A decisão mais difícil dos pais na pandemia: seu filho deve voltar ou não para a escola

Artigos

A decisão mais difícil dos pais na pandemia: seu filho deve voltar ou não para a escola

Andrea W
Escrito por Andrea W em setembro 6, 2020
A decisão mais difícil dos pais na pandemia: seu filho deve voltar ou não para a escola
Junte-se a mais de 127.133 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Os pais estão lutando com escolhas difíceis sobre como mandar seus filhos para a escola durante a pandemia.

Veja como um repórter científico tomou a decisão.

Durante todo o verão, à medida que as informações sobre como o coronavírus afeta as crianças se espalhavam, estive atualizando um balanço patrimonial na minha cabeça. 

Cada estudo que li, cada especialista com quem conversei estava preenchendo colunas nesta folha: razões a favor e contra mandar meus filhos de volta à escola em setembro.

Em contrapartida, entrou um estudo de Chicago que descobriu que crianças carregam grandes quantidades de vírus em seus narizes e gargantas, talvez até mais do que os adultos. 

Também na sequência mais dois estudos sul-coreanos, que sugeriam que as crianças podem espalhar o vírus para outras pessoas – me fizeram pensar se meu filho que está na sexta série, deveria ficar em casa.

Entre estudos e dúvidas, vamos entender um pouco mais sobre esse dilema atual das famílias.

VOLTAR OU NÃO VOLTAR AS AULAS DURANTE A PANDEMIA

Relatórios da Europa sugerem que é possível reabrir escolas com segurança e me levaram para o lado positivo.

Mas poderíamos igualar as precauções cuidadosas desses países ou seus baixos níveis de vírus na comunidade?

Eu moro no Brooklyn, onde as escolas abrem após o Dia do Trabalho (se é que abrem este ano), então meu marido e eu tivemos mais tempo do que a maioria dos pais do país para nos decidirmos.

Também temos o privilégio de ter computadores e Wi-Fi confiável para meus filhos aprenderem remotamente.

Mas enquanto outros pais ligavam e mandavam mensagens perguntando o que eu planejava fazer, me virei para os verdadeiros especialistas:

O que sabemos sobre o coronavírus e as crianças? E o que pais como eu devem fazer?

O vírus é tão novo que ainda não há respostas definitivas, disseram os especialistas.

Dezenas de estudos de coronavírus surgem todos os dias, “mas nem tudo é boa literatura, e separar o joio do trigo é um desafio”, disse a Dra. Megan Ranney, especialista em saúde do adolescente na Brown University.

ABRIR SOMENTE QUANDO HOUVER MENOS DE 5% DE RESULTADOS POSITIVOS 

Especialistas são claros em uma coisa: as escolas só deveriam reabrir se o nível de vírus que circula na comunidade for baixo – isto é, se menos de 5% das pessoas testadas apresentarem resultados positivos.

Por essa medida, a maioria das escolas do país não pode reabrir sem problemas.

“O fator número 1 é como é a transmissão local”, disse Helen Jenkins, especialista em estatísticas e doenças infecciosas da Universidade de Boston.

“Se você está em uma parte do país muito afetada, é altamente provável que alguém que esteja entrando na escola seja infectado em algum momento.”

Sobre as perguntas de frequência com que as crianças são infectadas, quão doentes ficam e quanto contribuem para a disseminação na comunidade, as respostas foram muito mais matizadas.

SEM SINTOMAS GRAVES

Temos menos crianças do que adultos infectadas. Mas a infecção infantil não é incomum.

Nos primeiros dias da pandemia, havia tão poucos relatos de crianças doentes que não estava claro se elas poderiam ser infectadas.

Os pesquisadores descobriram que as crianças mais novas provavelmente poderiam contrair o coronavírus, mas foram poupadas dos sintomas graves.

Essa conjectura se mostrou correta. “Há evidências muito claras neste ponto de que as crianças podem ser infectadas”, disse o Dr. Ranney.

À medida que a pandemia se desenrolava, também parecia que as crianças mais novas tinham menos probabilidade – talvez apenas a metade – de se infectar, em comparação com os adultos, enquanto as crianças mais velhas tinham quase o mesmo risco que os adultos.

Mas é impossível ter certeza. Na maioria dos países duramente atingidos pelo coronavírus, fechamentos de escolas mantiveram as crianças enclausuradas em casa e longe de fontes de infecção.

E quando a maioria desses países se abriu, o fez com uma adesão cuidadosa a máscaras e distanciamento físico.

As crianças correm menos risco de se infectar, “mas não são significativamente diferentes o suficiente para que eu me consolasse ou usasse isso para tomar decisões”, disse o Dr. Ashish Jha, reitor da Escola de Saúde Pública da Universidade Brown.

MUDANÇA NO CONHECIMENTO CIENTÍFICO SOBRE CORONAVÍRUS EM CRIANÇAS

Nos Estados Unidos, as pessoas com menos de 19 anos ainda representam pouco mais de 9% de todos os casos de coronavírus.

Mas o número de crianças infectadas aumentou drasticamente neste verão para quase meio milhão, e a incidência entre elas aumentou muito mais rápido do que no início deste ano.

“E essas são apenas as crianças que foram testadas”, disse a Dra. Leana Wen, ex-comissária de saúde de Baltimore.

“É bem possível que estejamos perdendo muitos casos de crianças assintomáticas ou levemente sintomáticas.”

No período de duas semanas entre 6 e 20 de agosto, por exemplo, o número de crianças diagnosticadas nos Estados Unidos saltou para 74.160, um aumento de 21%.

“Agora que estamos fazendo mais testes na comunidade, vemos proporções maiores de crianças infectadas”, disse Ranney.

“Acho que nosso conhecimento científico sobre isso continuará mudando”.

AS CRIANÇAS FICAM DOENTES COM O VÍRUS, MAS MORTES SÃO RARAS 

Mesmo com o aumento do número de infecções, a possibilidade de que mais pânico entre os pais – de que seus filhos fiquem gravemente doentes ou mesmo morram por causa do vírus – ainda é reconfortantemente pequena.

Crianças e adolescentes de até 20 anos (as definições e estatísticas variam por estado) representam menos de 0,3 por cento das mortes relacionadas ao coronavírus, e 21 estados não relataram nenhuma morte entre crianças.

“Esse continua sendo um estudo desta pandemia”, disse o Dr. Jha.

Mas relatos em adultos sugerem cada vez mais que a morte não é o único resultado grave.

Muitos adultos parecem ter sintomas debilitantes por semanas ou meses após o primeiro adoecimento.

SÍNDROME INFLAMATÓRIA MULTISSISTÊMICA 

“Qual a porcentagem de crianças infectadas que têm consequências de longo prazo com as quais estamos cada vez mais preocupados com os adultos?” Dr. Ranney se perguntou.

A síndrome inflamatória multissistêmica, uma doença misteriosa que tem sido associada ao coronavírus, também foi relatada em cerca de 700 crianças e causou 11 mortes até 20 de agosto. “Essa é uma porcentagem muito pequena de crianças”, disse o Dr. Ranney. “Mas um número crescente de crianças está sendo hospitalizada.”

AS CRIANÇAS PODEM ESPALHAR O VÍRUS PARA OUTRAS PESSOAS 

A transmissão tem sido o aspecto mais desafiador do coronavírus em crianças, tornado ainda mais difícil pelos bloqueios que as mantinham em casa.

Como a maioria das crianças é assintomática, por exemplo, pesquisas domiciliares e estudos que testam pessoas com sintomas geralmente deixam de ver crianças que podem ter disseminado infecções.

E quando as escolas são fechadas, as crianças pequenas não se aventuram; eles tendem a pegar o vírus de adultos, ao invés de ocorrer o contrário.

Para confirmar a direção da propagação, o ideal é que os cientistas sequenciam geneticamente as amostras virais obtidas de crianças para saber onde e quando elas foram infectadas e se as transmitiram.

DE VOLTA À ESCOLA 

Estudantes de todo o mundo, de Wuhan a Londres, de Tel Aviv  à Flórida, voltaram cautelosamente para as salas de aula esta semana.

Conforme as faculdades reabrem na pandemia, os alunos devem decidir se denunciam  colegas de classe que possam estar violando as regras da Covid.

A volta aos estudos presenciais em 2020 será uma montanha-russa de ajustes. 

ENTÃO, O QUE UM PAI DEVE FAZER?

Essa é uma pergunta difícil de responder, como os pais em todos os lugares agora sabem.

Muito depende das circunstâncias particulares de sua escola, sua comunidade, sua família e seu filho.

“Acho que é uma decisão realmente complexa e precisamos fazer tudo o que pudermos como sociedade para permitir que os pais tomem esse tipo de decisão”, disse o Dr. Wen.

Existem alguns cuidados que todos podem tomar – começando por fazer o máximo possível de aulas ao ar livre, mantendo distância física e usando máscaras.

“Não vou mandar meus filhos para a escola ou para uma atividade em ambientes fechados onde nem todas as crianças estão mascaradas”, disse Ranney.

Mesmo que haja incerteza sobre a frequência com que as crianças são infectadas ou disseminam o vírus, “quando você considera o risco versus benefício, o equilíbrio está em supor que as crianças podem ser infectadas e espalhar o vírus”, disse Ranney.

 CUIDADOS DA ESCOLA PARA CONTER A PROPAGAÇÃO

Para as escolas, a decisão também se resumirá a ter uma boa ventilação – mesmo que sejam apenas janelas para abrir – pequenos cuidados que podem limitar a extensão da propagação do vírus de uma criança infectada e testes frequentes para cortar as cadeias de transmissão.

Professores e auxiliares escolares também precisarão de equipamentos de proteção, disse o Dr. Jenkins:

“Um bom EPI faz toda a diferença, e as escolas devem, no minimo fornecer isso para os professores”.

Contanto que essas precauções corretas estejam em vigor, “é melhor para as crianças estar na escola do que fora dela”, disse o Dr. Jha.

“Os professores também estão razoavelmente seguros nesses ambientes.”

Mas a transmissão na comunidade é o fator mais importante para decidir se as crianças devem voltar à escola, concordam os pesquisadores.

“Nós simplesmente não podemos manter uma escola livre do coronavírus se a comunidade for um foco de infecção”, disse o Dr. Wen.

Em Nova York, os números são baixos o suficiente para que meu marido e eu tenhamos uma escolha real a fazer.

E a escola de nossos filhos, com foco na igualdade social, disse que filhos de trabalhadores de linha de frente e pessoas com deficiência receberão as primeiras vagas para o aprendizado pessoal.

Nós nos adequamos para enviá-los dois dias por semana.

Minha sogra mora no andar de baixo em uma unidade separada e pode ser mais vulnerável ao vírus.

Mas meus filhos, de 11 e 8 anos, precisam ter essas aulas presenciais e estão desesperados para ver seus amigos.

Decidimos então, mandar nossos filhos de volta à escola.

E você, o que está pensando sobre esse retorno de seus filhos às aulas? Compartilhe conosco as suas dúvidas e anseios.

 

 

 

Deixe o seu comentário!

comentários

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *