&noscript=1"/>

Desenvolvimento Pessoal

Saiba se você está realmente pronto para o divórcio

Andrea W
Escrito por Andrea W em dezembro 2, 2019
Saiba se você está realmente pronto para o divórcio
Junte-se a mais de 127.133 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

 

Seu casamento está em questão e você está enfrentando um dilema real. Você pode decidir quem deve permanecer ou deve ir.

“Sinto que preciso me divorciar e terminar com o chamado casamento.

No entanto, como posso ter certeza?

Alguns dias me sinto mais confiante em minha decisão do que outros. Uma parte de mim ainda o ama ou, pelo menos, eu me importo com ele.

” Eu não acho que estou apaixonada por ele, mas e se eu cometer um erro? Muita gente será afetada pelo que eu decidir.Talvez eu não deva me apressar com isso. É engraçado, eu tenho pensado sobre isso há três anos. 

Essa coisa toda nem seria um problema e eu poderia esquecer esse divórcio, se ele mudasse de comportamento.”

Ou você pode ter acabado de ouvir que seu cônjuge quer um divórcio.

Essas perguntas muitas vezes surgem como se fossem sinais ou dúvidas com relação ao casamento. Vamos explicar se você está preparado para o divórcio!

DIVÓRCIO? DE ONDE VEIO ISSO? 

“Duas semanas atrás estávamos conversando sobre umas férias nas montanhas. Eu não fazia ideia de que nosso casamento era tão horrível.

Estou chocado e arrasado.

Preciso encontrar uma maneira de acabar com isso.

Talvez isso seja tudo um sonho e quando eu acordar as coisas voltarão ao normal.” 

Então, a maioria dos livros e artigos sobre divórcio são escritos com base no pressuposto de que, uma vez que um casal diz que quer um divórcio, está pronto para o divórcio. 

Profissionais de divórcio, como terapeutas, mediadores e advogados, muitas vezes acreditam que declarações como “eu já fiz isso com ele” ou “meus sentimentos morreram por ela” são indicadores de que o casamento acabou.

Os advogados geralmente consideram ser contratado por seus serviços como um indicador de que o casal está pronto para se divorciar.

Mas isto não é verdade.

A maioria dos casais que começam um divórcio não estão preparados e nem sempre estão no mesmo estágio quando começa.

É essa falta de preparação e prontidão para o divórcio que faz com que os casamentos terminem prematuramente ou os divórcios se deteriorem em competições. 

A decisão de obter um divórcio é uma das mais cruciais que uma pessoa pode tomar, com consequências que duram anos ou a vida toda.

Uma decisão tão importante requer muito mais atenção do que geralmente é dada por casais e profissionais. É um processo em si.

Uma vez que o casal esteja preparado e pronto, mais cedo será possível iniciar o divórcio, ambos no mesmo estágio, e isso eliminará a maioria das lutas emocionais e financeiras que fazem com que os divórcios se tornem contraditórios e implacáveis.

SEGUIR A VIDA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL?

A razão pela qual muitas pessoas nem sequer pensam em se preparar para o divórcio é porque operam sob a suposição de que quanto mais cedo você puder sair de uma situação estressante, melhor. 

Portanto, existe uma tendência natural de as pessoas que estão em casamentos difíceis quererem terminar o divórcio o mais rápido possível, a fim de seguir em frente com suas vidas.

A família e os amigos também incentivam isso. 

Eles machucam a família e também prescrevem o mito de que quanto mais rápido o divórcio terminar, mais cedo tudo voltará ao normal. Infelizmente, na maioria dos casos, acontece exatamente o oposto. 

Os casais que tomam decisões precipitadas para deixar o casamento não tiveram tempo para avaliar seus sentimentos, pensamentos ou opções.

Como resultado, eles não estão preparados para a montanha-russa de emoções, o complicado sistema jurídico e as muitas decisões que precisam encarar.

Muitas vezes eles fazem acordos que não podem sustentar e, em vez de a situação melhorar, geralmente descobrem que acabaram de trocar um conjunto de problemas por outro.

Portanto, não é de admirar que eles frequentemente se envolvam em processos judiciais prolongados e a mesma coisa que esperavam, um divórcio rápido, geralmente leva anos.

Estamos falando do que os casais precisam fazer para enfrentar os inúmeros dilemas inerentes ao divórcio. Um deles implica que você está dividido, cada uma das quais com elementos de medo indesejáveis.

Se as pessoas não resolverem seus dilemas antes do divórcio, passam pelo processo tentando controlar seu medo de maneiras diferentes, ocultando sua dúvida, responsabilidade; vulnerabilidade ou dependência.

Se um casal está iniciando o processo de divórcio ou apenas pensando, eles precisam primeiro se identificar com os seguintes dilemas de divórcio.

OS TRÊS DILEMAS DO DIVÓRCIO

Os casais que estão enfrentando a possibilidade de um divórcio enfrentam esses dilemas:

1. QUERO O DIVÓRCIO, MAS NÃO TENHO CERTEZA SE É A DECISÃO CERTA

Como o divórcio afeta a vida de seus filhos, bem como seu estilo de vida, economia e investimento conjugal, a pressão para tomar a decisão “perfeitamente correta” é enorme.

Infelizmente, não há garantias.

O melhor cenário é tomar uma decisão que não seja emocional, nem dirigida pelo seu ego.

2. EU NÃO QUERO O DIVÓRCIO, MINHA ESPOSA QUER 

Estar neste lugar reativo fará com que você se sinta fora de controle e seja uma vítima desamparada.

Você experimentará intensa devastação emocional, pois sua vida estará mudando diante de seus olhos sem que você tenha nenhuma opinião sobre o resultado.

Ao abordar esse dilema, você precisa se perguntar se está apegado a permanecer em um terreno familiar e seguro e a um casamento baseado em ilusões.

Não é fácil reconhecer e enfrentar os problemas de um casamento, quando você se sente tão magoado por seu parceiro.

3. SOMENTE QUERO O DIVÓRCIO PORQUE MEU CASAMENTO NÃO ESTÁ BOM 

Se esse é o seu dilema, você deve evitar a responsabilidade a todo custo vendo o seu parceiro culpado pela morte do casamento.

Haverá uma tremenda preocupação e raiva sobre como seu parceiro levou você a tomar essa decisão.

A quantidade de ruído gerado por essa culpa será proporcional à sua falta de vontade de arriscar expressar qualquer um de seus próprios medos e tristezas.

Se isso não ocorrer, o processo de divórcio a seguir será repleto de tensão e conflito, e uma continuação da culpa.

O elemento comum nos três dilemas é o medo.

No primeiro grupo, existe o medo de errar e de estar incorreto; o segundo se esconde negando a existência de problemas ou admitindo seu apego ao familiar, e o terceiro grupo teme qualquer responsabilidade.

O resultado em todas as três circunstâncias será o arrastamento, o combate e os divórcios.

Para que o divórcio seja um processo colaborativo e respeitoso, o casal deve estar preparado e pronto para separar suas vidas em todos os níveis; legalmente, praticamente e emocionalmente.

Para fazer isso, cada pessoa deve enfrentar seu dilema de divórcio, respondendo às 8 perguntas a seguir.

As 8 perguntas

1. VOCÊ AINDA TEM SENTIMENTOS PELO SEU PARCEIRO?

Muitas pessoas que dizem que querem o divórcio ainda têm fortes sentimentos pelo parceiro, mas devido a uma contínua luta pelo poder no relacionamento, há uma falta de intimidade e proximidade. 

Se este é você, é melhor que você trabalhe em seu relacionamento antes de decidir se divorciar; caso contrário, seus sentimentos de perda irão sobrecarregá-lo e você poderá se sentir pior depois do divórcio do que está agora.

Celine estava casada há sete anos com um homem que amava, que considerava um homem muito doce e gentil. No entanto, ela estava muito infeliz com o acordo financeiro deles. Ela era a responsável que pagava todas as despesas, enquanto ele parecia estar sempre colocando-as ainda mais em dívida. 

Ela estava muito estressada e infeliz e viu o divórcio como a única maneira de sair da tensão financeira que estava sofrendo. Mas, por causa de seus sentimentos por ele, ela não foi capaz de apoiar tal decisão ou até estabelecer um limite claro, por medo de perder o relacionamento. 

Com a ajuda de sua terapeuta, Celine reconheceu que ela precisava estabelecer um limite claro e estar disposta a perder o relacionamento, ou então aceitar que todo seu incômodo era uma perda de tempo.

2. VOCÊ JÁ FOI REALMENTE CASADO?

Para ser realmente casado, um casal deve ter criado um relacionamento que incluía um “nós”.

Muitas pessoas que estão pensando em se divorciar nunca tiveram um casamento que era mais do que dois indivíduos que atendiam às suas próprias necessidades.

Eles podem ter criado filhos e compartilhado um lar, mas participaram dessas atividades de uma posição competitiva e não unificada. 

Eles perguntavam: “Eu quero fazer isso ou aquilo”, em vez de perguntar “Isso é bom para nós?”

Se você não desenvolveu um “nós” genuíno em seu relacionamento, este seria o momento de se comprometer a aprender como fazer isso ou de admitir que nunca teve um casamento realmente.

O padrão é ameaçar separar a cada poucos meses, e há um ritual diário de luta e acordos que raramente duram mais de uma semana.

“Eu brincava com minha esposa que ela precisava guardar as malas para o caso de precisar sair rapidamente. 

Esse padrão permaneceu, apesar dos inúmeros consultórios que nos atenderam.

Não foi até que eu reconheci para mim mesma que eu não era solteiro nem casado, que eu realmente não estava em lugar nenhum, que alguma mudança real ocorreu.

Começamos o processo de divórcio real dois meses depois.”

3. VOCÊ ESTÁ REALMENTE PRONTO PARA O DIVÓRCIO OU ESTÁ APENAS AMEAÇANDO?

O divórcio é frequentemente ameaçado, especialmente em discussões conjugais acaloradas pelos seguintes motivos:

  • De raiva e frustração;
  • Para ganhar poder e controle sobre a outra pessoa, fazê-la ver as coisas do seu jeito;
  • Para finalmente ser levado a sério, você quer mudanças reais;
  • Como alerta, o casamento está vacilando.

As pessoas que constantemente ameaçam o divórcio perdem credibilidade consigo mesmas e com o parceiro.

Se a pessoa não está apenas ameaçando, mas está genuinamente pronta para o divórcio, ela pode sustentar em sua mente o seguinte pensamento:

“Desejo encerrar um capítulo da minha vida, porque estou em paz com o fato de que há não mais o que eu possa fazer ou dar a esse relacionamento”.

Eles discutirão isso adequadamente com o cônjuge, sem qualquer culpa.

4. É UMA DECISÃO SINCERA BASEADA NA AUTOCONSCIÊNCIA OU É UMA DECISÃO EMOCIONALMENTE REATIVA?

Estar pronto para se divorciar do seu parceiro significa ser capaz de tomar uma decisão clara e sem emoção que você pode apoiar com o tempo.

Divórcio significa ser capaz de abandonar todos os fortes vínculos emocionais com a outra pessoa, tanto com os que ama como com os hostis e prejudiciais. 

As decisões emocionalmente carregadas não duram e, se adotadas, não resolvem o problema subjacente.

As pessoas que se divorciam por raiva ficam com raiva mesmo depois que o divórcio termina.

Uma mulher depois de se divorciar há cinco anos, ainda estava lutando com os efeitos do divórcio.

Seu problema era que ela ainda estava com raiva de seu ex-marido e se via odiando semanalmente. 

Então ela ouviu a seguinte pergunta: “Parece que você ainda é casada.”

Ela insistiu que isso estava incorreto devido ao ódio que ela sentia por ele.

O ódio que ela estava sentindo refletia essencialmente uma grande paixão por ele, apesar de seu rótulo odioso, que ela tinha dúvida que qualquer homem pudesse se igualar. 

Ela descobriu que apenas alguém casado pode ter essa paixão.

A partir desse momento,  começou a se separar emocionalmente do ex-marido e a trabalhar para, com a ajuda finalmente fazer o divórcio real.

Uma afirmação que indicaria que você está tomando uma decisão sincera, e não emocionalmente reativa, é: “Eu reconheço que você é uma pessoa por si só, com sua própria personalidade, esperanças e sonhos; posso respeitá-lo por isso, mas eu não quero mais ficar casada com você. “

Estar pronto para o divórcio é ter um apego emocional mais baixo à pessoa da qual você está se separando; caso contrário, o próprio processo de divórcio será uma montanha-russa de sentimentos intensos, incluindo raiva, desconfiança e mágoa.

5. QUAL A SUA INTENÇÃO AO QUERER UM DIVÓRCIO?

Qualquer agenda, além de terminar o casamento, é uma indicação de que você não está pronto para se divorciar.

Se você espera que, com o divórcio, a outra pessoa mude e comece a tratá-lo melhor, perceba o quanto eles perderam ou pagaram o quanto machucaram você, você está se divorciando pelo motivo errado.

O divórcio não tem poder para corrigir erros nem mudar o coração e a mente das pessoas.

O divórcio só pode fazer uma coisa, terminar um casamento e, assim, libertar cada pessoa a fazer novos apegos a novas pessoas.

6. VOCÊ RESOLVEU SEU CONFLITO INTERNO SOBRE O DIVÓRCIO?

Todo mundo que passa por um divórcio está em conflito.

As pessoas podem se sentir culpadas ao mesmo tempo em que têm certeza de que querem terminar o relacionamento.

Ou eles podem se sentir traídos e, ao mesmo tempo, reconhecer que sua vida será melhor assim que estiverem fora do relacionamento. 

Reconhecer o conflito e que diferentes partes de vocês estarão lutando com o impacto do divórcio, em momentos diferentes, faz parte do processo de preparação para o divórcio.

Rick estava tendo mais dificuldade para decidir o que fazer com seu casamento.

Durante muito tempo, ele alegou estar confuso, em conflito.

Ele não parecia sentir-se em paz estando no casamento ou saindo.

Sua esposa o estava espancando verbalmente por sua indecisão, muitas vezes chamando-o de covarde. 

Então ele falou e disse claramente sobre não sentir paixão por sua esposa, mas em um minuto começou a proteger essa voz com declarações como “Ela é uma boa mãe ou é confiável”.

Cada vez que ele tentava se diluir dessa maneira, eu diria que só queria ouvir a voz que quer “sair”. 

À medida que a falta de voz “fora” se tornava cada vez mais expressiva, ele começou a suar visivelmente.

E finalmente, ele disse: “Estou me sentindo culpado”. De onde vem isso? “, Prometi que nunca seguiria o caminho de meu pai que abandonou minha mãe “. 

Com essa voz oposta classificada e esclarecida, ele não ficou mais confuso.

Pôde ver que essa antiga promessa para si mesmo estava em conflito com seu desejo atual de terminar seu casamento.

Como ele continuou a trabalhar nessas duas partes opostas de si mesmo, ele finalmente conseguiu tomar uma decisão com a qual se sentia em paz.

Meses depois, ele iniciou o processo de divórcio.

7. VOCÊ PODE LIDAR COM AS CONSEQUÊNCIAS DESAGRADÁVEIS DO DIVÓRCIO?

O divórcio traz mudança e sofrimento, porque é a perda do sonho da “família feliz”.

Dores, decepções, solidão, fracasso, rejeição, inadequação podem tomar conta da psique quando estamos nesta passagem extremamente vulnerável. 

Para estar pronto para os altos e baixos do divórcio, é necessário ter um sistema de apoio de familiares e amigos que estejam lá para ajudá-lo emocional e praticamente quando necessário.

Uma das consequências mais difíceis do divórcio é a necessidade de enfrentar a dor de outra pessoa, seja seus filhos, sua família ou amigos, porque o divórcio afeta a vida de muitas pessoas.

Se você é quem escolhe o divórcio, terá que se apegar à sua decisão e ao fim do seu casamento diante de todas essas pessoas e circunstâncias.

Se você é quem não quer o divórcio, mas seu cônjuge quer prosseguir, ainda precisará se preparar para aceitar as seguintes conseqüências de um casamento fracassado.

Para saber se você está pronto, pergunte a si mesmo se você está preparado para as seguintes alterações:

  • Se você não deseja mudanças em suas finanças, estilo de vida ou tradições, não está pronto para o divórcio;
  • Se você não pode aceitar a tristeza e a raiva de seus filhos, então você não está pronto para o divórcio;
  • Se você não pode aceitar tempos de insegurança, medo e desconhecido, então você não está pronto para o divórcio;
  • Se você não está disposto a deixar seu cônjuge mental, emocional e espiritualmente, não está pronto para o divórcio. 

RESOLVA SEU PROBLEMA

Temos o exemplo de uma mulher que estava totalmente entediada com o marido passivo unidimensional e ela expressou o que parecia ser um desejo muito forte de deixá-lo após 20 anos de casamento. 

Cada vez que ela dizia que ia dizer a ele que queria se separar, recuava muito antes de chegar em casa.

Para ajudá-la a reconhecer sua própria luta, ela fez uma lista das consequências do divórcio, e a única coisa que ela disse que nunca poderia aceitar era o fato de que seus filhos a odiariam por deixar o pai. 

Ela disse que não podia arriscar isso, por mais entediada que estivesse.

Depois de entender que essa desagradável consequência de se divorciar dele seria mais do que podia suportar, ela foi capaz de pensar em outras maneiras de resolver o problema de ficar entediada em seu casamento.

8. VOCÊ ESTÁ DISPOSTO A ASSUMIR O CONTROLE DE SUA VIDA DE MANEIRA RESPONSÁVEL E MADURA?

Seja você quem deseja o divórcio ou quem está tendo que responder ao seu cônjuge que deseja o divórcio, ambas as situações têm uma coisa em comum, o casamento está terminando. 

Como as pessoas respondem a esse fato determina o tipo de divórcio e o futuro que terão.

Eles podem vir de uma posição de amargura, vingança ou desamparo ou podem negociar para o futuro a partir de uma posição de força, com compreensão e respeito.

A atitude que você escolher determinará o tipo de divórcio que você tem. 

É importante que as pessoas que se preparam abordando primeiro as 8 questões têm mais probabilidade de ter um divórcio colaborativo.

Ao iniciar o processo dessa maneira, eles são muito mais capazes de fazer acordos duradouros entre si, resolver suas dificuldades e desenvolver planos parentais que apoiem os filhos e respeitem os direitos uns dos outros.

O que achou do conteúdo? Conhece alguém numa dessas situações? Comente e compartilhe!

Deixe o seu comentário!

comentários

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *