prestar mais atenção às coisas ruins e ignorar as coisas boas é provavelmente resultado da evolução.

No início da história da humanidade, prestar atenção às ameaças ruins, perigosas e negativas no mundo era literalmente uma questão de vida ou morte.

Aqueles que estavam mais atentos ao perigo e que prestavam mais atenção às coisas ruins ao seu redor tinham mais chance de sobreviver.

Isso significava que eles também eram mais propensos a transmitir os genes que os tornavam mais atentos ao perigo.

A perspectiva evolucionária sugere que essa tendência de insistir mais no negativo do que no positivo é simplesmente uma forma de o cérebro tentar nos manter seguros.

DESENVOLVIMENTO 

A pesquisa sugere que esse viés de negatividade começa a surgir na infância.

Bebês muito pequenos tendem a prestar mais atenção à expressão facial positiva e ao tom de voz, mas isso começa a mudar quando eles se aproximam de um ano de idade.

Estudos do cérebro indicam que, nessa época, os bebês começam a ter maiores respostas cerebrais a estímulos negativos.

Isso sugere que o viés negativo do cérebro surge durante a última metade do primeiro ano de vida de uma criança.

Existem algumas evidências de que o viés pode realmente começar ainda mais cedo no desenvolvimento.

Um estudo descobriu que bebês de apenas três meses mostram sinais de viés de negatividade ao fazer avaliações sociais de outras pessoas. 

A RESPOSTA DO CÉREBRO PARA O VIES DA NEGATIVIDADE

Evidências neurocientíficas mostraram que há um maior processamento neural no cérebro em resposta a estímulos negativos.

Estudos que envolvem a medição de potenciais cerebrais relacionados a eventos (ERPs), que mostram a resposta do cérebro a estímulos sensoriais, cognitivos ou motores específicos, mostraram que os estímulos negativos provocam uma resposta cerebral maior do que os positivos.

Em estudos conduzidos pelo psicólogo John Cacioppo, os participantes viram imagens positivas, negativas ou neutras.

Os pesquisadores então observaram a atividade elétrica no cérebro.

As imagens negativas produziram uma resposta muito mais forte no córtex cerebral do que as imagens positivas ou neutras. 

Como as informações negativas causam um surto de atividade em uma área crítica de processamento de informações do cérebro, nossos comportamentos e atitudes tendem a ser moldados de maneira mais poderosa por más notícias, experiências e informações.

EFEITOS

Embora possamos não precisar mais estar em alerta máximo constante, como nossos primeiros ancestrais precisavam estar para sobreviver, o viés da negatividade ainda tem um papel importante na maneira como nossos cérebros funcionam. 

A pesquisa mostrou que o preconceito negativo pode ter uma ampla variedade de efeitos sobre como as pessoas pensam, respondem e sentem.

Algumas das áreas do dia a dia em que você pode sentir os resultados desse preconceito incluem nos seus relacionamentos, na tomada de decisões e na maneira como você vê as pessoas.

RELACIONAMENTOS 

O viés da negatividade pode ter um efeito profundo em seus relacionamentos.

O preconceito pode levar as pessoas a esperar o pior dos outros, principalmente em relacionamentos próximos em que as pessoas se conhecem há muito tempo.

Por exemplo, você pode antecipar negativamente como seu parceiro reagirá a algo e entrar na interação com suas defesas já em alerta máximo.

Discussões e ressentimentos costumam ser os resultados.

Quando se trata de relacionamentos, é importante lembrar que comentários negativos geralmente têm muito mais peso do que comentários positivos.

Estar ciente de nossa tendência de nos fixarmos no negativo também é importante.

Ao compreender essa tendência humana natural, você pode se concentrar em encontrar maneiras de dar um descanso às outras pessoas e parar de esperar o pior.

TOMANDO UMA DECISÃO 

O viés da negatividade pode ter influência no processo de tomada de decisão.

Em seu famoso trabalho, os pesquisadores vencedores do Prêmio Nobel Kahneman e Tversky descobriram que, ao tomar decisões, as pessoas consistentemente dão mais peso aos aspectos negativos de um evento do que aos positivos. 

Essa tendência de enfatizar demais o negativo pode ter um impacto nas escolhas que as pessoas fazem e nos riscos que estão dispostas a correr.

Ao imaginar cenários envolvendo ganhar uma certa quantia de dinheiro ou perder a mesma quantia de dinheiro, o risco de perda tende a se tornar maior na mente das pessoas.

Muitas vezes as pessoas temem as consequências do resultado negativo mais do que desejam os ganhos potenciais positivos, mesmo quando as duas possibilidades são equivalentes.

As pessoas têm uma reação negativa mais forte ao perder R$ 20 do que os sentimentos positivos que sentem ao ganhar R$ 20. 

PERCEPÇÃO DE PESSOAS

Ao formar impressões de outras pessoas, também tendemos a nos concentrar mais em informações negativas.

Por exemplo, estudos têm mostrado que, quando dados adjetivos “bons” e “ruins” para descrever o caráter de outra pessoa, os participantes dão maior peso aos descritores ruins ao formar uma primeira impressão. 

O viés da negatividade pode afetar sua saúde mental, fazendo com que você:

  • Tenha pensamentos sombrios;
  • Prejudique seu relacionamento com seus entes queridos;
  • Torne difícil manter uma visão otimista da vida.

Felizmente, existem etapas que você pode seguir para mudar seu pensamento e combater a tendência ao pensamento negativo, incluindo:

PARAR DE FALAR NEGATIVAMENTE

Comece prestando atenção aos tipos de pensamentos que passam pela sua mente.

Depois que um evento ocorre, você pode se pegar pensando coisas como “Eu não deveria ter feito isso”.

Essa conversa interna negativa molda como você pensa sobre si mesmo e os outros.

Uma tática melhor é interromper esses pensamentos sempre que eles começarem.

Em vez de se fixar em erros do passado que não podem ser mudados, considere o que você aprendeu e como você pode aplicar isso no futuro.

TENHA CONVERSAS INTERNAS POSITIVAS PARA UMA VIDA MELHOR

A maneira como você fala consigo mesmo sobre eventos, experiências e pessoas desempenha um grande papel na definição de como você interpreta os eventos.

Quando você perceber que está interpretando algo de forma negativa ou focalizando apenas o aspecto ruim da situação, procure maneiras de reformular os eventos de uma forma mais positiva.

Isso não significa ignorar perigos potenciais ou ignorar- significa simplesmente redirecionar para que você dê peso justo e igual aos bons eventos.

ESTABELEÇA NOVOS PADRÕES

Quando você estiver ruminando sobre as coisas, procure uma atividade edificante para sair dessa mentalidade negativa.

Por exemplo, se você estiver revendo mentalmente algum evento ou resultado desagradável, tente conscientemente redirecionar sua atenção para outro lugar e se envolver em uma atividade que lhe traga alegria.

Mais algumas ideias para tirar sua mente de pensamentos negativos:

  • Vá caminhar;
  • Ouça música animada;
  • Leia um bom livro;
  • Saboreie momentos positivos.

Como é preciso mais para que as experiências positivas sejam lembradas, é importante dar atenção extra às coisas boas que acontecem.

Onde coisas negativas podem ser rapidamente transferidas e armazenadas em sua memória de longo prazo, você precisa fazer mais esforço para obter o mesmo efeito nos momentos felizes.

Então, quando algo ótimo acontecer, reserve um momento para realmente se concentrar nisso.

Repita o momento várias vezes em sua memória e concentre-se nos sentimentos maravilhosos que a memória evoca.

O viés da negatividade pode ter um impacto poderoso em seu comportamento, mas estar ciente disso significa que você pode tomar medidas para adotar uma visão mais positiva da vida. 

Adotar uma abordagem mais cuidadosa que envolva estar ciente de sua própria tendência para a negatividade e conscientemente elevar os pensamentos mais felizes à vanguarda da consciência – esta é uma das melhores maneiras de combater o preconceito negativo.

Portanto, remoer o que é negativo pode custar caro, portanto, tomar medidas para combater esse preconceito pode ajudar a aumentar seu bem-estar mental.

Deixe o seu comentário!

comentários

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *